Ações afirmativas fazem diferença?

uma análise dos perfis dos aprovados no vestibular da UFPR (2013-2017)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v6i0.8654390

Palavras-chave:

Ações afirmativa, Educação superior, Leis de cotas, Universidade Federal do Paraná

Resumo

Analisa os impactos da Lei n.12.711/2012(Lei de Cotas)sobre os perfis dos aprovados no vestibular da Universidade Federal do Paraná entre 2013 e 2017, partindo da comparação com o Plano de Metas de Inclusão Social e Racial implementado pela instituição a partir de 2005. Para tanto, os microdados dos questionários socioeducacionais disponibilizados pelo Núcleo de Concursos da UFPR receberam tratamento e foram submetidos à análise estatística descritiva para, então, sercomparados com dados de natureza semelhante apresentados em pesquisas realizadas sobre os perfis dos matriculados entre 2005 e 2012. Conclui-se que, embora a Lei de Cotas tenha secundarizado a questão racial, no caso da UFPR ela foi mais efetiva na inclusão de Pretos, Pardos e Indígenas que o Plano de Metas Anterior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Regina Baukat Silveira Moreira, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professora do Departamento de Planejamento e Administração Escolar da Universidade Federal do Paraná. Pesquisadora do Núcleo de Política Educacional. 

         

Paulo Vinícius Baptista da Silva, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Universidade Federal do Paraná.

                   

Referências

BRASIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 17 dez. 2017.

BRASIL. MEC. INEP. Sinopse Estatística da Educação Básica 2012. Brasília: INEP, 2016.

CAMPOS, L. A.; FERES JUNIOR, J. Ação afirmativa, comunitarismo e multiculturalismo: relações necessárias ou contingentes? Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 29, n. 84, p. 103-118, fev. 2014.

CERRI, L. F.; PLÁ, S. Política de cotas na UEPG. Atos de Pesquisa em Educação, v. 3, n. 1, p. 3-19, 2008. Disponível em: http://gorila.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/797. Acesso em: 14 dez. 2015.

CERVI, E. U. Ações afirmativas no vestibular da UFPR entre 2005 a 2012: de política afirmativa racial a política afirmativa de gênero. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 11, p. May/Aug. 2013.

CORDEIRO, A. L. A. Ações afirmativas na educação superior: mulheres negras cotistas e mobilidade social. Revista Pedagógica, v. 15, n. 30, p. 297-314, 2013. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/1572. Acesso em: 14 dez. 2015.

DAFLON, V. T.; FERES JÚNIOR, J.; CAMPOS, L. A. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148 p. 302-327, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v43n148/15.pdf. Acesso em: 14 dez. 2015.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIOECONÔMICOS (DIEESE). O mercado de trabalho formal brasileiro: resultados da RAIS 2013. Nota técnica n. 140, set. 2014. Disponível em: http://www.dieese.org.br/notatecnica/2014/notaTec140Rais2013.pdf. Acesso em: 08 abr. 2018.

DOEBBER, M. B.; GRISA, G. D. Ações afirmativas: o critério racial e a experiência da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 92, n. 232, 2011. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/668> Acesso em: 14 dez. 2015.

EURÍSTENES, P.; FERES JÚNIOR, J.; CAMPOS, L. A. Evolução da Lei nº 12.711 nas universidades federais (2015). Levantamento das políticas de ação afirmativa (GEMAA), IESP-UERJ, dezembro, 2016, p. 1-25.

FERES JUNIOR, J.; DAFLON, V. T. Políticas da Igualdade Racial no Ensino Superior. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n.5, p. 31-44, jul. 2014.

FERES JUNIOR, J.; DAFLON, V. T. Ação afirmativa na Índia e no Brasil: um estudo sobre retórica acadêmica. Sociologias, Porto Alegre, ano 17,n. 40, p. 92-123, set./dez. 2015.

FERES JUNIOR, J. et al. O impacto da Lei 12.711 sobre as universidades federais. Levantamento das políticas de ações afirmativas (GEMAA), IESP-UERJ, set. 2013, p. 1-29.

FIGUEIREDO, M.F.; FIGUEIREDO, A.M.C. Avaliação política e avaliação de políticas: um quadro de referência teórica. Análise e Conjuntura, Belo Horizonte, n.1, v. 3, p 107-127, set./dez. 1986.

HIRSCHMAN, A. A retórica da intransigência: perversidade, futilidade e ameaça. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HOLANDA, M. A. G. de.; WELLER, W. Trajetórias de Vida de Jovens Negras da Universidade de Brasília no Contexto das Ações Afirmativas. Poiésis – Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, v. 8, n. 13, p. 57-80, 2014. Disponível em: http://portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Poiesis/article/view/2170. Acesso em: 14 dez. 2015.

LOPES, M. A.; BRAGA, M. L. de S. (Org.). Acesso e permanência da população negra no Ensino Superior. Brasília: MEC/UNESCO, 2007.

MOREIRA, C. R. B. S. O ProUni e os muros da educação superior. Curitiba: Appris, 2018.

OLIVEIRA, M. A. M.; CONTARINE, M. L. M.; CURY, C. R. J. PROUNI: Análise de uma política pública no âmbito da PUC Minas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 28, n. 1, p. 48-6, 2012. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/36070/23317. Acesso em: 14 dez. 2015.

PORTO, L.; SILVA, P. V. B. da. Impactos e dilemas da adoção de um sistema de cotas na UFPR. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretoria de Políticas e Programas Educacionais. Coordenação de Desafios Educacionais Contemporâneos. Educando para as relações étnico-raciais II. Curitiba: SEED, 2008. p. 25 – 38.

PORTO, L.; SILVA, P. V. B. da; OTANI, M. Impactos e dilemas da adoção de um sistema de cotas na UFPR. In: COSTA, H.; PINHEL, A.; SILVEIRA, M. S. da. Uma década de políticas afirmativas: panorama, argumentos e resultados. Ponta Grossa: UEPG, 2012. p.221 – 244.

SANTOS, A. de O. dos. Panorama dos programas de ação afirmativa para inserção da população negra no ensino público superior brasileiro (2002-2007): estudos e grupos de pesquisa. Revista da ABPN, v. 2, n. 5, p. 99-114, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Alessandro_Oliveira_Dos_Santos/publication/283350026_

Panorama_dos_Programas_de_Acao_Afirmativa_para_Insercao_da_Populacao_Negra_no_Ensino_

Publico_Superior_Brasileiro_2002-2007_Estudos_e_Grupos_de_Pesquisa/links/

f7708ae75884114df21.pdf. Acesso em: 14 dez. 2015.

SILVA, P. V. B. Políticas de democratização de acesso na Universidade Federal do Paraná. In: DUARTE, E. C. P.; BERTÚLIO, D. L.; SILVA, P. V. B. da (Org.). Cotas Raciais no Ensino Superior: entre o Jurídico e o Político. Curitiba: Juruá, 2008, v. 1, p. 159-188.

SILVA, P. V. B; BORBA, C. A. Políticas Afirmativas na pesquisa educacional. Educar em Revista, Curitiba, v. 34, n. 69, p. 151-191, maio/jun. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Núcleo de Concursos. Microdados dos questionários sócio educacionais dos candidatos aos processos seletivos (2013-2017).

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Núcleo de Concursos. Editais dos Processos Seletivos (Vestibulares 2013–2017). Disponível em: http://portal.nc.ufpr.br/PortalNC/Concurso?concurso=PS2017. Acesso em: 22 fev. 2018.

VELLOSO, J.; CARDOSO, C. B. Um quinquênio de cotas: as chances de ingresso de negros na Universidade de Brasília. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 92, n. 231, p. 221-245, 2011. Disponível em: http://www.rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/527 Acesso em: 14 dez. 2015.

Publicado

2019-05-24

Como Citar

MOREIRA, C. R. B. S. .; SILVA, P. V. B. da. Ações afirmativas fazem diferença? : uma análise dos perfis dos aprovados no vestibular da UFPR (2013-2017). Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 6, p. e020001, 2019. DOI: 10.20396/riesup.v6i0.8654390. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8654390. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos