Adentrando uma moradia estudantil feminina

opressão e desumanização no contexto de estudantes pobres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8665690

Palavras-chave:

Moradia estudantil, Assistência estudantil, Universidade pública, Paulo Freire

Resumo

A permanência de estudantes oriundos de camadas populares em universidades públicas é uma temática de discussão emergente e em constante reivindicação ao longo da história do Brasil. As moradias estudantis, espaços destinados para a habitação de estudantes beneficiados por assistência estudantil nas universidades, constam dentre as ações de políticas públicas de permanência do estudante pobre no ensino superior.  No entanto, a identificação do perfil e a escuta ativa das vozes dos estudantes-habitantes destas moradias estudantis parece ser ainda uma extensa lacuna nas pesquisas em Ciências Humanas. Neste sentido, o presente artigo se constitui como fruto de uma investigação que objetivou construir uma compreensão acerca dos modos de vida de estudantes em uma moradia estudantil de uma universidade do interior de Minas Gerais. Por meio de uma pesquisa participante, imergimos no cotidiano de uma moradia feminina e debruçamo-nos na vivência de quatro estudantes-moradoras que nos relataram seu cotidiano, tendo em vista um olhar crítico para a realidade de sujeitos advindos de camadas populares em suas trajetórias universitárias. Com fundamento no referencial teórico freireano, enfocamos, no presente artigo, as temáticas desveladas no processo de observação participante e de entrevistas realizadas com as moradoras:  o racismo, o machismo e a fome. Em meio à busca pela resistência no espaço universitário, as estudantes denunciam a a desumanização a que são submetidas em seu cotidiano e expõem a exigência ético-política radical de nossas universidades na garantia de proteção a discentes vulneráveis que buscam, no ensino superior, oportunidades de mudança em suas realidades opressivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ermita de Souza Santos Rodrigues, Universidade Federal de São João del Rei


Mestrado em Processos Socioeducativos e Práticas Escolares pela Universidade Federal de São João del Rei (São João del-Rei, MG - Brasil).

Bruna Sola da Silva Ramos, Universidade Federal de São João del Rei

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro  e Pós-doutora em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora Associada do Departamento de Ciências da Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação e Coordenadora da Cátedra Paulo Freire da Universidade Federal de São João del-Rei (São João del-Rei, MG - Brasil). 

Referências

ALMEIDA, D. “Eu sou do interior... eu vim estudar em Porto Alegre”: memórias de experiências sensíveis em uma Moradia Estudantil (1974-1983). Educar em Revista, Curitiba, v. 34 nº 71, Set/Out 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.59227

ASSIS, A. C. L. et al. As Políticas de Assistência Estudantil: experiencias comparadas em universidades públicas brasileiras. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, vol. 6, núm. 4, pp. 125-146. Universidade Federal de Santa Catarina. 2013. DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2013v6n4p125

BENJAMIN, W. O anjo da História. São Paulo. Autêntica. 2012.

BRANDÃO, C. R. Pesquisar-participar. In: BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1999. p. 9-16. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2009.74593

BRANDÃO, C. R.; STRECK, D. R. (Org.). Pesquisa participante: o saber da partilha. São Paulo: Ideias & Letras, 2006.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 5 abr. 2020.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Editora Vozes: Petropólis, Rio de Janeiro, 2008.

CASTRO, J. de. Geografia da fome - o dilema brasileiro: pão ou aço. Rio de Janeiro: Antares, 1948.

CAVALLEIRO, E. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2003.

CORREIA, M. da C. B. A Observação Participante enquanto técnica de investigação. Revista Pensar Enfermagem, v. 13, nº 2, 2006.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf . Acesso em: 20 jan. 2021.

FONAPRACE. Revista comemorativa 25 anos do Fonaprace: histórias, memórias e múltiplos olhares. In: Andifes (org.). Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis. Brasília: UFU, PROEX: 2012.

FONAPRACE. V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES – 2018. Uberlândia. 2019. Disponível em: http://www.fonaprace.andifes.org.br/site/wp-content/uploads/2019/06/V-Pesquisa-do-Perfil-Socioecono%CC%82mico-dos-Estudantes-de-Graduac%CC%A7a%CC%83o-das-U.pdf. Acesso em: 26 abr. 2021.

FREIRE, P.; FAUNDEZ, A. Por uma Pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Política e educação: ensaios. Cortez. São Paulo. 1993.

FREIRE, P. À sombra desta mangueira. 5ª ed. São Paulo: Olho d'água. 2004.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. 2011.

FREIRE, P. Cartas a Cristina. Reflexões sobre minha vida e minha práxis. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra. Rio de Janeiro. 2019.

LA BOÉTIE, É. de. Discurso da servidão voluntária. Tradução de Casemiro Linarth. São Paulo: Martin Claret, 2009. Título original: Discours de la servitude volontaire.

LIMA, J. B. Q. O Poder masculino na esfera da universidade pública. Universidade e Sociedade. ANDES-SN. 2017.

MORAES, M. R.; LIMA, G. F. Assistencialização das políticas educacionais brasileiras. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO E MARXISMO: marxismo, educação e emancipação humana, 5., 2011, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2011. p. 01-05.

OLIVEIRA, R. C. O trabalho do antropólogo. Brasília: ed. Paralelo, 2000.

OLIVEIRA, S. B.; VARGAS, M. W. A Assistência Estudantil como espaço privilegiado de educação para os direitos. In: FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS – Fonaprace. Revista Comemorativa 25 anos: histórias, memórias e múltiplos olhares. Uberlândia: UFU-PROEX, 2012.

PEQUENO, M. J. P. O sujeito dos direitos humanos. In: Pequeno, M.; Guerra, L. F. & Zenaide, M. N. (orgs.). Direitos humanos na educação superior: subsídios para a Educação em Direitos Humanos na Filosofia. João Pessoa: Editora da UFPB, 2011.

PORTES, É. A. Trajetórias e estratégias escolares do universitário das camadas populares. 1993. Dissertação (Mestrado)-Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1993.

PORTES, É. A. Trajetórias escolares e vida acadêmica do estudante pobre da UFMG – um estudo a partir de cinco casos. 2001. Doutorado (Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SARTI, C. A. A família como espelho. Um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo, Autores Associados. 1996.

SILVA, A. C. da. Superando o Racismo na escola. 2º edição revisada / Kabengele Munanga, organizador. – [Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 11-34.

Publicado

2022-08-06

Como Citar

RODRIGUES, E. de S. S. .; RAMOS, B. S. da S. . Adentrando uma moradia estudantil feminina : opressão e desumanização no contexto de estudantes pobres. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023014, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8665690. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8665690. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Pesquisas