Educação para a democracia no contexto neoliberal

desafios para superar a subjetividade concorrencial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v8i00.8658379

Palavras-chave:

Educação escolar, Democracia, Neoliberalismo, Subjetividade concorrencial, Sociabilidade

Resumo

O presente artigo de natureza bibliográfica objetiva aprofundar os desafios para a formação de sujeitos democráticos num contexto de hegemonia do pensamento neoliberal, que prima pela construção de subjetividades concorrenciais. Entende-se, aqui, o neoliberalismo para além dos pressupostos classicamente considerados de política econômica que defendem um Estado mínimo na economia e nas políticas socioeducacionais. As contribuições de Dardot e Laval (2016) ampliam os horizontes dessa compreensão e problematizam como os pressupostos neoliberais adentram as subjetividades e produzem novos modos de vida. Conceitos como neossujeito, empresário de si, concorrência, competição, entre outros, traduzem esses novos pressupostos. Buscando traduzir essa intenção, o artigo inicia com uma problematização geral de temática; reconstrói os principais argumentos de Dardot e Laval sobre a “nova razão do mundo”, em diálogo com autores como Sennett e Antunes; na sequência, aprofunda alguns pressupostos da educação escolar, visando à formação de sujeitos democráticos, especialmente com a contribuição de Biesta. Na conclusão, reafirma-se a tese de que somente uma educação democrática é capaz de qualificar os pressupostos de sociabilidade em vista de uma vida em comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Telmo Marcon, Universidade de Passo Fundo

Professor e pesquisador na Faculdade de Educação da Universidade de Passo Fundo

Adriel Scolari, Universidade de Passo Fundo

Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo (2014) e Doutorando em Educação no PPGEDU da Universidade de Passo Fundo.

Neri José Mezadri, Universidade de Passo Fundo

Mestre em educação pela Unviersidade de Passo Fundo. Doutorando no PPGEDU da Universidade de Passo Fundo.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999.

ANTUNES, Ricardo. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 4.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

BALL, Stephan. Educação global SA: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: EdUEPG, 2014.

BENEVIDES, Maria Victória. Educação para a democracia. Lua Nova, São Paulo, n. 38, p. 223-237, 1996.

BIAGINI, Hugo; PEYCHAUX, Diego Fernandez. El neuroliberalismo y la ética del mas fuerte. Buenos Aires: Editorial Octubre, 2014.

BIESTA, Gert. What’s the Point of Lifelong Learning if Lifelong Learning Has No Point? On the Democratic Deficit of Policies for Lifelong Learning. European Educational Research Journal. Volume 5, Numbers 3 & 4, 2006.

BIESTA, Gert. Boa Educação na Era da Mensuração. Cadernos de Pesquisa, v.42 n.147 p.808-825 set./dez. 2012.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Tradução de Rosaura Eichenberg. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Comum: Ensaio sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2017.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 4. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.

DURKHEIM, Emile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1967.

GENTILLI, Pablo. A Falsificação do Consenso: simulacro e imposição da reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis: Vozes, 1998.

HAN, Byung-Chul. Sociedade da transparência. Petrópolis: Vozes, 2017a.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Petrópolis: Vozes, 2017b.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

MARCON, Telmo. Declaração de Bolonha no contexto de mercantilização da educação

superior: o discurso neoliberal dos organismos multilaterais. Revista Espaço Pedagógico. Paaso Fundo, v. 22, n. 2, p. 264-286, jul./dez. 2015. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/5570/pdf. Acesso em 15.12.2015.

NUSSBAUM, Martha. Sin fines de lucro: por qué la democracia necesita de las humanidades. Buenos Aires: Katz Editores, 2010.

SENNET, Richard. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crise do contrato social da modernidade e a emergência do fascismo social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. Gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2008, p. 317-340.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Da ideia de universidade à universidade de ideias. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 13.ed. São Paulo: Cortez, 2010, p. 187-233.

THOMPSON, Edward. Senhores e caçadores: a origem da Lei Negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

THOMPSON, Edward. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companha das Letras, 1998.

Publicado

2021-06-02

Como Citar

MARCON, T.; SCOLARI, A. .; MEZADRI, N. J. Educação para a democracia no contexto neoliberal: desafios para superar a subjetividade concorrencial. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e022007, 2021. DOI: 10.20396/riesup.v8i00.8658379. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8658379. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos