Arte e design sob outros critérios

o complexo arte-design-entretenimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v13i3.8667125

Palavras-chave:

Arte e design, Disciplinas, Discurso

Resumo

Este ensaio propõe uma reflexão sobre o lugar que a arte e o design ocupam na esfera da visualidade contemporânea. Após contextualizar o certame mediante outros campos e saberes, apresento os contornos gerais do que denomino “complexo arte-design-entretenimento” (CADE) e exponho três possibilidades para sua assimilação disciplinar. Na sequência, lanço mão de uma leitura não disciplinar em torno de um design para não-designers, e de uma arte para não-artistas. Por fim, assinalo o lócus no qual, por meio da indústria do entretenimento, a arte e o design vêm assumindo uma nova dimensão valorativa que passa ao largo do discurso acadêmico-disciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Beccari, Univerisdade Federal de Paraná

Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo, Brasil. Professor do Departamento. de Design da Universidade Federal do Paraná.

Referências

BEIGUELMAN, Giselle. Da cidade interativa às memórias corrompidas: arte, design e patrimônio histórico na cultura urbana contemporânea. Tese de Livre Docência em Linguagem e Poéticas Visuais. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2016.

BENTHAM, Jeremy. “Defense of Usury”. In: STARK, Werner (Ed.). Jeremy Bentham’s Economic Writings — Vol. 1. London: Blackfriars, 1952, p. 121-207.

BURNETT, Bill; EVANS, Dave. Designing Your Life: How to Build a Well-Lived Joyful Life. New York: Knopf, 2016.

BURNETT, Bill; EVANS, Dave. The Designing Your Life Workbook: A Framework for Building a Life You Can Thrive In. New York: Clarkson Potte, 2018.

BURNETT, Bill; EVANS, Dave. Designing Your Work Life: How to Thrive and Change and Find Happiness at Work. New York: Knopf, 2020.

CELESTINO, Luiz. “O que é Concept Art?”. Brushwork Atelier, 23 de maio de 2016. Disponível em: https://brushworkatelier.com/blog/2016/2/3/o-que-conceptart. Acesso em setembro de 2021.

FLEXNER, James. American Painting. New York: Houghton Mifflin, 1950.

FORTY, Adrian. Objetos de desejo: design e sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

FOSTER, Hal. O retorno do real: A vanguarda no final do século XX. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

FOSTER, Hal. O complexo arte-arquitetura. São Paulo: Ubu, 2017.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: Nascimento da prisão. São Paulo: Vozes, 2004.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. O Poder Psiquiátrico: Curso dado no Collège de France (1973- 1974). São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. “Espaço, saber, poder”. In: Ditos e Escritos VIII: Segurança, penalidade e prisão. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012, p. 206-222.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

GAIMAN, Neil. Make good art. New York: William Morrow, 2013.

GAIMAN, Neil. Art Matters: Because Your Imagination Can Change the World. New York: William Morrow, 2018.

HENRI, Robert. The Art Spirit. New York: Lippincott, 1960.

KLEON, Austin. Roube como um artista: 10 dicas sobre criatividade. Rio de Janeiro: Rocco, 2013.

KLEON, Austin. Show Your Work! 10 Ways to Share Your Creativity and Get Discovered. New York: Workman, 2014.

KLEON, Austin. The Steal Like an Artist Journal: A Notebook for Creative Kleptomaniacs. New York: Workman, 2015.

KLEON, Austin. Keep Going: 10 Ways to Stay Creative in Good Times and Bad. New York: Workman, 2019.

KRIPPENDORF, Klaus. The semantic turn: a new foundation for design. New York: Taylor & Francis, 2006.

LaROSSA, Brian. “The Architecture of Graphic Design’s Discourse”. Design Observer, 11 de março de 2017, s. p. Disponível em: https://designobserver.com/feature/the-architecture-of-graphic-designsdiscourse/39694. Acesso em setembro de 2021.

LATOUR, Bruno; YANEVA, Albena. “Give me a gun and I will make all buildings move: An ANT’s view of architecture”. In: GEISER, Reto (Ed.). Explorations in Architecture: Teaching, Design, Research. Basel: Birkhäuser, 2008, p. 80-89.

LATOUR, Bruno. “Um Prometeu cauteloso? Alguns passos rumo a uma filosofia do design (com especial atenção a Peter Slotedijk)”. Agitprop: revista brasileira de design, São Paulo, v. 6, n. 58, jul./ago. 2014.

LILLY, Eliott J. Big Bad World of Concept Art for Video Games: An Insider’s Guide for Students. Los Angeles: Design Studio Press, 2015.

LUPTON, Ellen. D.I.Y. — Design It Yourself. New York: Princeton Architectural Press, 2006.

LUPTON, Ellen; MILLER, Abbott. Design escrita pesquisa: a escrita no design gráfico. Porto Alegre: Bookman, 2011.

MIRZOEFF, Nicholas. The right to look: A Counterhistory of Visuality. Durham: Duke University Press, 2011.

NORMAN, Donald. O design do dia-a-dia. São Paulo: Rocco, 2005.

NORMAN, Donald. “Somos todos designers”. In: Design emocional: por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008, p. 243-257.

PEVSNER, Nikolaus. Os pioneiros do desenho moderno: de William Morris a Walter Gropius. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

READ, Herbert. Arte e Industria: Principios do Diseño Industrial. Buenos Aires: Ediciones Infinito, 1961.

SIMON, Herbert. As Ciências do Artificial. São Paulo: Almedina, 1981.

STEINBERG, Leo. Outros critérios: confrontos com a arte do século XX. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

VENTURELLI, Suzete; MELO, Marcilon Almeida de. “O visível do invisível: data art e visualização de dados”. Ars (São Paulo), v. 17, n. 35, p. 203-214, 2019.

Downloads

Publicado

2022-01-20

Como Citar

Beccari, M. (2022). Arte e design sob outros critérios: o complexo arte-design-entretenimento. Filosofia E Educação, 13(3), 2742–2768. https://doi.org/10.20396/rfe.v13i3.8667125