Liberdade, segurança e polícia

uma abordagem filosófica sob a ótica contratualista.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i2.8665787

Palavras-chave:

Contrato social, Estado, Polícia

Resumo

O presente artigo aborda a instituição de órgãos de polícia como representantes do poder e da autoridade do Estado sob a ótica da filosofia, sobretudo no contexto do contrato social, fundamentada em revisão bibliográfica. Ainda que o homem tenha preterido sua liberdade natural em prol de uma liberdade assistida, e sendo a polícia um dos órgãos responsáveis por essa assistência, não há como afirmar que esse trabalho está correspondendo aos anseios da sociedade, sobretudo ao se analisar os índices de violência que a envolvem. Nesse sentido, a sociedade vem questionando a necessidade da existência dessas instituições, muitas vezes, inclusive, pedindo sua extinção.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Amaro de Brito, Universidade International Iberoamericana

Doutoranda em Psicologia pela Universidade International Iberoamericana. México.

Referências

ARISTÓTELES. Tratado da Política. Sintra: Publicações Europa-América, 1977.

BAYLE, Jean-Louis. La Police dans le Système Politique. Toulouse: Centre d'Études et des Recherches sur la Police, 1981.

BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das Penas. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BETTENCOURT, Aníbal. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa: Editorial Enciclopédia, 1999.

BRASIL. Constituição Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, (2016). Disponível em: http://legis.senado.leg.br/norma/579494/publicacao/16434817. Acesso em: 20 de janeiro de 2021.

CAETANO, Marcello. Manual de Direito Administrativo. Coimbra: Almedina, 1990.

CLEMENTE, Pedro. Cidadania, Polícia e Segurança. Lisboa: ISCPSI, 2015.

GUERRA, Luiz. Contrato Social. Infoescola, 2006. Disponível em: https://www.infoescola.com/filosofia/contrato-social/. Acesso em: 21 de janeiro de 2021.

HOBBES, Thomas. Do cidadão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de uma república eclesiástica e civil. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

INFOMONEY. Economia UOL, 2014. Disponível em: https://economia.uol.com.br/noticias/infomoney/2014/05/13/veja-lista-das-profissoes-mais-confiaveis-politicos-ficam-com-lanterna.htm. Acesso em: 02 de maio de 2021.

INSTITUTE FOR ECONOMICS & PEACE. Global Peace Index., 2020. Disponível em: https://www.economicsandpeace.org/. Acesso em: 01 de março de 2021.

LOCKE, John. Ensaios Políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA. Polícia de Segurança Pública. Disponível em: https://www.psp.pt/Pages/sobre-nos/quem-somos/historia.aspx. Acesso em: 18 de janeiro de 2021.

RODRIGUES, Odhara. Guia do estudante, 2017. Disponível em: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/pordentrodasprofissoes/quais-os-profissionais-em-quem-os-brasileiros-mais-confiam/. Acesso em: 02 de maio de 2021.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do Contrato Social ou Princípios do Direito Político. Tradução de Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2000.

SOUSA, Antônio. Manual de Direito Policial: direito da ordem e segurança públicas. Porto: Vida Económica, 2016.

WAISELFISZ, Júlio. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Mapa da Violência, 2015. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso em: 28 dez. 2020.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Brito, F. A. de. (2022). Liberdade, segurança e polícia: uma abordagem filosófica sob a ótica contratualista. Filosofia E Educação, 14(2), 204–215. https://doi.org/10.20396/rfe.v14i2.8665787