A valorização do patrimonio da indústria da seda

Autores

  • Marina Martin Barbosa Université Paris 1 – Panthéon-Sorbonne

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v3i1.8635124

Palavras-chave:

Patrimônio industrial. Seda. Reabilitação arquitetônica.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é explorar a temática da valorização do patrimônio arquitetônico, herdado pela indústria da seda, a partir do estudo da história das técnicas, gestão e valorização do patrimônio industrial. É a partir do estudo de duas fábricas de seda na Europa: o Filatoio di Caraglio em Itália (data de construção: 1676-1678) e o Real Filatório de Chacim em Portugal (data de construção: 1788), que serão discutidas as estratégias encontradas para a conservação/restauração dos dois casos em questão, com base em suas histórias e contextos atuais. O Filatoio di Caraglio é uma das fábricas de seda mais antigas da Europa, tendo como técnica de fabricação o moinho alla piemontese publicado na Encyclopédie como uma das melhores invenções no século XVIII. No caso do Real Filatório de Chacim, constata-se que o incentivo às indústrias em Portugal no século XVIII pelo Marques de Pombal, resultou na introdução deste moinho por meio de técnicos italianos e constituiu uma transferência tecnológica entre os dois países. Os dois casos em questão foram valorizados e para isto envolveram a colaboração de diversos profissionais, tais como arqueólogos, arquitetos, historiadores, etc. Desta forma, uma analise de valorização dos dois projetos será realizada levando em conta aspectos da museificação do patrimônio industrial e as estratégias de valorização, dando pistas de futuras destinações a partir da do testemunho arquitetônico como meio difusor da memória

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Martin Barbosa, Université Paris 1 – Panthéon-Sorbonne

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Estadual Paulista, com período de intercâmbio na École Nationale Supérieure d'Architecture de Paris La Villette (2007). Mestre em História pelo programa Erasmus Mundus TPTI: "Techniques, Patrimoines, Territoires de l'Industrie: Histoire, valorisation, didactique" pelas universidades Paris 1 - Panthéon Sorbonne, Universidade de Évora e Università degli Studi di Padova (2010). Doutora em História, área de concentração Política, Memória e Cidade, na Universidade Estadual de Campinas, e em História das Artes na ?Scuola Dottorale Interateneo in Storia delle Arti? pela Università Ca? Foscari e IUAV di Venezia. Possui experiência em arquitetura e urbanismo, restauro arquitetônico, museus e docência na área de design de exposições.

Referências

ACCURSIO DAS NEVES, José (1814). Variedades sobre objectos relativos às artes, comércio e manufacturas consideradas segundo os prinicipios da economia politica. (Tomo I). Impressão Régia. Lisboa, 293p.

BATTISTINI, Francesco (2003). L'industria della seta in Italia nell'età moderna. Ed. Il Mulino. Bologna, 237p.

BOULNOIS, Luce (1999). A rota das sedas. Publicações Europa-América. Lisboa, 354p.

CHIERICI, Patrizia (1993). L’archittetura delle “fabbriche magnifiche”: preocedure e tempi della concentrazione produttiva tra Seicento e Settecento nel Piemonte meridionale. In: CHIERICI, Patrizia & PALMUCCI, Laura Quaglino (a cura di). Le “fabbriche magnifiche”. La seta in provincia di Cuneo tra Seicento e Ottocento.Ed. L’Arciere, Cuneo, pp. 134-136.

CHIERICI, Patrizia (2008). Il setificio di Caraglio: Una fabbrica in forma di palazzo tra storia e progetto. In: RONCHETTA, Chiara & TRISCIUOGLIO, Marco (a cura di). Progettare per il patrimonio industriale. Ed. Celid, Torino, pp. 44-47.

CORDERO, Mario & DESSI, Lucia. La Seta n°03, 2006.

EUROPEAN COMMUNITY (1998-2001). “Raffaello” Program. Musées de la soie en Europe. Archeosilk Project. Catalogue informative.

FRUGONI, Elena & MICHELETTO, Egle (2008). Archittetura e archeologia nel setificio di Caraglio. In: MACHIS, Vittorio (a cura di). Storie di fili di seta. Silvana Editoriale. Milano, pp. 136-145.

LOURIDO, Rui D’Avila de Fontes Alferes (1995). A rota maritima da seda e da prata: Macau – Manila, das origens à 1640. Dissertação de mestrado em Historia dos descobrimentos da expansão Portuguesa. Faculdade de Ciencias Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 327p.

MACEDO, Jorge Borges de (1982). A situação economica no tempo de Pombal, alguns aspectos. Moraes Editores. Lisboa, 190p.

MADUREIRA, Nuno Luis (1997). Mercado e privilégios: A industria portuguesa entre 1750 e 1834 (Historias de Portugal). Editorial Estampa. Lisboa, 514p.

MADUREIRA, Nuno Luis (1997). Mercado e privilégios: A industria portuguesa entre 1750 e 1834 (Historias de Portugal). Editorial Estampa. Lisboa, 514p.

MAIA, Teresa & MASCARENHAS, Ana (2003). A sericultura em Chacim - O Real Filatorio. Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros. Macedo de Cavaleiros 2003, 45p MAIA, Teresa & MASCARENHAS, Ana. A sericultura em Chacim – O Real Filatorio. Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros. Macedo de Cavaleiros, 45p.

MASCARENHAS, Ana & MAIA, Teresa (1997). Caminhos da Seda em Trás-os-Montes. Revista n° 01. Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros. Macedo de Cavaleiros, 20p.

MELLANO, Allessandro & TOSELLI, Aurelio (2002). Palazzo e “fabbrica”: il setificio di Caraglio. In: MOLA, Luca; MUELLER, Reinhold & ZANIER, Claudio (a cura di). La seta in Italia dal Medioevo al Seicento. Ed. Marsilio. Venezia, pp. 123-150.

MENDES, José Maria Amado (1995). Trás-os-Montes nos finais do Século XVIII: alguns aspectos económicos-sociais. Segundo um manuscrito de 1976. Fundação Calouste Gulbenkein e junta nacional de investigação Cientifica e Tecnologica, 2ª edição, Lisboa.

PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO DO REAL FILATORIO DE CHACIM. Proponente: Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros. Data:1999/02/26.

TOLAINI , Roberto (1997). Filande, mercato e innovazioni nell'industria serica italiana. Gli Scoti di Pescia (1750-1860). Ed. Leo S. Olschki. Officina dello storico. Firenze, 479p.

Downloads

Publicado

2011-03-14

Como Citar

BARBOSA, M. M. A valorização do patrimonio da indústria da seda. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 1–18, 2011. DOI: 10.20396/urbana.v3i1.8635124. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635124. Acesso em: 27 jun. 2022.