Banner Portal
Provocações para ressignificar e descolonizar a Universidade
Estudante indígena no computador
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Palavras-chave

Indígenas
Educação Superior
Perspectiva decolonial

Como Citar

PERON, Lucélia; CELLA, Rosenei; RODRIGUES, Diego Palmeira. Provocações para ressignificar e descolonizar a Universidade: uma análise da experiência de estudantes indígenas da Universidade Federal da Fronteira Sul. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 11, n. 00, p. e025004, 2023. DOI: 10.20396/riesup.v11i00.8671268. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8671268. Acesso em: 13 abr. 2024.

Resumo

Introdução: A presença indígena na educação superior tem se apresentado dentre as pautas atuais das discussões acadêmicas. Apesar de ser uma temática recente, evidencia que precisamos pesquisar e nos conectar com os desafios educacionais, culturais, sociais e políticos do nosso tempo, para não apenas compreendermos o mundo em que vivemos, mas, sobretudo, para criarmos possibilidades de sua ressignificação. Objetivo: Diante disso, este texto tem como objetivo problematizar a universidade, o preconceito, a discriminação e a hegemonia epistemológica eurocêntrica a partir das experiências de estudantes indígenas da Universidade Federal da Fronteira Sul. Metodologia: O intuito é contribuir nas reflexões sobre o acesso, a permanência, a vivência na universidade e o significado dessa escolarização para os povos indígenas, tomando a perspectiva decolonial como articuladora da análise. Procuramos problematizar as possibilidades que os indígenas, grupo étnico vítima de genocídio, epistemicídio e etnocídio, têm de contribuírem para a transformação e ressignificação da universidade ao se fazerem presentes nesse espaço. Resultado/Conclusão: Percebemos que os estudantes indígenas ainda enfrentam situações difíceis, que são as relações coloniais e o sofrimento por elas gerado, e que é necessário quebrar paradigmas e construir possibilidades para romper o ciclo de violências ainda em curso.

https://doi.org/10.20396/riesup.v11i00.8671268
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Referências

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. Desafios no caminho da descolonização indígena. Revista do PPGCS – UFRB – Novos Olhares Sociais | Vol. 2 – n. 1 – 2019. Acesso em 12 ago. 2022.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 31 jul. 2022.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

ESPINOSA, Monica. Ese indiscreto asunto de la violencia. Modernidad, colonialidad y genocidio en Colombia. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramon (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos e Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. Disponível em: http://www.ceapedi.com.ar/imagenes/biblioteca/libreria/147.pdf. Acesso em: 11 ago. 2022.

FIGUEIREDO, Angela; GROSFOGUEL, Ramón. Por que não Guerreiro Ramos? Novos desafios a serem enfrentados pelas universidades públicas brasileiras. Cienc. Cult. São Paulo, v. 59, n. 2 abr./jun. 2007.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, p. 98-109, jan./abr. 2012.

GROSFOGUEL, Ramón. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Cienc. Cult. São Paulo v. 59, n. 2, abr./jun. 2007. Tradução: Flávia Gouveia.

HERBETTA, Alexandre Ferraz; NAZARENO, Elias. Sofrimento acadêmico e violência epistêmica: considerações iniciais sobre dores vividas em trajetórias acadêmicas indígenas. Tellus, Campo Grande, MS, ano 20, n. 41, p. 57-82, jan./abr. 2020. DOI: http://dx.doi.org/ 10.20435/tellus.v20i41.640.

MIGNOLO, Walter D. “Novas reflexões sobre ‘Ideia da América Latina’: a direita, a esquerda e a opção descolonial”. Caderno CRH, v. 21, n. 53, p. 239-252, 2008.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. 1. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo:

trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In MEYER, Dagmar Estermann e (organizadoras). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

RIBEIRO, Ana Elisa Rodrigues Alves; BERETTA, Regina Célia De Souza. Interculturalidade, Descolonização e a Educação Superior Indígena no Brasil. Revista Internacional Educon, v. I, n. 1, e20011002, set./dez. 2020. ISSN: 2675-6722 | DOI: https://doi.org/10.47764/e20011002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos – CEBRAP, n. 79, p. 71-94. nov. 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. 1. ed. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019. (E-book)

SEGATO, Rita Laura. Cotas: Por que reagimos? REVISTA USP, São Paulo, n.68, p. 76-87, dezembro/fevereiro 2005-2006.

SILVA, Nádia Maria Cardoso da. Universidade no brasil: colonialismo, colonialidade e descolonização numa perspectiva negra. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, V. 3 N. 3 – pág. 233-257 (out/2017 – jan/2018): “Decolonialidade e Educação: entre teorias e práticas subversivas” – DOI: 10.12957/riae.2017.29814.

SPIVAK, Gayatri. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL. Resolução Nº 33/CONSUNI/UFFS/2013. Institui o Programa de Acesso e Permanência dos Povos Indígenas (PIN) da Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó: UFFS, [2013]. Disponível em: https://www.uffs.edu.br/atos-normativos/resolucao/consuni/2013-0033. Acesso em: 1 ago. 2022.

VIANA, Iclicia. Et al. Colonialidade, invisibilização e potencialidades: Experiências de indígenas no ensino superior. Psicologia Política. vol. 19. n. 46. p. 602-614. set-dez. 2019.

VICENZI, Renilda; PICOLI, Bruno Antonio. Escola, ressignificação, descolonização: narrativas de estudantes Kaingang na fronteira Sul do Brasil. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 17, e2219356, 1-23, 2022. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa Acesso em 1 ago. 2022.

VIEIRA, G. J. C. Breves notas sobre a concepção de etnocídio e seu contexto como violação de direitos humanos. Lex Humana, Petrópolis, v. 3, n. 1, p. 36-49, 2011.

WALSH, Catherine. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In CANDAU, Vera Maria (org). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: Editora 7Letras, 2009.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Lucélia Peron, Rosenei Cella, Diego Palmeira Rodrigues

Downloads

Não há dados estatísticos.