A obsessão pela excelência: universidades de classe mundial no Brasil?

Palavras-chave: Universidade de classe mundial. Excelência em educação. Educação superior.

Resumo

Neste artigo, que é parte de tese de doutorado, analisa-se a aproximação/convergência da educação superior brasileira à ‘tendência global World Class University’ ou Universidade de Excelência/de Classe Mundial a partir do delineamento das políticas, programas e dos Planos de Desenvolvimento Institucionais (PDIs) das Instituições de Educação Superior (IES), a partir da década de 2000. Desse modo, algumas questões que norteiam a discussão empreendida, para além da que intitula este artigo, são: o Brasil, via suas IES ou algumas delas, está na ‘corrida’ para alcançar o status de excelência ou de classe mundial na esteira dessa tendência global? Para que ou para onde indica este movimento? Quais universidades afirmam enquadrar-se nesse modelo? No intuito de responder a estas questões, em termos metodológicos, lançou-se mão do levantamento de bibliografia e dados, bem como utilizou-se a análise documental, considerando a compreensão da totalidade histórica e social, com seus condicionantes estruturais e conjunturais. Conclui-se, em linhas gerais que, se por um lado a mercadorização da educação superior atinge níveis exponenciais, com a concentração das IES privadas nas mãos de grupos financeiros nacionais e internacionais, as iniciativas em direção à promoção do status de ‘Classe Mundial’, especialmente no âmbito da internacionalização e indução de áreas estratégicas, demonstram que o país também está inscrito na ‘corrida para a excelência’. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Carlette Thiengo, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Lucídio Bianchetti, Universidade Federal de Santa Catarina
Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE/UFSC). Pesquisador Produtividade Nível 1B do CNPq.
Cezar Luiz De Mari, Universidade Federal de Viçosa
Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de  Viçosa (PPGE/UFV).

Referências

BARREYRO, G. B.; ROTHEN, J. C. “Sinaes” contraditórios: considerações sobre a elaboração e a implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96 – Especial, p. 955-977, out. 2006.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 dezembro de 1996, p. 27833. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: dez. 2015.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia (MCTI). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Livro branco: ciência, tecnologia e inovação. Brasília: MCTI, 2002. Acesso em: http://www.cgee.org.br/arquivos/livro_branco_cti.pdf Acesso em: 22 mai. 2017.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia (MCTI). Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Livro Azul: 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável. Brasília: MCT/CGEE, 2010.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia (MCTI). Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Ciências sem Fronteiras. Brasília, 2011. Disponível em: http://www.CAPES.gov.br/images/stories/download/Ciencia-sem-Fronteiras_DocumentoCompleto_julho2011.pdf. Acesso em: 15 jun. 2017.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG 2011-2020). Documentos setoriais, v. 2. Brasília: Capes, 2010. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/PNPG_Miolo_V2.pdf. Acesso em: 22 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Painel de controle ciencias sem fronteiras. Brasília, 2017. Disponível em: http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/painel-de-controle. Acesso em: 5 ago. 2017.

BÍBLIA. N. T. Mateus. In: BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Petrópolis: Vozes, 1990.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA; J. F.; MICHELOTTO, R. M. As políticas de expansão da educação superior no Brasil e a produção do conhecimento. Série-Estudos – Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, Campo Grande/MS, n. 30, p. 267-281, jul./dez. 2010.

CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Unesp, 2001.ISBN:85-7139-327-3.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, dez. 2003.

LIMA, K. R. S. O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 86-94, jan./jun. 2011.

MANCEBO, D.; VALE, A. R.; MARTINS, B. M. Políticas de expansão da educação superior no Brasil 1995-2010. Revista Brasileira de Educação, v. 20 n. 60, p. 31-50, jan./mar. 2015.

MOROSINI, M. Internacionalização na produção de conhecimento em IES brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 99-112, abr. 2011.

NEVES, L. M. W; PRONKO, M. A. O mercado do conhecimento e o conhecimento para o mercado: da formação para o trabalho complexo no Brasil contemporâneo Rio de Janeiro: EPSJV, 2008. 204 p.

RIBEIRO, D. B. As universidades brasileiras e a indução estratégica da pesquisa: o comprometimento da autonomia científica. 2016. 235 p. Tese (Doutorado em Política Social) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

SALMI, J. Formas exitosas de gobierno universitario en el mundo. Estudios CYD, Barcelona, Espanha, mar. 2013. 42 p. Disponível em: http://www.fundacioncyd.org/images/documentosCyd/EstudiosCYD3.pdf. Acesso em: 15 set. 2016.

SEKI, A. K. O capital e as Universidades Federais no governo Lula: o que querem os industriais? 2014. 169f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2014.

SGUISSARDI, V. Universidade no Brasil: dos modelos clássicos aos de ocasião? In: MOROSINI, M. (Org.). A Universidade no Brasil: Concepções e Modelos. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, p. 353-370, 2006.

SILVA JÚNIOR, J. R. A racionalidade mercantil da pós-graduação. A produção da ciência pragmática e do individualismo profissional. In: QUARTIERO, E. M. BIANCHETTI, L. (Org.) Educação corporativa: mundo do trabalho e do conhecimento: aproximações. São Paulo: Cortez, p. 288-312, 2005.

SILVA JÚNIOR, J. R. The new Brazillian university. A busca de resultados comercializáveis: para quem? Bauru: Canal 5, 2017.

SILVA JÚNIOR, J. R.; KATO, F. B. G. A política de internacionalização da Educação Superior no plano nacional de pós-graduação (2011-2020). Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 2, n. 1, p. 138-151, jan./abr. 2016.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014-2017. Brasília, 2014. Disponível em: http://unb2.unb.br/noticias/downloads/PDI.2014-2017.pdf/. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Plano de Desenvolvimento Institucional 2012-2017. São Paulo, 2011. Disponível em: http://caf.fflch.usp.br/sites/caf.fflch.usp.br/files/arquivos/pdi-versao23.11.2011.pdf. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Planejamento Estratégico 2016-2020. Campinas, 2016. Disponível em: http://www.prdu.unicamp.br/areas2/planes/planes/arquivos/planes-2016-2020. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019. São Paulo, 2015. Disponível em: http://unesp.br/ape/mostra_arq_multi.php?arquivo=4936. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Plano de Desenvolvimento Institucional 2013-2017. Belo Horizonte, 2013. Disponível em: https://www.ufmg.br/conheca/pdi_ufmg.pdf. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019. Florianópolis, 2015. Disponível em: http://pdi.ufsc.br/pdi-2015-2019/. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Plano de Desenvolvimento Institucional 2016-2020. 2016. Disponível em: https://www.unifesp.br/world/images/arquivos/PDI_2016-2020.pdf. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Plano de Desenvolvimento Institucional 2012-2022. São Paulo, 2012. Disponível em: http://pdi.ufabc.edu.br/. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Plano de Desenvolvimento Institucional 2016-2026. 2016. Porto Alegre, 2016. Disponível em: http://www.ufrgs.br/pdi/PDI_2016a2026_UFRGS.pdf. Acesso em: 10 dez. 2016.

Publicado
2018-08-02
Como Citar
Thiengo, L. C., Bianchetti, L., & De Mari, C. L. (2018). A obsessão pela excelência: universidades de classe mundial no Brasil?. Revista Internacional De Educação Superior, 4(3), 716-745. https://doi.org/10.20396/riesup.v4i3.8652528