Banner Portal
Festas ao Arcanjo São Miguel no contexto de Reforma Católica Ultramontana em Porto Alegre na primeira metade do século XX
PDF

Palavras-chave

Irmandade São Miguel e almas. Festa. Porto Alegre.

Como Citar

DILLMANN, Mauro. Festas ao Arcanjo São Miguel no contexto de Reforma Católica Ultramontana em Porto Alegre na primeira metade do século XX. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 127–148, 2013. DOI: 10.20396/urbana.v4i2.8635103. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635103. Acesso em: 14 jun. 2024.

Resumo

Este artigo pretende analisar os significados das festas religiosas organizadas ao padroeiro pela Irmandade São Miguel e Almas de Porto Alegre, nas primeiras décadas do século XX. A partir da consulta aos livros de atas presentes no Arquivo da Irmandade, pode-se traçar um panorama de como as festas foram discutidas, pensadas e organizadas, focalizando mudanças como a preferência em comemorar no recinto sagrado da igreja a sair em procissão e a variação nas decisões de participar ou não de festividades promovidas por outras irmandades. Por fim, percebem-se através das fontes, os indícios que demonstram os motivos pelos quais as festas continuaram sendo importantes para a Irmandade.

https://doi.org/10.20396/urbana.v4i2.8635103
PDF

Referências

ABREU, Martha (1999). O Império do Divino. Festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro, 1830-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

ABREU, Martha e VIANA, Larissa (2009). Festas religiosas, cultura e política no império do Brasil. In GRINBERG, Keila e SALLES, Ricardo. (org.), O Brasil Imperial. Vol. III – 1870-1889, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 233-270.

AQUINO, Maurício (2012). Modernidade republicana e diocesanização do catolicismo no Brasil: as relações entre Estado e Igreja na Primeira República (1889-1930), Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 32, n.63, p. 143-170.

BAREA, Dom José (2004 [1932]). História da Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Porto Alegre: EST.

BIASOLI, Vitor (2010). O catolicismo Ultramontano e a Conquista de Santa Maria (1870-1920). Santa Maria: Ed. UFSM.

CAMPOS, Adalgisa (2004). São Miguel, as Almas do Purgatório e as balanças: iconografia e veneração na Época Moderna, Memorandum, 7, p. 102-127.

CATROGA, Fernando (2006). Entre Deuses e Césares. Secularização, laicidade e religião civil. Coimbra: Almedina.

COUTINHO, Emílio Portugal, O hino de ação de graças. Revista Arautos do Evangelho, Disponível em http://revista.arautos.org.br/RAE89-O-hino-de-acao-de-gracas.asp, Acessado em 11.06.2011.

DILLMANN, Mauro (2012). Dia de finados: uma homenagem aos mortos na visita de saudade ao cemitério São Miguel e Almas de Porto Alegre – século XX, Revista Oficina do Historiador, Porto Alegre, Edipucrs, v. 5, n.2, p. 160-179.

ELIADE, Mircea (2010 [1959]). O sagrado e o Profano. A essência das religiões, São Paulo: Editora WMF / Martins Fontes.

EVARISTO, Carlos (2002). A Real Irmandade de São Miguel da Ala. História e Estatutos – A devoção portuguesa a São Miguel, Anjo de Portugal e da Paz. Fátima, Portugal: Regina Mundi Press.

GUTTILA, Rodolfo Witzig (2006). A casa do santo & o santo de casa. São Paulo: Landy.

ISAIA, Artur César (1998). Catolicismo e Autoritarismo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Edipuc.

KARSBURG, Alexandre de Oliveira (2007). Sobre as ruínas da Velha Matriz. Religião e política em tempos de ferrovia. Santa Maria – Rio Grande do Sul, 1880/1900. Santa Maria: Ed. UFSM.

MARIN, Jérri Roberto (2009). A gestão de D. José Maurício da Rocha na Diocese de Corumbá, Revista Brasileira de História das Religiões (Anais do II Encontro Nacional do GT História das Religiões e das Religiosidades), Maringá, v.1, n.3. Disponível em www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html. Acessado em 22/11/2011.

MAUSS, Marcel (2003 [1950]). Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

MENEZES, Renata de Castro. (2009), Celebrando São Besso ou O que Robert Hertz e a Escola Francesa de sociologia têm a nos dizer sobre festas, rituais e simbolismo, Religião e Sociedade. Rio de Janeiro: 29 (1): 179-199.

MICELI, Sérgio (2009). A elite eclesiástica brasileira, 1890-1930. São Paulo: Companhia das Letras.

NASCIMENTO, Mara Regina (2006). Irmandades leigas em Porto Alegre. Práticas funerárias e experiência urbana. Séculos XVIII-XIX. Porto Alegre: Tese de doutorado em História, UFRGS.

PEREIRA, José Carlos (2005). Devoções marginais: intefaces do imaginário religioso. Porto Alegre: Zouk.

SANTIROCCHI, Ítalo Domingos (2010). Uma questão de revisão de conceitos: romanização, Ultramontanismo, Reforma. Temporalidades, Revista Discente do Programa de Pós-graduação em História, UFMG, vol.2, n.2, p. 24-33.

SOUZA, João Carlos (2008). Sertão Cosmopolita. Tensões da modernidade de Corumbá. 1872-1918. São Paulo: Alameda.

TAVARES, Mauro Dillmann (2008). Irmandades, Igreja e Devoção no sul do Império do Brasil. São Leopoldo: Oikos/Unisinos.

VOVELLE, Michel (1991). Ideologias e mentalidades. São Paulo: Brasiliense.

URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.