Banner Portal
Relações de gênero no meio acadêmico
Imagem: Universidade de Nápoles Federico II, fundada em 1224. - Google / Licença Creative Commons.
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
AUDIO
VÍDEO

Palavras-chave

Diferença de gênero
Educação superior
Diversidade cultural

Como Citar

FRANCISCO JUNIOR, Wilmo Ernesto; SOUZA, Andreza Alves de; FERREIRA, Mônica dos Santos. Relações de gênero no meio acadêmico: como estudantes de ensino superior as percebem? . Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 10, n. 00, p. e024033, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v10i00.8670258. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8670258. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

Introdução/Objetivo: A pesquisa aqui relatada se refere a um estudo exploratório realizado com estudantes universitários sobre suas concepções acerca das relações de gênero na educação superior. Metodologia: A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário aberto e contou com a colaboração de 149 participantes (47 homens e 102 mulheres) de diferentes cursos e instituições de ensino. O reconhecimento e análise de situações, tais como a predominância de gênero em alguns cursos e as diferenças históricas de participação das mulheres na ciência, ainda revelam concepções pouco problematizadas e simplistas. Por exemplo, a natureza do cuidar ainda é atribuída como uma característica feminina e de pouco valor intelectual. Resultado: Tais visões podem se desdobrar em atitudes de discriminação que atuam na manutenção do status quo vigente, pois obstaculizam algumas tarefas, em especial no campo científico. Conclusão: Abandonar compreensões e práticas de uma sociedade patriarcal não é simples ou natural. Ainda é preciso uma análise crítica e a problematização dos meios de produção e divisão do trabalho, bem como de comportamentos e atitudes ao longo do percurso de vida.

https://doi.org/10.20396/riesup.v10i00.8670258
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
AUDIO
VÍDEO

Referências

BANDEIRA, Lurdes. A contribuição da crítica feminista à ciência. Estudos feministas, Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 207-230, jan., 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v16n1/a20v16n1.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

BERNARDO, Raphael; ALBUQUERQUE, Ester; MATIAS DOS SANTOS, Vívian. Situando conhecimentos: mulheres cientistas na Universidade Federal de Pernambuco. In: ENCONTRO REDOR, 18., 2014. Recife, Anais do... Recife: UFRPE, 2014, p. 410-425. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/lti/ocs/index.php/18redor/18redor/paper/viewFile/907/652. Acesso em: 14 set. 2017.

BRASIL, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2017: divulgação dos principais resultados. Brasília, DF, setembro de 2018. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/documentos/principais%20resultados.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

CHASSOT, Attico. A ciência é masculina? É, sim senhora! 5. ed. São Leopoldo: Unisinos, 2011. 134 p. ISBN 9788574314488.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000. 160 p. ISBN 9788577532902.

HOWES, Elaine. Connecting Girls and Science: constructivism, feminism, and science education reform. New York: Teachers College Press, 2002. 176 p. ISBN 9780807742105.

KELLER, Evelyn Fox. Qual foi o impacto do feminismo na ciência? Cadernos Pagu, Campinas, n. 27, p. 13-34, jul./dez., 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n27/32137.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

LEITE, Bárbara Daniane Gusmão Lopes; OLIVEIRA, Eduardo; QUEIROZ, Izabella Nobre; MARTELLI, Daniella Reis Barbosa; OLIVEIRA, Maria Christina; MARTELLI JÚNIOR, Hercílio. Profile of the researchers with productivity grants in the Brazilian National Research Council (CNPq) of the Physical Education Area. Motricidade, Vila Real, Portugal, v. 8, n. 3, p. 90-98, out. 2012. DOI 10.6063/motricidade.8(3).1160

LOMBARDI, Maria Rosa. Perseverança e resistência: a engenharia como profissão feminina. 2005. 292 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2005.

MATIAS DOS SANTOS, Vívian. Para pensar o campo científico e educacional mulheres, educação e letras no século XIX. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 58, p. 585-607, jul./set., 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v19n58/04.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

MENDES, Débora. A ideologia de gênero na publicidade contemporânea. Mediações Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 15, n. 1, p. 241-257, jan./jun., 2010. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/4291/5945. Acesso em: 19 out. 2022.

MENDES, Patrícia Helena Costa; MARTELLI, Daniella Reis Barbosa; SOUZA, William Pereira de; QUIRINO FILHO, Sidnei; MARTELLI JÚNIOR, Hercílio. Perfil dos pesquisadores bolsistas de produtividade científica em medicina no CNPq, Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 535-541, dez. 2010. DOI 10.1590/S0100-55022010000400008

RODRIGUES, Jeorgina Gentil; GUIMARÃES, Maria Cristina Soares. A fundação Oswaldo Cruz e a ciência no feminino: a participação feminina na prática e na gestão da pesquisa em uma instituição de ensino e pesquisa. Cadernos Pagu, Campinas, n. 46, p. 197-222, jan./abr., 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n46/1809-4449-cpa-46-0197.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

SANDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Da crítica feminista à ciência a uma ciência feminista. In: ENCONTRO REDOR, 10., 2001, Salvador, Anais do... Salvador: UFBA, 2001. p. 1-35. Disponível em: https://bityli.com/1YDaR. Acesso em: 14 set. 2017.

SAITOVITCH, Elisa Maria Baggio; LIMA, Betina S.; BARBOSA, Marcia C. Mulheres na Física: por que tão poucas? In: SAITOVITCH, Elisa Maria Baggio. Mulheres na Física: casos históricos, panorama e perspectivas (pp. 245-260). São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015.

SCHIENBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? São Paulo: EDUSC, 2001. 384 p. ISBN 9788574600635.

SILVA, Ivanderson Pereira da. Em busca de significados para a expressão “Ideologia de gênero”. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, e190810, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-4698190810. Acesso em 19 out. 2022.

SILVA, Fabiane Ferreira; RIBEIRO, Paula Regina Costa. A participação das mulheres na ciência: problematizações sobre as diferenças de gênero. Revista Labrys Estudos Feministas, n. 10, p. jul./dez. 2011. Disponível em: file:///C:/Users/DELL/Downloads/labrys_fabi.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

SILVA, Fabiane Ferreira; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Trajetórias de mulheres na ciência: “ser cientista” e “ser mulher”. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 2, p. 449-466, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v20n2/1516-7313-ciedu-20-02-0449.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Wilmo Ernesto Francisco Junior, Andreza Alves de Souza, Mônica dos Santos Ferreira

Downloads

Não há dados estatísticos.