Os saberes e as práticas: dos traité des chemins de fer às oficinas novas (1901-1908) da companhia mogiana em campinas

Autores

  • Rita de Cássia Francisco Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v3i1.8635128

Palavras-chave:

Companhia Mogiana. Oficinas ferroviárias. Carlos William Stevenson.

Resumo

Este trabalho aborda o tema das oficinas ferroviárias, adotando-se como caso de estudo as ―Officinas Companhia Mogyana‖, edificadas (1901-1908) em Campinas (SP) pela Companhia Mogiana de Estradas de Ferro e Navegação, cujas edificações remanescem até os dias de hoje. A discussão proposta desdobra-se, para além da materialidade do conjunto, em questões ligadas à recepção dos modelos internacionais recomendados à época para esse tipo de edificação, bem como no papel de seu idealizador, o engenheiro Carlos William Stevenson, na difusão e reinterpretação desses padrões técnicos e estéticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita de Cássia Francisco, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo (FAUUSP, 2001), especialização em Gestão do Patrimônio Cultural (CECI - UFPE, 2006), mestrado e doutorado em Arquitetura e do Urbanismo (FAUUSP, 2007; 2013). É servidora pública da Prefeitura Municipal de Campinas, onde atua como especialista na Coordenadoria Setorial de Arquivo Municipal, desenvolvendo pesquisas e propostas de políticas públicas para a área.

Referências

BARATA, Mario (1973). Escola Politécnica do Largo São Francisco: berço da engenharia nacional. Rio de Janeiro: Associação dos Antigos Alunos da Escola Politécnica/Clube de Engenharia.

BAXANDALL, Michael (2006). Padrões de intenção: a explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das Letras.

BOURDIEU, Pierre (1996). Gênese histórica de uma estética pura. In. BOURDIEU, Pierre As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras.

CERASOLI, Josiane Francia (1998). A grande cruzada: os engenheiros e as engenharias de poder na Primeira República. Dissertação (Mestrado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

FRANCISCO, Rita de Cássia (2007). As oficinas da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro: arquitetura de um complexo produtivo. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo.

GUINZBURG, Carlo (1994). A micro-história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertand Brasil.

HARDMAN, Francisco Foot (1988). Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras.

LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira (1987). Ecletismo em São Paulo. In FABRIS, Annateresa (org.). Ecletismo na arquitetura brasileira. São Paulo: Nobel/EDUSP, p. 70-100.

LESSA, Simone Narciso (1993). Trem de ferro: cosmopolitismo no sertão. Dissertação (Mestrado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MARTINS, José de Souza (2004). A ferrovia e a modernidade em São Paulo: a gestação do ser dividido. Revista USP, São Paulo, n. 63, p. 6-15, setembro/novembro.

PARDAL, Paulo (1985). Brasil, 1792: início do ensino de engenharia civil e da Escola de Engenharia da UFRJ. Rio de Janeiro: Construtora Norberto Odebrecht. PIAUÍ, Francelino (1973). Campinas bibliográfica. Correio Popular. Campinas/SP, 01 nov.

POSSAS, Lidia Maria Vianna (2001). Mulheres, trens e trilhos. Bauru: EDUSC.

SALGUEIRO, Heliana Angotti (1997). Le créateur: l’architect José de Magalhães, de l’horizon parisien dês Beaux-Arts à son oeuvre capital. In: SALGUEIRO, Heliana Angotti. La casaque d’arlequin: Belo Horizonte, une capitale éclectique au 19e siècle. Paris: Éd. de l’École des hautes études em sciences sociales, p. 141-267.

SCHWARCZ, Lilia (1993). O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil: 1870-1930. São Paulo: Cia. Das Letras.

SEGNINI, Liliana Rolfsen Petrilli (1982). Ferrovia e ferroviários: uma contribuição para a análise do poder disciplinar na empresa. São Paulo: Editora Autores Associados/Cortez Editora.

TOLEDO, Maria Conceição de Arruda (1997). Resenha histórica e bibliografia de patronos, sócios fundadores e titulares da Academia Campinense de Letras. Campinas: Komedi Editores.

Downloads

Publicado

2011-03-14

Como Citar

FRANCISCO, R. de C. Os saberes e as práticas: dos traité des chemins de fer às oficinas novas (1901-1908) da companhia mogiana em campinas. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 1–17, 2011. DOI: 10.20396/urbana.v3i1.8635128. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635128. Acesso em: 27 jun. 2022.