Banner Portal
A imaginação da cidade na história e nas ciências sociais: da leitura institucional às abordagens complexas
PDF

Palavras-chave

Cidade. História urbana. Imagem.

Como Citar

BARROS, José D’Assunção. A imaginação da cidade na história e nas ciências sociais: da leitura institucional às abordagens complexas. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 213–240, 2012. DOI: 10.20396/urbana.v4i1.8635158. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635158. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

Das análises da Cidade de uma perspectiva institucional às análises do fenômeno urbano como complexidade histórico-social, inúmeras foram as contribuições de historiadores e cientistas sociais para a compreensão das questões urbanas no decorrer dos séculos XIX e XX. Este artigo busca discutir a história da reflexão sobre Cidade como uma forma específica de organização social, atentando para a elaboração de uma visão panorâmica que remonta ao surgimento de um pensamento científico mais específico sobre a cidade como forma social desde o século XIX e que, particularmente, adquire especial desenvolvimento no século XX. Em um segundo momento, discute-se o uso das imagens na construção do conhecimento sobre a Cidade, e, em relação a este aspecto, o objetivo do texto é elaborar uma análise dos vários modelos de cidade ao longo da reflexão urbanística do século XX nas Ciências Sociais e Humanas, incluindo a Sociologia, a Antropologia e mais particularmente a História.
https://doi.org/10.20396/urbana.v4i1.8635158
PDF

Referências

ALEXANDER, Christopher. “Une ville n’est pas un arbre” In. Architecture, Mouvement et Continuité, nov., 1967.

ARGAN, Giulio C. A História da Arte como História da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BACHELARD, Gaston. “O Novo Espírito Científico” In Os Pensadores, XXXVIII, São Paulo: Abril Cultural, 1974.

BAHRTHES, Roland. “Semiótica e Urbanismo” In. A Aventura Semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BAUDOUIN, Psychanalyse de Victor Hugo. Genève: Mt-Blanc, 1944.

BRAUDEL, Fernando. “As Cidades” In Civilização Material, Economia e Capitalismo –séculos XV-XVIII. Vol. I. As estruturas do cotidiano. São Paulo: Martins Fontes, 1977. p.439-514.

BOGUE, D. J. The Structure of the Metropolitan Comunity: A Study of Dominance and Subdominance. Michigan, Ann Arbol: 1949.

BURGESS, E. W.; PARK, E.; McKENZIE, R.D. The City. Chicago: University of Chicago Press, 1925.

CASTORIADIS, Cornelius. A Instituição Imaginária da Sociedade, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano: A Arte de Fazer, Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

CHILDE, V. G CHILDE, V. Gordon. “The Urban Revolution” In Town Planning Review. Londres: abril de 1950.

DESOILLE, R. L’Exploration de l’activité subconsciente par la méthode du rêve éveillé. Paris: D’Artrey, 1938.

DICKINSON, R. E. “City and Region” In DICKINSON, ELIA, et alli. Sociologia Urbana. Turim: 1971

DURKHEIM. Émile. La Division du Travail Social. Paris : PUF, 1962.

DUMÉZIL, Georges. Essai de philologie comparative indo-européenne. Les Mythes romains, III. Paris: Gallimard, 1947.

DURAND, Gilbert. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. Lisboa: Presença, 1989.

DURAND, Gilbert. “Les Trois Niveaux de formation du symbolisme”. Cahiers internationaux de symbolisme. Bruxelles: 1973.

DURKHEIM, Émile. A Divisão Social do Trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FEYERABEND, Paul. Contra o Método. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989.

GARNIER, T., Une cité industrielle. Étude pour la construction des villes, Paris : s.ed, 1917.

GEDDES, Patrick. Cidades em Evolução. São Paulo: Papirus, 1994.

GUIRAUD, P. Index du vocabulaire du symbolisme. Paris: Klincksieck, 1953.

HOWARD, Ebenezer. A Peaceful Path to Real Reform. London: 1904.

ISARD, W. “transport development and building cicles” In Quartely Journal of Economicy, 57(1), 90-112, November, 1942.

MARX, Karl e ENGELS, Firedrich. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2000 (original: 1845).

MARX, Karl. Formações Econômicas Pré-Capitalistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986 (5a edição).

MARX, Karl. Para a Crítica da Economia Política (Prefácio). In: Marx (org: J. A. Giannotti, seleção dos textos), São Paulo: Abril Cultural, 1983. p.27-32

LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1994. (The Image of City. Cambridge Mass: MIT Press, 1960).

MERCADAL, J. “Peut-on tirer un enseignement des essais français de modelisation du dévelopment spatial urbain?” [1965] In Revue écononique, XXIII. Paris: 1971.

MUMFORD, Lewis. A Cultura das Cidades. Belo Horizonte: Itatiaia, 1961.

MUMFORD, Lewis. A Cidade na História. São Paulo: Martins Fontes, 1991 (The City in History — its origins, its transformations and its prospects. New York, 1961).

MUSIL, Jiril. Sociologia della città. Milão: F. Angeli, 1970.

NIETZSCHE, Friedrich. “Sobre a verdade e a mentira no sentido extra-moral” [1873] In. Os Pensadores. XXXII, São Paulo: Abril Cultural, 1974.

RIBCZYNSKI, Witold. Vida nas cidades: expectativas urbanas no Novo Mundo. Rio de Janeiro: Record, 1995.

RONCAYOLO, Marcel. "Cidade", In Enciclopedia Einaudi. Região. Lisboa: Imp. Nacional, 1986.

SOROKIN e ZIMMERMAN. Principes of Rural-Urban Continuum. Harvard: Harvard Pres, 1929.

PIGANIOL, A. Essai sur les origines de Rome. Paris: Boccard, 1917.

SITTE, Camillo. Der Städtbau nach seinen kunstlerischen Grundsatzen. Viena: s.ed, 1899.

ULLMANN, Walter. The Individual and the Society in the Middle Ages. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1966.

VILAR, Pierre. Iniciação ao vocabulário de Análise Histórica. Lisboa: Sa da Costa, 1985.

URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.