O pitoresco no mundo industrial: Angelo Bruhns e a vila operaria para a campanha commercio e navegação

Autores

  • Telma de Barros Correia Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v3i1.8635126

Palavras-chave:

Ângelo Bruhns. Vila operária. Pitoresco.

Resumo

Este artigo analisa o projeto elaborado em 1919, pelo arquiteto Ângelo Bruhns, para vila operária da Companhia Commercio e Navegação, em Niterói. Mostra como o projeto se vincula ao tema do pitoresco, articulando um plano vinculado ao urbanismo das Cidades-Jardim com moradias em forma de cottages e chalés. O artigo assinala as qualidades excepcionais do projeto, situando-o na relevante produção de arquitetura e urbanismo de Ângelo Bruhns.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Telma de Barros Correia, Universidade de São Paulo

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Pernambuco (1983), mestre em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (1987), doutora pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (1995) e livre docente pela Universidade de São Paulo (2004). É professora e pesquisadora no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde ministra disciplinas na área de teoria e história da arquitetura e do urbanismo e realiza pesquisas em história do urbanismo, da arquitetura, da habitação e da urbanização no Brasil, com ênfase na história das vilas operárias, núcleos fabris e conjuntos residenciais criados por empresas para seus empregados no Brasil, durante os séculos XIX e XX. 

Referências

Architectos: Cortez &. Bruhns (1926). A Casa, Anno IV, N. 25, maio de 1926, p.14.

Bello Colonial (1925). A Casa, N. 9, janeiro de 1925, p. 18.

BRUHNS, Ângelo (1935). A Casa e o Jardim. Revista da Directoria de Engenharia. Anno IV, N 17, julho de 1935, p. 430-431.

BRUHNS, Angelo (1921). Architectura. Uma grande Villa Operariaem Nictheroy. Architectura no Brasil, V 1, N 2, novembro de 1921. pp:49-55..

BRUHNS, Angelo (1922). Memoria Descriptiva de uma villa operaria que vae ser construída na Ponta da armação, Nictheroy, para a Companhia Commercio e Navegação. Boletim do Instituto de Engenharia. V IV, N 12, 1922. pp. 6-8 e 27-31.

Concurso da A Casa architectos: Cortez &. Bruhns (1925). A Casa, N. 16, agosto de 1925, p. 21.

CORREIA, Telma de Barros (1998). Pedra: plano e cotidiano operário no sertão. Campinas, Papirus.

MIGNOT, Claude (1994). Architecture of the 19th century. Fribourg, Taschen. O Estilo e os Lotes (1932). A Casa, Ano X, N 92, janeiro de 1932, p. 18-19.

Projecto do architecto Ângelo Bruhns (1925). A Casa, N. 9, janeiro de 1925, p.17.

Projeto para uma casa de apartamentos no Leblon (1943). A Casa, Ano XXI, N 228, maio de 1943, p. 20-21.

RAMALHO, Maria Lucia Pinheiro (1989). Da “Beaux-Arts” ao “Bungallow: uma amostragem da arquitetura eclética no Rio de Janeiro e em São Paulo. 282 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

UNWIN, Raymond (1984). La practica del urbanismo. Una introduccion al arte de proyectar ciudades y barrios. Barcelona, Gustavo Gilli.

Downloads

Publicado

2011-03-14

Como Citar

CORREIA, T. de B. O pitoresco no mundo industrial: Angelo Bruhns e a vila operaria para a campanha commercio e navegação. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 1–25, 2011. DOI: 10.20396/urbana.v3i1.8635126. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635126. Acesso em: 27 jun. 2022.