Aprendizagem tecnológica ativa

Bruno Leite

Resumo


As metodologias ativas e as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) na educação estão cada vez mais presentes nas práticas pedagógicas. Uma ampla literatura científica destaca os impactos positivos na aprendizagem de ambos os elementos. No entanto, o número de professores que fazem o uso conjugado e simultâneo dessas ainda é baixo. Nesse sentido, este artigo descreve um novo paradigma de aprendizagem, conhecido como Aprendizagem Tecnológica Ativa (ATA), que é apoiado pelo uso combinado das tecnologias digitais e das metodologias ativas. Para isso, realizou-se uma pesquisa qualitativa considerando uma abordagem descritiva, interpretativa e dedutiva, possibilitando compreender os fenômenos dentro de seu contexto, descobrindo ligações entre conceitos, bem como determinando características do modelo da aprendizagem tecnológica ativa. Os resultados desta pesquisa apontam que o modelo proposto pode ajudar a refletir sobre o uso das TDIC articulada com as metodologias ativas, atendendo às necessidades de uma educação digital e ativa, centrada no aluno. Por fim, apresentam-se algumas aplicações encontradas na literatura, como uma maneira de propor alguns norteadores para sua utilização na Educação, em especial no Ensino de Química, de modo a aprimorar ainda mais a compreensão do modelo da Aprendizagem Tecnológica Ativa. 


Palavras-chave


Tecnologia da informação e da comunicação. Metodologia do ensino. Tecnologia educacional.

Texto completo:

PORTUGUÊS INGLÊS

Referências


ARAÚJO, José Carlos Souza. Fundamentos da metodologia de ensino ativa (1890-1931). In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPEd, 37., 2015, Florianópolis. [Anais do…]. Florianopólis: [s.n.], 2015.

AUSUBEL, David Paul; NOVAK, Joseph; HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericano, 1980.

BANDURA, Albert. Modificação do comportamento. Rio de Janeiro: Interamericana, 1979.

BARBOSA, Eduardo Fernandes; MOURA, Dácio Guimarães de. Metodologias ativas de aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica. B. Tec. Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 48-67, maio/ago. 2013.

BEAUCHAMP, Tom; CHILDRESS, James. Principles of biomedical ethics. New York: Oxford, 1994.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aron. Sala de aula invertida: Uma metodologia Ativa de Aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

BONWELL, Charles; EISON, James. Active learning: creating excitement in classroom. 1. ed. Washington: The George Washington University, School of Education and Human Development, 1991.

BRADLEY, Eizabeth; CURRY, Leslie; DEVERS, Kelly. Qualitative data analysis for health services research: Developing taxonomy, themes, and theory. Health Research and Education Trust, Chicago, v. 42, n. 4, p. 1758–1772, ago. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

BROWN, Tim. Change by design: How Design Thinking Transforms Organizations and Inspires Innovation, New York: HarperBusiness, 2009.

BRUNER, Jerome. Uma nova teoria da aprendizagem. Rio de Janeiro: Bloch, 1976

CAVALCANTI, Caroline Costa; FILATRO, Andrea. Design thinking na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva, 2016.

CHAPARRO, Rebeca Piumbato. Sala de Aula Invertida: uma alternativa para a aprendizagem de modelos atômicos no Ensino Médio. In: CONGRESSO DE PESQUISA E ENSINO, 5., 2016, São Paulo. Anais do… São Paulo: [s.n.] 2016.

COOREY, Jillian. Active Learning Methods and Technology: Strategies for Design Education. International Journal of Art & Design Education, New Jersey, v. 35, n. 3, p. 337-347, 2016.

CORMIER, Caroline; VOISARD, Bruno. Flipped Classroom in Organic Chemistry Has Significant Effect on Students’ Grades. Frontiers in ICT, Lausanne, v. 4, p. 1-15, jan. 2018.

CROUCH, Catherine; MAZUR, Eric. Peer instruction: Ten years of experience and results. American Journal of Physics, New York, v. 69, n. 9, p. 970-977, set. 2001.

D.SCHOOL. Bootcamp bootleg. Palo Alto: Hasso Plattner Institute of Design at Stanford, p. 1-44, 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2018.

DALE, Edgard. Audiovisiual methods in teaching. 3ª Ed. New York: Holt, Reinhart & Winston, 1969.

DEMO, Pedro. Formação Permanente e tecnologias educacionais. Petrópolis, RJ: Vozes. 2006.

DEWEY, John. Vida e educação. São Paulo: Nacional, 1950

FLEURY, Maria Tereza Leme; FLEURY, Afonso. Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 5, n. SPE, p. 183-196, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GAETA, Cecília; MASETTO, Marcos. Metodologias ativas e o processo de aprendizagem na perspectiva da inovação. In: PBL 2010 CONGRESSO INTERNACIONAL, 2010, São Paulo. Anais do... São Paulo, 2010.

GOLDE, Michael; MCCREARY, Christine; KOESKE, Randi. Peer Instruction in the General Chemistry Laboratory: Assessment of Student Learning. Journal of Chemical Education, Washington, v. 83, n. 5, p. 804–810, maio 2006.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. 33. ed. Porto Alegre: Mediação, 2014.

HORN, Michael; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

HOUAISS, Dicionário Eletrônico. São Paulo: Editora Objetiva, 2001.

IDEO. Design thinking para educadores. Traduzido por Instituto Educadigital. 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2018.

IDEO. HCD Toolkit. Palo Alto: Ideo, 2009. Disponível em . Acesso em: 10 fev. 2018.

KELLY, Rhea. 2017 Teaching with technology survey. Campus Technology, California, v. 30, n.7, 2017.

LEITE, Bruno Silva. Discussões sobre Ambientes Pessoais de Aprendizagem. Revista EducaOnline, Rio de Janeiro, v.10, n.1, p. 37-54, jan./abr. 2016.

LEITE, Bruno Silva. Gamificando as aulas de química: uma análise prospectiva das propostas de licenciandos em química. RENOTE, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 1-10, dez. 2017a.

LEITE, Bruno Silva. Sala de aula invertida: uma análise das contribuições e de perspectivas para o Ensino de Química. Enseñanza de las ciencias, Barcelona, n. Extra, p. 1591-1596, 2017b.

LEITE, Bruno Silva. Tecnologias no Ensino de Química: teoria e prática na formação docente. 1ª Ed. Curitiba: Appris, 2015.

LIMA-JÚNIOR, Cláudio Gabriel et al. Sala de Aula Invertida no Ensino de Química: Planejamento, Aplicação e Avaliação no Ensino Médio. Revista Debates em Ensino de Química, Recife, v. 3, n. 2, p. 119-145, 2017.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso. São Paulo: EPU, 1986.

MARTÍN, Alfredo Prieto. Flipped Learning: Aplicar el modelo de aprendizaje inverso. Madrid: Narcea, 2017.

MASTERS, Ken. Edgar Dale's Pyramid of Learning in medical education: A literature review. Medical teacher, Oxfordshire, v. 35, n. 11, p. e1584-e1593, nov. 2013.

MCWHINNEY, William. Isolating organizational dynamics in a small group experiment. Sociometry, Washington, v. 26, p. 354-372, set. 1963.

MELO, Lina; SÁNCHEZ, Ramiro. Análisis de las percepciones de los alumnos sobre la metodología flipped classroom para la enseñanza de técnicas avanzadas en laboratorios de análisis de residuos de medicamentos veterinarios y contaminantes. Educación Química, México DF, v. 28, n. 1, p. 30-37, 2017.

MEYERS, Chet; JONES, Thomas. Promoting Active Learning. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1993.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 2133-2144, 2008.

MOORING, Suazette; MITCHELL, Chloe; BURROWS, Nikita. Evaluation of a flipped, large-enrollment organic chemistry course on student attitude and achievement. Journal of Chemical Education, Washington, v. 93, n. 12, p. 1972-1983, dez.2016.

MORAES, Luiza Dumont de Miranda; CARVALHO, Regina Simplício; NEVES, Álvaro José Magalhães. O Peer Instruction como proposta de metodologia ativa no ensino de química. Journal of Chemical Engineering and Chemistry, Viçosa, v.2, n.3, p.107-131, 2016.

OECD. “Brazil”, in Education at a Glance 2014: OECD Indicators. Paris: OECD Publishing, 2014. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2018.

OECD. Education at a Glance 2017: OECD Indicators. Paris: OECD Publishing, 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2018.

ONRUBIA, Javier; COLOMINA, Rosa; ENGEL, Anna. Os ambientes virtuais de aprendizagem baseados no trabalho em grupo e na aprendizagem colaborativa. In: COLL, César; MONEREO, Carles. (Org.). Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 208-225.

PAIVA, Marlla Rúbya Ferreira et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE-Revista de Políticas Públicas, Sobral, v. 15, n. 2, p. 145-153, jun./dez. 2016.

PAPERT, Seymour. Constructionism: A new opportunity for elementary science education. Massachusetts Institute of Technology, Media Laboratory, Epistemology and Learning Group, 1986.

PIAGET, Jean. Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

PINA, Antonio Ramón Bartolomé; SOUZA, Francislê Neri; LEÃO, Marcelo Brito Carneiro. Investigación Educativa a Partir de La Información Latente en Internet. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 7, n. 2, p. 301-316, 2013.

REIS, Dayr Américo dos. Estrutura de organização e comportamento de aprendizagem. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 07-16, mar./abr. 1975.

REIS, Rafaela da Silva; LEITE, Bruno Silva; LEÃO, Marcelo Brito Carneiro. Apropriação das Tecnologias da Informação e Comunicação no ensino de ciências: uma revisão sistemática da última década (2007-2016). RENOTE, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 1-10, dez. 2017.

ROCHA, Henrique Martins; LEMOS, Washington de Macedo. Metodologias ativas: do que estamos falando? Base conceitual e relato de pesquisa em andamento. In: IX Simpósio Pedagógico e Pesquisas em Comunicação. Resende, Brasil. Anais do… São Paulo: Associação Educacional Dom Boston, p. 12, 2014.

ROGERS, Carl. Liberdade para aprender. Belo Horizonte: Interlivros, 1973.

ROMANCINI, Richard. Colin Lankshear e Michele Knobel: Aprendizagem social. Comunicação & educação, São Paulo, n.1, p. 91-103, jan./jun. 2015.

RYAN, Michel; REID, Scott. Impact of the flipped classroom on student performance and retention: A parallel controlled study in general chemistry. Journal of Chemical Education, Washington, v. 93, n. 1, p. 13-23, jan. 2016.

SANTAELLA, Lucia. A aprendizagem ubíqua na educação aberta. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 7, n. 14, p. 15-22, set./dez. 2014.

SANTOS, Anderson Oliveira et al. Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do (PIBID/UFS/Química). Scientia Plena, São Cristóvão, v. 9, n. 7, p. 1-6, jul. 2013.

SCHULTZ, David et al. Effects of the flipped classroom model on student performance for advanced placement high school chemistry students. Journal of chemical education, Washington, v. 91, n. 9, p. 1334-1339, set. 2014.

SEERY, Michael. Flipped learning in higher education chemistry: emerging trends and potential directions. Chemistry Education Research and Practice, London, v. 16, n. 4, p. 758-768, 2015.

SELWYN, Neil. Educação e Tecnologia: questões críticas. In: FERREIRA, Giselle Martins dos Santos; ROSADO, Luiz Alexandre da Silva; CARVALHO, Jaciara de Sá. (Org.). Educação e Tecnologia: abordagens críticas. Rio de Janeiro: SESES, 2017. p. 85-103.

SIEMENS, George. Connectivism: A Learning Theory for the Digital Age. Instructional Technology and Distance Education, California, v. 2, n.1, p. 3-10, jan. 2004.

SILBERMAN, Mel. Active learning: 101 strategies do teach any subject. Massachusetts: Allyn and Bacon, 1996.

SOUZA, Cynara Lira de Carvalho; SILVA, Carla. Uso do design thinking na elicitação de requisitos de ambientes virtuais de aprendizagem móvel. In: WER. 2014.

SOUZA, Francislê Neri de. Internet: Florestas de dados ainda por explorar. Internet Latent Corpus Journal, Aveiro, v.1, n. 1, p. 2-4, 2010.

SOUZA, Jéssica Itaiane Ramos de; LEITE, Quesia dos Santos Souza; LEITE, Bruno Silva. Avaliação das dificuldades dos ingressos no curso de licenciatura em Química no sertão pernambucano. Revista Docência do Ensino Superior, Minas Gerais,v. 5, n. 1, p. 135-159, abr. 2015.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2005.

TOFFLER, Alvin. A terceira onda. 29. ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

TOLEDO, Luiza Helena Lellis Andrade de Sá Sodero; LAGE, Fernanda de Carvalho. O Peer Instruction e as Metodologias Ativas de Aprendizagem: relatos de uma experiência no Curso de Direito. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI/UNINOVE,22., 2013, Curitiba. [Anais do...]. Curitiba: CONPEDI, 2013. p. 375-390.

VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; GERALDINI, Alexandra Flogi Serpa. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 52, p. 455-478, abr./jun. 2017.

VYGOTSKY, Lev. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

YAHYA, Saadiah; AHMAD, Erny Arniza; JALIL, Kamarularifin Abd. The definition and characteristics of ubiquitous learning: A discussion. International Journal of Education and Development using Information and Communication Technology, Bridgetown, v. 6, n. 1, p. 117-127, 2010.

YESTREBSKY, Cherie. Flipping the classroom in a large chemistry class-research university environment. Procedia-Social and Behavioral Sciences, New York, v. 191, p. 1113-1118, 2015.




DOI: https://doi.org/10.20396/riesup.v4i3.8652160

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Internacional de Educação Superior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Rev. Inter. Educ. Sup. [RIESup], Campinas (SP) - ISSN 2446-9424.