Tensões e conflitos na instalação de um pátio ferroviário na esplanada silva jardim, Natal/RN (1909/1920)

Autores

  • Wagner do Nascimento Rodrigues Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v3i1.8635129

Palavras-chave:

Parque ferroviário. Retirantes. Trabalhadores.

Resumo

O artigo trata a conturbada trajetória de instalação de um Parque Ferroviário na cidade de Natal/RN. Esse investimento de cunho federal trouxe tensão para inúmeros poderes locais da cidade, fazendo com que esse parque nunca se integrasse completamente ao restante do sistema ferroviário. Esse espaço, planejado para ser a nova porta de entrada da cidade, foi apropriado pelos retirantes e trabalhadores das oficinas do pátio, tornando-se um espaço de sociabilidades desses atores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner do Nascimento Rodrigues, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em História - Licenciatura e Bacharelado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2002) e mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2006). Atualmente é doutorando do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de História Urbana, Patrimônio e Memória atuando principalmente nos seguintes temas: Patrimônio industrial, ferrovias, memória e história da arquitetura e urbanismo. 

Referências

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CASCUDO, Luiz da Câmara. História da Cidade do Natal. 3. ed. Natal: IHG/RN, 1999.

CASCUDO, Luiz da Câmara. História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Achiamé, 1955.

BRANCO SOBRINHO, Castelo Branco Sobrinho; BRANDÃO, José Moreira Brandão. Moreira Brandão. Separata da revista do IHGB. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1959.

FERREIRA, Angela Lúcia, DANTAS, George (orgs.). Surge et ambula: a construção de uma cidade moderna (Natal, 1890-1940). Natal: EDUFRN-Editora da UFRN, 2006.

GERODETTI, João Emilio; CORNEJO, Carlos. As ferrovias do Brasil nos cartões-postais e álbuns de lembranças. São Paulo: Solaris Edições Culturais, 2005.

GONZÁLEZ, Rafael Alcaide. El ferrocarril como elemento estructurador de la morfologia urbana: el caso de Barcelona 1848-1900. In: Scripta Nova-Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Univerdad de Barcelona, v. IX, n. 194 (65). Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-194-65.htm. Acesso em: 1 de agosto de 2005

GREGORIO, Roberto de; BUGNONE, Silvia. Curso electrónico: valorizacion de nuestro patrimonio. Buenos Aires: Fundación Patrimonio Histórico, 28 de octubre al 2 de diciembre de 2005.

HARDMAN, Francisco Foot. Trem-Fantasma: a ferrovia Madeira-Mamoré e a modernidade na selva. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. São Paulo: Ateliê Editorial: Fapesp: Secretaria de Cultura, 1998.

LEPETIT, Bernard, SALGUEIRO, Heliana Angotti (org.). Por uma nova história urbana. São Paulo: EDUSP, 2001.

LYRA, Augusto Tavares de. História do Rio Grande do Norte. 3. ed. Natal: Nordeste Editora Gráfica, 1998.

LYRA, Carlos. Natal através do tempo. Natal: Sebo Vermelho, 2001.

TEIXEIRA, Thaysa Fernandes. Estação da Memória de Natal. Trabalho final de graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco. Prelo, Recife, 2006.

Downloads

Publicado

2011-03-19

Como Citar

RODRIGUES, W. do N. Tensões e conflitos na instalação de um pátio ferroviário na esplanada silva jardim, Natal/RN (1909/1920). URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 1–30, 2011. DOI: 10.20396/urbana.v3i1.8635129. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635129. Acesso em: 27 jun. 2022.