Nas veredas das tertúlias literárias: uma discussão historiográfica acerca dos espaços de sociabilidade intelectual no Brasil

  • Maiara Juliana Gonçalves da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Espaço. Sociabilidade. Intelectuais.

Resumo

Cafés, livrarias, redações de jornais, tipografias, conferências, salões, agremiações literárias... esses são alguns exemplos de ambientes que serviram de ponto de encontros e abrigaram inúmeras reuniões de homens que praticavam atividades literárias no Brasil. Esses espaços multiplicaram-se acompanhando um movimento de transformações físicas, culturais e sociais no fim do século XIX e no início do século XX. Desde o Segundo Reinado, podemos verificar o desenvolvimento de atividades intelectuais no Brasil. Entretanto, foi no fim do século XIX que esses movimentos intensificaram-se, resultando em uma maior atuação desse grupo na sociedade e nos espaços da cidade. No interior dos ambientes mencionados, grupos de intelectuais trocavam experiências, elaboravam, discutiam, divulgavam e faziam circular suas ideias e projetos, bem como forjavam a formação de uma identidade de grupo, uma vez que tais espaços ratificavam as relações sociais existentes. No entanto, apesar dos espaços de sociabilidades serem importantes para um estudo que proponha a compreensão e a análise da dinâmica desse grupo, poucas foram as produções, na historiografia brasileira, que deram ênfase a essa temática. Desse modo, o presente artigo tem por objetivo é contemplar uma discussão historiográfica acerca de perspectivas de estudos voltadas para os espaços frequentados por grupos literatos no período republicano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maiara Juliana Gonçalves da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Possui graduação no curso de Bacharelado em História na mesma universidade, completa em 2011. Possui Licenciatura em História na mesma instituição. Atualmente, é professora temporária de História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Campus Escola Agrícola de Jundiaí/EAJ) e do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN - Campus São Gonçalo do Amarante). 

Referências

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas/SP: papirus, 2011. 11 ed. p.15.

BROCA, José Brito. A vida literária no Brasil – 1900. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

GOMES, Ângela de castro. Essa gente do Rio... modernismo e nacionalismo. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

GONTIJO, Rebeca. História, cultura, política e sociabilidade intelectual. IN: SOIHET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda B.; GÔUVEA, Fátima S. Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história. Rio de Janeiro: Mauad, 2005. Parte III: cultura política e sociabilidade. P. 259-284.

GUIMARÃES, João Amorim. Natal do meu tempo: crônica da cidade do Natal. Natal: SCB/FHG, 1999.

SANTOS, Tarcísio Gurgel dos. Belle Époque na esquina: o que se passou na República das Letras potiguar. Natal/RN: Editora do autor, 2009.

LE PETIT, Bernard. É possível uma hermenêutica urbana? In: LE PETIT, Bernard. Por uma nova história urbana. São Paulo: Editora da USP, 2001. Cap. 5. P. 137-154.

MARINHO, Márcia. Clubes e cafés: espaço de sociabilidade das elites natalenses na Belle Époque. In: MARINHO, Márcia. Natal também civiliza-se: sociabilidade, lazer e esporte na Belle Époque natalense. Natal/RN: EDUFRN, 2011. Cap. 2.p. 69-116.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ONOFRE JR., Manoel. Nossa Academia. In: ONOFRE JR., Manoel. Conversa na calçada. Natal/RN: UFRN, 2011. P. 54-57.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SIRINELLI, Jean- François. Os intelectuais. In: REMOND, René (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2003. 2 ed. P. 232 – 253.

WANDERLEY, Jaime dos G. É tempo de recordar. Natal/RN: Fundação José Augusto, 1984.

Publicado
2013-10-28
Como Citar
Silva, M. J. G. da. (2013). Nas veredas das tertúlias literárias: uma discussão historiográfica acerca dos espaços de sociabilidade intelectual no Brasil. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 5(1), 251-275. https://doi.org/10.20396/urbana.v5i1.8635095