O currículo de uma Licenciatura em História e as representações de identidades étnico-raciais: tensões, manutenções e ambivalências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v4i2.8651322

Palavras-chave:

Currículo. Identidades étnico-raciais. Licenciatura em História.

Resumo

Neste artigo, no qual se problematizam a hegemonia branca e o eurocentrismo, analisam-se representações de negros, indígenas e brancos no currículo de um curso de Licenciatura em História. O currículo está sempre relacionado a representações de identidades étnico-raciais e, como os estudos étnico-raciais vêm mostrando, sistematicamente ele contribui para reproduzir as representações hegemônicas, reforçando as hierarquias raciais construídas no período colonial. Examinou-se o projeto pedagógico do curso, realizaram-se observações de aulas inspiradas na etnografia, e fizeram-se entrevistas semiestruturadas com estudantes do curso. Conclui-se que as diferenças negras e indígenas necessitam ser mais visibilizadas e que o lugar da branquidade deve ser sistematicamente questionado para colocar em xeque as compreensões estereotipadas que circulam na Licenciatura em História.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Bonifácio Alves da Silva, Universidade Católica Dom Bosco

Doutorando em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

José Licínio Backes, Universidade Católica Dom Bosco

Doutor em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Docente da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Bolsista produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

ALBUQUERQUE, Wlamyra; FRAGA FILHO, Walter. Os dilemas de dois autores frente a Uma história do negro no Brasil. Revista História Hoje, v. 1, nº 2, p. 45-60, 2012.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 março de 2008. Brasília, DF, março de 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm>. Acesso em: 17 dez. 2017.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, nº. 1, p. 167-182, jan./jun. 2003.

GOMES, Nilma Lino; MIRANDA, Shirlei Aparecida de. Gênero, raça e educação: indagações advindas de um olhar sobre uma academia de modelos. Poiésis, Unisul, v. 8, n. 13, p. 81-103, jan./jun. 2014.

GRÜN, Mauro; COSTA, Marisa Vorraber. A aventura de retomar a conversação – hermenêutica e pesquisa social. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Porto Alegre: Mediação, p. 85-104, 1996.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 103-133, 2000.

HALL, Stuart. Sin garantías: trayetorias y problemáticas en estudios culturales. Popayán/Lima/Bogotá: Instituto de Estudios Sociales e Culturales Pensar/Instituto de Estudios Peruanos/Universidad Andina Símon Bolivar, 2010.

PASSOS, Ana Helena Ithamar. Um estudo sobre a branquitude no contexto de reconfiguração das relações raciais no Brasil, 2003-2013. Tese (Doutorado em Serviço Social). Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Revista Novos Rumos, v. 17, n. 37, p. 4-25, maio./ago. 2002.

SANTOS, Luís Henrique Sacchi dos. “Um preto mais clarinho...” ou dos discursos que se dobram nos corpos produzindo o que somos. Educação & Realidade, nº 22, p. 81-115, jul./dez., 1997.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese (Doutorado em Psicologia). São Paulo: USP, 2012.

SILVA, Giovani José da. Categorias de entendimento do passado entre os Kadiwéu: narrativas, memória e ensino de história indígena. Revista História Hoje, v. 1, nº 2, p. 59-79, 2012.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação. Porto Alegre, ano XXX, n. 3 (63), p. 489-506, set./dez. 2007.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 73-102, 2000.

SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. A entrevista na pesquisa em educação – uma arena de significados. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, p. 119-141, 2002.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

STEYN, Melissa. Novos matizes da “branquidade”: a identidade branca numa África do Sul multicultural e democrática. In: WARE, Vron (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, p. 115-137, 2004.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 7-72, 2000.

Publicado

2018-02-20

Como Citar

SILVA, J. B. A. da; BACKES, J. L. O currículo de uma Licenciatura em História e as representações de identidades étnico-raciais: tensões, manutenções e ambivalências. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 347-365, 2018. DOI: 10.20396/riesup.v4i2.8651322. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8651322. Acesso em: 29 out. 2020.