O conhecimento do estudante de medicina sobre medicina narrativa

onde estamos e para onde vamos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8661288

Palavras-chave:

Ensino da medicina, Relação médico-paciente, Formação médica, Literatura

Resumo

O ensino médico é basicamente fundamentado em uma medicina baseada em evidências, na qual os pacientes são dados, submetidos a protocolos. A medicina narrativa favorece a história dos pacientes, suas falas e o contexto onde estão inseridos. Com sua implantação relativamente recente, impõe-se saber o conhecimento do estudante de medicina sobre o assunto. Assim, tivemos o objetivo de identificar o conhecimento do estudante de medicina sobre medicina narrativa, em uma faculdade privada de Salvador, através de um estudo transversal, analítico, com abordagem qualitativa através da análise de conteúdo. Incluídos estudantes de medicina do terceiro ao sexto semestre, em duas etapas: primeira com um formulário online constando uma pergunta: “você sabe o que é Medicina Narrativa?”, com opção binária de “sim” e “não”. A segunda, foi um grupo focal com parte desses estudantes. Houve 134 participantes na 1ª etapa, onde 123 responderam “não” e 11 responderam “sim”. No grupo focal, surgiram 03 categorias. 1.“Linguagem” como a impossibilidade de desvinculá-la da narrativa do paciente. 2. “Empatia” com a necessidade de estabelecer um vínculo com o paciente que possibilitasse a anamnese de uma forma natural. 3. “Receita de Bolo /Narrativa” há a expressão do enrijecimento proposto pelas faculdades de medicina em uma entrevista médica e das tentativas dos estudantes de remodelá-la para encontrar maior naturalidade na relação médico-paciente, fomentando a importância da Medicina Narrativa. Os resultados desse estudo mostram que os estudantes de medicina dessa faculdade privada têm conhecimento intuitivo sobre medicina narrativa, pois está entremeado aos princípios do programa de ensino institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitória Emanuela Santos Machado, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

 Acadêmica de Medicina na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública , Salvador-BA.

Iêda Maria Barbosa Aleluia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Doutorado em Pós Graduação em Medicina e Saúde Humana pela Escola Bahiana de Medcina e Saúde Pública. Professor adjunta da Universidade do Estado da Bahia e professor adjunta da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 1. ed. São Paulo, SP: Almedina; 2011. ISBN 8527101815.

BIRCK, Vera Regina; KESKE, Humberto Ivan. A Voz do Corpo: A Comunicação Não-Verbal e as Relações Interpessoais. Intercom, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2008/resumos/R3-0900-1.pdf. Acesso em: 02 jul. 2020.

CHARON, Rita. O corpo que se conta. São Paulo: Letra e Voz, 2015.

CHARON, Rita; WYER, Peter; NEBM Working Group. Narrative evidence based medicine. Lancet, Inglaterra, v. 371, n. 9609, p. 296-297, 2008. Disponível em: https://www.thelancet.com/article/S0140-6736(08)60156-7/fulltext. Acesso em: 18 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(08)60156-7

ELWYN, Glyn; GWYN, Richard. Stories we hear and stories we tell: analysing talk in clinical practice. BMJ, Inglaterra, v. 318, n. 7177, p. 186-188, 1999. Disponível em: https://www.bmj.com/content/318/7177/186/rapid-responses. Acesso em: 18 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.318.7177.186

ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA (EBMSP). Projeto Político Pedagógico do Curso de Medicina. Salvador, BA: EBMSP, 2017. Disponível em: https://www.bahiana.edu.br/upload/bahiana-ppc-medicina-2017-20181113150311.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

FARIA, Cláudia Sousa Oriente de; NOGUEIRA, Maria Francisca Magalhães. O Corpo: expressão da linguagem não-verbal nas organizações. Revista Panorama - Revista de Comunicação Social, Goiás, v. 4, n. 1, p. 101-107, 2014. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/panorama/article/view/3466. Acesso em: 02 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.18224/pan.v4i1.3466

FAVORETO, César Augusto Orazem; CAMARGO JÚNIOR, Kenneth Rocha de. A narrativa como ferramenta para o desenvolvimento da prática clínica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, São Paulo, v. 15, n. 37, p. 473-483, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832011000200012&lng=en. Acesso em: 02 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832011005000005

GREENHALGH, Trisha. Narrative based medicine in an evidence based world. BMJ, Inglaterra, v. 318, n. 7179, p. 323-325, 1999. Disponível em: https://www.bmj.com/content/318/7179/323.1. Acesso em: 18 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.318.7179.323

GREENHALGH, Trisha; HURWITZ, Brian. Why study narrative?. BMJ, Inglaterra, v. 318, n. 7175, p. 48-50, 1999. Disponível em: https://www.bmj.com/content/318/7175/48.1. Acesso em: 17 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.318.7175.48

GROSSMAN, Eloisa; CARDOSO, Maria Helena C.A. A narrativa como ferramenta na educação médica. Revista HUPE, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 32-38, 2014. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistahupe/article/view/13945. Acesso em: 02 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/rhupe.2014.13945

GROSSMAN, Eloisa; CARDOSO, Maria Helena C.A. As narrativas em medicina: contribuições à prática clínica e ao ensino médico. RBEM, Brasília, DF, v. 30, n. 1, p. 6-14, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022006000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 02 jul.2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022006000100002

HOWLEY, Lisa; GAUFBERG, Elizabeth; KING, Brandy. The Fundamental Role of the Arts and Humanities in Medical Education. Association of American Medical Colleges. Washington, D.C., 2020.

JONES, Anne Hudson. Literature and medicine: narrative ethics. Lancet, Inglaterra, v. 349, n. 9060, p. 1243-1246, 1997. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(97)03395-3/fulltext#secd10209672e272. Acesso em: 18 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(97)03395-3

JONES, Anne Hudson. Narrative in medical ethics. BMJ, Inglaterra, v. 318, n. 7178, p. 253-256, 1999. Disponível em: https://www.bmj.com/content/318/7178/253. Acesso em: 18 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.318.7178.253

MERLAU-PONTY, Maurice. The Visible and the Invisible. Evanston, IL: Northwestern University Press, 1968.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 1. ed. São Paulo, SP: Hucitec; 2014. ISBN 9788562938047.

RAMOS, Ana Paula; BORTAGARAI, Francine Manara. A comunicação não-verbal na área da saúde. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 164-170, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462012000100019&lng=en. Acesso em: 02 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462011005000067

THISLETHWAITE, Jill. The stories we hear and the stories we tell. The Clinical Teacher, Estados Unidos, v. 11, n. 2, p. 77-79, 2014. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/tct.12238. Acesso em: 18 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1111/tct.12238

Publicado

2022-08-05

Como Citar

MACHADO, V. E. S. .; ALELUIA, I. M. B. O conhecimento do estudante de medicina sobre medicina narrativa: onde estamos e para onde vamos?. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023012, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8661288. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8661288. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos