A (in)existência de estudantes do gênero masculino no curso de pedagogia

por que eles desistem?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8661264

Palavras-chave:

Profissionais da educação, Carreira do magistério, Docência

Resumo

A pesquisa trata da evasão acadêmica de homens no curso de graduação em Pedagogia do Campus de Naviraí da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CPNV/UFMS) e visa identificar as principais razões que motivaram estudantes do gênero masculino a ingressar e desistir do referido curso. Após fazer o levantamento do número de homens ingressantes, desistentes e concluintes do curso pesquisado, foram identificados três dos desistentes e gravadas entrevistas individualizadas. Compreende-se que a dificuldade de conciliar o curso superior com o trabalho, o desconhecimento sobre a formação do pedagogo e a baixa remuneração da profissão docente são fatores que interferem na desistência de discentes do sexo masculino do curso de Pedagogia do CPNV/UFMS. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, com Pós-Doutorado em Educação pela mesma instituição. Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Maria Cristina de Sousa Benitez, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso. Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação (GEPDGE/UFMS/CNPq).

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de; Mulheres na escola: algumas reflexões sobre o magistério feminino. Depto. De didática da faculdade de ciências e letras/ UNESP-Araraquara, Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 96, p. 71-78, fev. 1996. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/816/825. Acesso em: 02 dez. 2020.

AZEVEDO, Gilson Xavier de. A presença masculina em cursos de pedagogia. Científic@ - Multidisciplinary Journal, Goianésia, v. 5, n. 1, Edição Especial, p. 4-19, 2018. Disponível em: http://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/cientifica/article/view/2622. Acesso em: 02 dez. 2020.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para o curso de Pedagogia: Resolução CNE/CP nº 1/2006. Brasília: Mec, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf Acesso em: 12 jun. 2020.

BRASIL. Lei nº. 5692 de 11 de agosto de 1971. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União - Seção 1 de 12 de agosto de 1971.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

FURLANI, Lúcia Maria Teixeira. A claridade da noite: os alunos do ensino superior noturno. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 20, p. 155-182, 1999. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/2239. Acesso em: 02 dez. 2020.

GUNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão?. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22, n. 2, p. 201-210, maio/ago. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf. Acesso em: 02 dez. 2020.

GONÇALVES, Josiane Peres. O perfil profissional e representações de bem-estar docente e gênero em homens que tiveram carreiras bem-sucedidas no magistério. 2009. 233 f. Tese. (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

GONÇALVES, Josiane Peres; ANTUNES, Jéssica Barbosa. Memórias de professores homens que trabalharam como docentes de educação infantil e suas representações sociais. Interfaces da Educação, Paranaíba, v.6, n.16, p.134-153, 2015. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/440. Acesso em: 02 dez. 2020.

GONÇALVES, Josiane Peres; CARVALHO, Viviane de Souza Correia de. O que pensam os homens professores que trabalham com crianças? Análise de suas representações sociais: Perspectivas em Diálogo: Revista de Educação e Sociedade, Naviraí, v.1, n.2, p. 34-49, jul-dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/persdia/article/view/138. Acesso em: 02 dez. 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Educação e docência: diversidade, gênero e sexualidade. Formação Docente, Belo Horizonte, v.3, n.4, p.62-70, jan./jul. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/persdia/article/view/138. Acesso em: 02 dez. 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORI, Mary (Org). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997. 678 p. ISBN 8572442561.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. 16. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014. 179 p. ISBN 85.326.1862-6.

MONTEIRO, Mariana Kubilius; ALTMANN, Helena. Trajetórias na docência: professores homens na educação infantil: In: 36ª reunião nacional da ANPED, 2013, Goiânia. Anais do... Goiânia: ANPED, 2013, p. 1-17.

RABELO, Amanda Oliveira. Professores discriminados: um estudo sobre os docentes do sexo masculino nas séries do ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 907-925 out./dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022013000400006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 02 dez. 2020.

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 13. ed. Campinas, SP: Autores Associados,1993. 180 p. (Educação contemporânea). ISBN 8524900849.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. 240 p. (Educação contemporânea). ISBN 8574961957.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 20, p. 71-99, jul./dez. 1998.

SHIGUNOV NETO, Alexandre Shigunov; MACIEL, Lizete Shizue Bomura: O ensino jesuítico no período colonial brasileiro: algumas discussões. Educar em Revista, Curitiba, v. 24, n. 31, p. 169-189, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40602008000100011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 02 dez. 2020.

STRAIOTTO, Débora Silva; “... E eu pensei: o que estou fazendo aqui?!” homens egressos do curso de pedagogia: estabelecimento e deslocamento na profissão. 2017. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2017.

UFMS, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Projeto Pedagógico de Curso do Curso de Licenciatura Em Pedagogia – Noturno Unidade Proponente Campus de Naviraí. 12/05/2016: Disponível em: https://cpnv.ufms.br/files/2012/04/PROJETO-PEDAG%C3%93GICO-DE-CURSO-DO-CURSO-DE-LICENCIATURA-EM-PEDAGOGIA-CPNV.pdf Acesso em: 28 maio 2020.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré, 2013. 304 p. ISBN: 978-85-89906-17-3.

Publicado

2022-04-03

Como Citar

GONÇALVES, J. P. .; BENITEZ, M. C. . de S. A (in)existência de estudantes do gênero masculino no curso de pedagogia: por que eles desistem?. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023003, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8661264. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8661264. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)