Educação superior e relações de gênero

atividades domiciliares para mães estudantes de pedagogia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8653753

Palavras-chave:

Mães estudantes, Licença maternidade, Universidade

Resumo

O presente estudo tem por objetivo investigar a realidade de mulheres que se tornaram mães enquanto cursavam Pedagogia, com ênfase para os desafios vivenciados por elas ao conciliar os estudos com a maternidade, bem como a postura da universidade em relação às atividades domiciliares e atendimento a essas alunas. A pesquisa foi realizada por meio de levantamento de informações na Secretaria Acadêmica da universidade e gravação de entrevistas com uma professora e três mulheres que se tornaram mães enquanto estudavam Pedagogia. Os resultados indicam que: apesar de as mulheres conquistarem espaço no mundo acadêmico, quando ocorre a gravidez elas se deparam com dificuldades, ficando acumuladas de atribuições; durante os três meses de licença maternidade, os professores enviam atividades domiciliares, mas as alunas consideram pouco tempo de afastamento; apesar dos desafios vivenciados pelas 34 mães acadêmicas, 91,16% do total deram continuidade ou conseguiram concluir o curso de Pedagogia. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Riato Prates, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Naviraí.

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora Permanente do Programa de Pós-graduação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

AZEVEDO, Kátia Rosa; ARRAIS, Alessandra da Rocha. O mito da mãe exclusiva e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 269-276, 2006.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: O mito do amor materno. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 1985.

BARBOSA, Patrícia Zulato; ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. Maternidade: novas possibilidades, antigas visões. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 163-185, 2007.

BEE, Helen. O ciclo vital. Tradução Regina Garcez. Porto Alegre: Artmed, 1997.

BRASIL, Lei nº 6.202, de 17 de abril de 1975. Atribui à estudante em estado de gestação o regime de exercícios domiciliares. 1975. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/1970-1979/L6202.htm. Acesso em: 23 fev. 2018.

BRASIL, Portaria n° 248, de 19 de dezembro de 2011. Estabelece normas sobre a prorrogação de bolsas por quatro meses para mulheres grávidas que cursam mestrado e doutorado. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1392686.pdf. Acesso em: 27 set. 2018.

COSTA, Luiz Paulo. Mães universitárias ainda são ‘órfãs’ na UFS. Blog do Contexto Online UFS. Blog do Jornal Laboratório do Departamento de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal de Sergipe, 21 maio 2008. Disponível em: http://blog-contexto-ufs.blogspot.com.br/2008/05/mes-universitrias-ainda-so-rfs-na-ufs_7495.html. Acesso: 29 set. 2018.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

CRESWELL, Jonh W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

FALCKE, Denise; WAGNER, Adriana. Mães e madrastas: mitos sociais e autoconceito. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 5, n. 2, p. 421-441, 2000.

FERREIRA, Luan Angelino; SILVA, Fernando Guimarães Oliveira da. A pedagogia tem gênero? O pedagogo cisgênero na educação da infância. Educação Online, Rio de Janeiro, n. 26, p. 23-45, set./dez. 2017.

GONÇALVES, Josiane Peres. Ciclo vital: início, desenvolvimento e fim da vida humana, possíveis contribuições para educadores. Contexto & Educação, Ijuí, v. 31, n. 98, p. 79-110, jan./abr., 2016.

GUEDES, Moema de Castro. A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, p.117-132, jun. 2008.

LIMA, Lunélia. Como é ter um filho durante o período acadêmico? É possível continuar os estudos? Jornal laboratório do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Espírito Santo, 7 nov. 2007. Disponível em: http://universoufes.wordpress.com/2007/11/07/maes-universitarias/. Acesso em: 26 fev. 2018.

MANSUR, Luci Helena Baraldo. Experiências de mulheres sem filhos: a mulher singular no plural. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 23, n. 4, p. 2-11, 2003.

MATOS, Maria Izilda; BORELLI, Andrea. Espaço feminino no mercado produtivo. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 126-147.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Iniciação ao direito do trabalho. 30. ed. – São Paulo: LTr, 2004.

PARKER, Rozika. A mãe dividida: a experiência da ambivalência na maternidade. Rio de Janeiro, RJ: Rosa dos Tempos, 1997.

PRAVAZ, Suzana. Três Estilos de Mulher. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

RODRIGUES, Daniel Gustavo, FERREIRA, Luiz Antônio Miguel. Em busca da afetividade do direito à educação: a licença gestante para estudante. Científica: ciências jurídicas e empresariais, Londrina, v. 9, n. 1, p. 13-18, mar. 2008.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Mc Graw Hill, 2006.

SANT’ANNA, Emilio. Sobram 71% das vagas de cursos à distância. Associação Brasileira de Educação à Distância. São Paulo, 15 dez 2006. Disponível em:

http://www.abed.org.br/site/pt/midiateca/noticias_ead/230/2006/12/sobram_71_das_vagas_de_cursos_a_distancia_. Acesso em: 26 fev. 2018.

SCOTT, Ana Silvia. O caleidoscópio dos arranjos familiares. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012, p. 15-42.

TOURINHO, Julia Gama. A mãe perfeita: idealização e realidade – Algumas reflexões sobre a maternidade. IGT na Rede, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 1-35, 2006.

TOURO, Rolando. Biodanza. São Paulo: Olavobrás, 2002.

UFMS, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Conselho Universitário. Resolução nº 65 de 28 de agosto de 2008. Aprova a criação e implantação de cursos de graduação presenciais nos Câmpus de Naviraí (CPNV) e Ponta Porã (CPPP), a partir do ano letivo de 2009 e dá outras providências. Campo Grande: Conselho Universitário, 2008.

UFMS, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Conselho Universitário. Resolução nº 104 de 16 de junho de 2010. Regulamento de Exercícios Domiciliares, para os acadêmicos dos Cursos de Graduação, presenciais, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Conselho de Graduação, 2010.

Publicado

2019-01-31

Como Citar

PRATES, S. R.; GONÇALVES, J. P. Educação superior e relações de gênero : atividades domiciliares para mães estudantes de pedagogia. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 5, p. e019030, 2019. DOI: 10.20396/riesup.v5i0.8653753. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8653753. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos