Banner Portal
Crítica as “medições” em educação à luz da teoria das capacidades
ENGLISH
PORTUGUÊS

Palavras-chave

Meritocracia
Desigualdade
Teoria das capacidades
Avaliação

Como Citar

FÁVERO, Altair Alberto; OLIVEIRA, Julia Costa; FARIA, Thalia Leite de. Crítica as “medições” em educação à luz da teoria das capacidades: a meritocracia que reforça a desigualdade. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 8, n. 00, p. e022024, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v8i00.8665579. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8665579. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar como a ideia de meritocracia na educação acaba reforçando a desigualdade na medida em que opta por critérios de avaliação limitados. Trata-se de uma pesquisa exploratória de caráter hermenêutico e teórico-bibliográfico ancorado nos escritos de Nussbaum (2012; 2014; 2015), Bachelard (1996), Dubet (2004), entre outros autores. Busca responder à seguinte questão: por que processos avaliativos educacionais baseados em medições e meritocracia acabam justificando a desigualdade e promovendo a injustiça social? Os resultados expõem que as avaliações baseadas em critérios meritocráticos não são capazes de medir todas as esferas da vida, tornando-se limitados ao propor o que as pessoas são capazes de ser e fazer. Tendo em vista a necessidade de se criar uma escola democrática e justa, conclui-se que a teoria das capacidades são um meio de buscar a individualidade e habilidades dos sujeitos, agregando na apreensão de conhecimento e na auto reflexão.

https://doi.org/10.20396/riesup.v8i00.8665579
ENGLISH
PORTUGUÊS

Referências

ALMEIDA, Vitor Sergio. O Enem como instrumento de autoavaliação: um projeto não efetivado. Revista Educação e Políticas em Debate. Uberlândia, v. 9, n. 2, p. 407 - 420, mai./ago. 2020.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução Esteia Dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BRITO, M. H. P.; ARRUDA, N. A. O; CONTRERAS, H. S. H. Escola, pobreza e aprendizagem: reflexões sobre a educabilidade. EDUCERE, XII Congresso Nacional de Educação, 2015. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/21930_10055.pdf. Acesso em: 12 nov 2021.

CARDOSO, Walter. Os obstáculos epistemológicos segundo Gaston Bachelard. Biblioteca Filosófica, 2013, p. 19-27. Disponível em: https://filosoficabiblioteca.files.wordpress.com/2013/11/cardoso-os-obstc3a1culos-epistemolc3b3gicos-segundo-gaston-bachelard.pdf. Acesso em: agosto de 2020.

DUBET, François. O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa. v. 34, n° 123, p. 539-555, set/dez, 2004.

FÁVERO, Altair Alberto; TONIETO, Carina. Docência universitária e formação do espírito científico: uma abordagem a partir da epistemologia de Gaston Bachelard. Roteiro, Joaçaba, v. 42, n. 1, p. 155-172, jan./abr. 2017.

FÁVERO, Altair Alberto; CONSALTÉR, Evandro. Bachelard e a negação à pedagogia das aparências: proposições para a construção de uma pedagogia científica. Espacios en Blanco. Revista de Educación, Tandil, núm. 27, junho 2017, p. 273-287.

G1. Estudante de escola paga tem o dobro da chance de entrar na faculdade, aponta estudo do IBGE. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2018/12/05/estudante-de-escola-paga-tem-o-dobro-da-chance-de-entrar-na-faculdade-aponta-estudo-do-ibge.ghtml. Acesso em: 20 dez. 2020.

IBGE. Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 38, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/genero/20163-estatisticas-de-genero-indicadores-sociais-das-mulheres-no-brasil.html. Acesso em: 20 dez. 2020.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2019- Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101678.pdf. Acesso em: 21 nov. 2021.

INEP. Sinopse Estatísticas do Exame Nacional de Ensino Médio 2018. Brasília: Inep, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br. Acesso em: 20 dez. 2020.

INEP. Nota Técnica Inse: indicador de Nível Socioeconômico das Escolas de Educação Básica (Inse) participantes da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA). Brasília: Inep, 2014. Disponível em:https://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/ana/resultados/2014/nota_tecnica_inse.pdf. Acesso em: 23 dez. 2020.

MARCATO, Célio Tiago; CONTI, Celso Luiz Aparecido. Justiça e igualdade na escola: a falácia da meritocracia. Devir Educação, v.1, n.1, p. 66-74, 2017.

NUSSBAUM, Martha. Sem fins lucrativos: por que a democracia precisa das humanidades. Tradução de Fernando Santos. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.

NUSSBAUM, Martha. Educação e Justiça Social. Tradução de Graça Lami. Ramada: Pedago, 2014.

NUSSBAUM, Martha. Crear Capacidades: propuesta para el desarrollo humano. Barcelona: Paidós, 2012.

KLITZKE, Melina Kerber. VALLE, Ione Ribeiro. Exame Nacional de Ensino Médio (Enem): há democratização do acesso ao ensino superior? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 16, p. 227-247, jan./jun. 2015. Disponível em: <http//www.esforce.org.br>. Acesso em: 20 dez. 2020.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista Internacional de Educação Superior

Downloads

Não há dados estatísticos.