Intervenção no Espaço Público: O caso da Praça João Pessoa/PB

Autores

  • Maria Conceição Paulino Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v6i2.8635070

Palavras-chave:

João Pessoa. Lugar de memória. Intervenção urbana.

Resumo

A Praça João Pessoa é um dos espaços livres públicos mais antigos da cidade homônima, capital do estado da Paraíba. Esta praça evoluiu a partir do Terreiro da Capela Jesuítica do século XVI, espaço de uso para festas religiosas e procissões. Com a expulsão dos jesuítas, o conjunto arquitetônico formado pela Igreja e Seminário ficou sendo local de moradia dos Capitães Mores. Posteriormente, em 1771, dos Presidentes da Província da Parahyba (conhecido como O Largo do Palácio), que além do uso religioso, passou ser o espaço principal das festividades do poder. Em fins do século XIX este espaço foi transformado em Jardim Público e passou a ser o principal espaço de sociabilidade e lazer da cidade com realização de retretas aos fins de semana. Em 1933, este espaço foi transformado em “Lugar de Memória” para a Revolução de 1930. Nela, diante do monumento “Altar da Pátria” se realizavam cultos à imagem do mitificado, sagrado e heroicizado João Pessoa. Neste artigo apresento como se processou esta intervenção. Inicio com uma discussão do conturbado governo de João Pessoa em meio ao conflito armado que ficou conhecido como Guerra de Princesa e abordo as motivações políticas para a criação da Praça em sua homenagem, após seu assassinato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Conceição Paulino, Universidade Federal da Paraíba

Graduada em História, Mestre em História da Arquitetura e Urbanismo e Graduanda em Arquivologia (UFPB).

Referências

ABREU, José Guilherme (2003). Um modelo fenomenológico para a escultura pública. Revista da Faculdade de Letras Ciências e Técnicas do Patrimônio. I Série vol. 2, pp. 385-418. Disponível em ucp.academia.edu/ Acesso 15-Mar-12 Acesso em 16-mar-2011

AIRES, Luciano de Q (2006). Inventando Tradições, Construindo Memórias: A "Revolução de 1930" na Paraíba. 167 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal da Paraíba.

CALDEIRA, Junia Marques (2007). A Praça Brasileira - trajetória de espaço urbano: origem e modernidade. 432 f. Tese (Doutorado em História) Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP.

CARVALHO, José Murilo de (1990). A Formação das Almas: O Imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

COLCHETE FILHO, Antonio (2008). Praça XV: projetos do espaço público. Rio de Janeiro: 7Letras.

COSTA, Cacilda T (2001). O sonho e a técnica: A arquitetura de Ferro no Brasil. São Paulo: EDUSP.

DE ANGELIS, Bruno D; CASTRO, Rosanda Miranda de; DE ANGELIS NETO, Generoso (maio 2004). Metodologia para Levantamento, cadastramento, diagnóstico e avaliação de praças no Brasil. Revista de Engenharia Civil da Universidade do Minho. Portugal: N. 20. Disponível em http://www.civil.uminho.pt/cec/revista/Num20/Pag%2057-70.pdf Acesso em: 03-Mar-12

FAUSTO, Boris (1981). A Revolução de 1930: historiografia e história. 7 ed. São Paulo: Brasiliense.

LENHARO, Alcir (1986). Sacralização da Política. Campinas: Papirus.

MARIANO, Serioja R. Cordeiro (2010).Signos em confronto?: O arcaico e o moderno na cidade de Princesa (PB) na década de 1920. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

MARX, Murilo (1980). Cidade brasileira. São Paulo: Melhoramentos.

MUNIZ, Maria Águeda (2006). O plano diretor como instrumento dês Gestão da Cidade: O caso da cidade de Fortaleza-CE. 397 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

NORA, Pierre (1993). Entre Memória e História: a problemática dos lugares. In: Projeto História. n. 10

RAMOS, Leonard A (2006). A Praça João Pessoa: Passado e Presente. Monografia (Licenciatura em Geografia) Centro de Ciências Exatas e da Natureza. Universidade Federal da Paraíba

ROBBA, F. MACEDO, S. S (2002). Praças brasileiras. São Paulo: Edusp.

RODRIGUES, Inês Caminha Lopes (1978). A Revolta de Princesa: Uma contribuição ao estudo do Mandonismo Local – Paraíba (1930) João Pessoa: A União

STUCKERT FILHO, G. Lyra (2004). Parahyba Capital em Fotos. V. I. João Pessoa: F&A Gráfica e Editora.

Downloads

Publicado

2016-01-15

Como Citar

PAULINO, M. C. Intervenção no Espaço Público: O caso da Praça João Pessoa/PB. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 281-296, 2016. DOI: 10.20396/urbana.v6i2.8635070. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635070. Acesso em: 26 nov. 2020.