Do “povoado de uma rua só” para “Canaã do Oeste”: as políticas de normatização e controle social em Campo Grande (1905-1930)

Autores

  • Carlos Alexandre Barros Trubiliano Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v4i2.8635102

Palavras-chave:

Ordenamento. Controle social. Normatização.

Resumo

A ferrovia Noroeste do Brasil (NOB) surgiu sob o signo da defesa do Estado Nacional e da expansão das relações capitalistas na fronteira Oeste do Brasil. A estrada de ferro ressignificou a dinâmica política no sul de Mato Grosso e transformou o espaço, provocando o aparecimento de cidades e impulsionando o crescimento de outras, como Campo Grande. Pelo trem chegavam idéias, mercadorias, informações, mas principalmente pessoas, estas identificadas como “forasteiras”, ocasionando estranhamentos, conflitos e o surgimento/a afirmação de identidades. Simultaneamente aos trilhos, são criadas propostas para Campo Grande, marcadas pela utopia de espaço higiênico (físico e moral), para disciplinar e racionalizar a ocupação do território. Neste ensaio, buscamos identificar as políticas de organização sócio-espacial para a cidade no início do século XX, momento em que a localidade passa de um vilarejo de boiadeiros para a “Canaã do Oeste”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Alexandre Barros Trubiliano, Universidade Estadual Paulista

Mestre em História pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e Doutorando em História na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)/Campus de Franca como financiamento/bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Referências

ALVES, G.L. Mato Grosso do Sul: o universal e o singular. Campo Grande: Uniderp, 2003.

ANDRADE FILHO, Pérsio. Série Campo Grande - Personalidades. Campo Grande: Arquivo Histórico de Campo Grande, 2000.

ARRUDA, Ângelo Marcos Vieira de. “A Arquitetura e o Urbanismo de Campo Grande”. In: Revista de Ciências Sociais, n o 1, Uniderp, Campo Grande, 1998.

ARRUDA, Ângelo Marcos Vieira de. A casa em Campo Grande: Mato Grosso do Sul, 1950-2000 – parte 1. Revista Arquitextos, n o 36, maio de 2003. s/p.

ARRUDA, Ângelo Marcos Vieira de. Campo Grande: arquitetura, urbanismo e memória. Campo Grande: UFMS, 2006.

ARRUDA, Gilmar. “A Ferrovia Noroeste do Brasil: o último trem para o sertão". Cadernos de Estudos Urbanos. Campo Grande: Conselho Regional de Construtores de Imóveis, n° 3, 1995.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: A aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva; 1998.

CAMPOS, Candido Malta. Construção e desconstrução do centro paulistano. Cienc. Cult. 2004, v. 56, n. 2.

CARVALHO, José Murilo de. Bestializados o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Editora Schuwarcz, 1987.

CHOAY, Françoise. Urbanismo: utopias e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CORRÊA, Valmir Batista. Coronéis e Bandidos em Mato Grosso: 1889-1943 Campo Grande: Ed UFMS, 1995.

DORATIOTO, Francisco. Maldita guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

EBNER, Iris de Almeida Rezende. Vazios Urbanos: uma abordagem do ambiente construído. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo/Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. São Paulo, 1997.

FERREIRA, Bruno Torquato Silva. Notas acerca da vida arregimentada dos praças nos corpos do Exército no antigo Mato Grosso (1909-1916). Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados. EdUFGD, mai. 2009.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 12a edição. São Paulo: Forense Universitária, 1986.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 12a edição. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 20a edição. Petrópolis: Vozes, 1999

GALETTI, Lylia da Silva Guedes. Nos Confins da Civilização: sertão, fronteira e identidade nas representações sobre Mato Grosso. Tese (Doutorado em História) - Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letra e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.

GARDIN, Cleonice. Campo Grande entre o Sagrado e o Profano. Campo Grande: Ed. UFMS, 1999.

GOMES, William. Dicionário Cuiabanês. Cuiabá, 2000.

MACHADO, Paulo Coelho. Pelas Ruas de Campo Grande: A Rua Velha. Campo Grande: Tribunal de Justiça/ MS, 1989.

MACHADO, Paulo Coelho. A Rua Barão. Campo Grande: TJ/ MS, 1991.

MACHADO, Paulo Coelho. A Rua Principal Campo Grande: TJ/MS, 1990.

MACHADO, Paulo Coelho. A Grande Avenida. Campo Grande: Funcesp, 2000.

NEVES, Maria Manuela Renha de Novis. Elites Políticas. Competição e Dinâmica Partidário - Eleitoral (Caso de Mato Grosso). Rio de Janeiro: IUPERJ / São Paulo: Vértice, 1988.

OLIVEIRA NETO, Antonio Firmino de. Ruas e Calçadas de Campo Grande - MS. Uma Contribuição ao Estudo dos Espaços Públicos Urbanos. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade de São Paulo. São Paulo, 1997.

QUEIROZ, Paulo Roberto Cimó. As curvas do trem e os meandros do poder: o nascimento da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Campo Grande: Editora da UFMS, 1997.

QUEIROZ, Paulo Roberto Cimó. Uma ferrovia entre dois mundos. A E. F. Noroeste do Brasil na primeira metade do século 20. Bauru: Edusc / Campo Grande: Editora da UFMS, 2004.

ROLNIK, Raquel. O Que é Cidade? São Paulo: Brasiliense, 1995.

RUBIM, Rezende. Reservas de Brasilidade. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1939.

SCHWARTZMAN, S. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Paz e Terra / São Paulo: Edusp, 1984.

SERRA, Ulisses. Camalotes e guavirais. 2 ed. Campo Grande: Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, 1989.

SEVCENKO, Nicolau. "Introdução. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso".

SEVCENKO, Nicolau. (Org.) História da vida privada no Brasil. República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das letras, 1998. Vol. 3.

SILVA, Mozart Linhares da. Do império da lei às grades da cidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

SODRÉ, Nelson Werneck. Do Tenentismo ao Estado Novo: Memórias de um Soldado. Petrópoles: Editora Vozes, 1986.

SOMERS, M. R. “¿Que hay de político o de cultural en la esfera política y en la esfera pública¿ Hacia una sociologia historica de la formacion de conceptos.” In: MORAN, M. L. (comp) Zona Abierta. España: 77/78, 1996/1997.

WEINGÄRTNER, Alisolete Antônia dos Santos. Campo Grande o impulso do desenvolvimento nas rotas de gado, nos trilhos do trem e nos caminhos de Mercossul. Campo Grande. Revista ARCA, n. 5. EdUFMS, 1995.

Downloads

Publicado

2013-04-01

Como Citar

TRUBILIANO, C. A. B. Do “povoado de uma rua só” para “Canaã do Oeste”: as políticas de normatização e controle social em Campo Grande (1905-1930). URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 109–126, 2013. DOI: 10.20396/urbana.v4i2.8635102. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635102. Acesso em: 3 out. 2022.