Banner Portal
A epistemologia pragmatista de John Dewey
A Revista Filosofia e Educação dedica este numéro à divulgação da seleção de artigos encaminhados para a seção de fluxo contínuo durante o ano de 2021. Considerando a variedade temática, esperamos que o títulobde "Filosofia da educação e ideias pedagógicas conemporâneas" permita sinalizar os conteúdos que abrangem desde as práticas de ensino, as correntes filosóficas que permeiam o debate pedagico até as perspectivas éticas na formação e no exercício da profissão do educador.
PDF

Palavras-chave

Epistemologia
Filosofia
Experiência

Como Citar

NASCIMENTO, Edna Maria Magalhães. A epistemologia pragmatista de John Dewey: uma filosofia da experiência . Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 119–144, 2022. DOI: 10.20396/rfe.v14i2.8668377. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8668377. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

 Dewey desenvolveu um programa doutrinário que visa mostrar como o conhecimento se funda na experiência. Essa é a dimensão científico-naturalista da sua obra. Nesse sentido, o seu projeto consiste numa rigorosa argumentação contra as explicações em que a experiência e a natureza são apresentadas com base em distinções arbitrárias. Na obra, Reconstruction in Philosophy [Reconstrução em Filosofia], Dewey desenvolveu seu projeto metafísico de dimensão historicista, propondo uma reconstrução para a filosofia. Em Experience and Nature [Experiência e Natureza], ele apresentou uma visada científica para a metafísica.  Nessa obra, Dewey tenta pensar um sistema desenvolvido a partir da aplicação do método científico à filosofia tendo como base uma concepção filosófica da experiência. As concepções de Dewey acerca do conhecimento, do uso inteligente da razão e da natureza social da filosofia concorrem para a constituição de sua concepção de ciência. Nas duas obras fica evidente a sua crítica à noção tradicional de conhecimento como representação da realidade. Contra isso, Dewey passa a designar o conhecimento como um conjunto de “crenças” e “proposições” tomadas como garantias de usos ou assertividade garantida.  Dewey se opõe à forma pela qual o problema epistemológico é formulado pela tradição, ou seja, a partir de uma posição realista ingênua no qual o conhecimento é visto como representação, desconsiderando o processo de conexão entre as coisas e entre o conhecedor e as coisas.

 

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i2.8668377
PDF

Referências

ARAÚJO. Inês Lacerda. Dewey e Rorty: Um debate sobre a justificação, experiência e o papel da ciência na cultura. São Paulo. COGNITIO ESTUDOS: Revista Eletrônica de Filosofia, Volume 5, Número 1, janeiro-junho, 2008.

DEWEY, John. Propositions, Warranted Asserbility and Truth. The Later Works of John Dewey. Southern Illinois University Press. ed. Carbondale and Edwardsville. 1991, p. 170 (Publicado originalmente no The Journal of Philosophy, 38, (1941). p.141.

DEWEY, John. Reconstruction in Philosophy. Enlarged edition. With a new introduction by the Author. Boston: The Beacon Press, 1957.

DEWEY, John. Experience and Nature. New York: Dover Publications, Inc., 1958.

DEWEY, John. The quest for Certainty: a study of the relation of knowledge and action. Minton, Balch, 1929.

DEWEY, John . Essays in Experimental Logic. 2 ed. Chicago: Chicago University Press. 2004.

DEWEY, John. The crucial role of intelligence. En Later works of John Dewey. Carbondale, Southern Illinois University Press, 1987, v.11, p. 342-344.

DEWEY, John. The Influence of Darwin on philosophy. New York, Henry Holt and Company. 1910.

DEWEY, John. Art as Experience. The Berkley Publishing group. New York, Pequin Group(USA), 1934.

DEWEY, John. Studies in Logical Theory. University of Chicago Press, 1903.

DEWEY, John. Individuality and experience. En Later works of John Dewey. Carbondale, Southern Illinois University Press, 1984. v. 2, p. 55-61.

DEWEY, John. How We Think. New York. Forgotten Books. 1909.

DEWEY, John. Logic: The Theory of Inquiry. New York. Henry Holt and company., 1938.

DEWEY, John. Human Nature and Conduct: An Introduction to Social Psychology. New York. Cosimo., 2007.

DEWEY, John. The Essencial Dewey. New York. Ed. Larry Hickman and Tomas Alexander. Bloomington. 1998.

DE WAAL. Sobre o Pragmatismo. São Paulo. Ediçoes Loyola, 2007.

GEIGER, G. R. John Dewey in Perspective - a reassessment. N. York; Toronto; London: McGraw-Hill Book Co., 1958.

GOUINLOCK, James, What The Legacy instrumentalism? Rorty’s Interpretation of Dewey. In. Saatkamp Jr., H. J. (Ed.). Rorty and pragmatism. The philosopher responds to his critics. Nashville and London: Vanderbilt Un Press, 1995.

HEIDEGGER, M. Basic Writings by Martin Heidegger, Ed. David Krell, New York, 1977, p. 235.

KORBLITZH, Hilary. Em Defesa de Uma Epistemologia Naturalizada. In: SOSA, Ernest, GRECO, John. Compêndio de Epistemologia. Tradutores: Alessandra Siedschlag e Fernandes Rogério Bettoni. São Paulo. Edições Loyola, 2008, p. 253.

PINTO, Paulo Roberto Margutti. A abordagem pragmática do conhecimento. In: A ciência e seus impasses: debates e tendências em filosofia, ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 1999.

QUINE. W.O.V. Ontological Relativy and Other Essays, Epistemology Naturalized. New York, Columbia Press, 1969, p. 69.

RORTY, Richard. A Filosofia e o Espelho da Natureza. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

SHOOK, John R. Os pioneiros do pragmatismo americano. Trad. Fábio M. Said. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p.150.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Filosofia e Educação

Downloads

Não há dados estatísticos.