As favelas na obra de Lima Barreto

Autores

  • Romulo Costa Mattos Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v2i1.8635236

Palavras-chave:

Favelas. Literatura. Imprensa.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o discurso de Lima Barreto sobre as favelas cariocas. O conto “O moleque”, de 1920, é visto como exemplar no sentido da valoração positiva dos moradores das favelas, enquanto as crônicas publicadas na revista Careta, entre aquele ano e 1921, são tratadas como amostras da face mais crítica do intelectual, que censurou os poderes públicos pelas condições de moradia de tais habitantes

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Romulo Costa Mattos, Universidade Federal Fluminense

Bacharel e licenciado (2001) em História pela Universidade Federal Fluminense, mestre (2004) e doutor (2008) em História Social pela mesma instituição. Atualmente é professor do Departamento de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes temas: urbanização e habitação popular, imprensa, música popular brasileira e História do Rio de Janeiro.

Referências

ABREU, Mauricio de Almeida (1997). Evolução urbana do Rio de Janeiro. 3ª edição. Rio de Janeiro: IPLANRIO.

ABREU, Mauricio de Almeida (1994). Reconstruindo uma história esquecida: origem e expansão das favelas no Rio de Janeiro. Espaço & Debates, São Paulo, v.14, n.37.

ALVITO, Marcos (2001). As cores de Acari. Uma favela carioca. Rio de Janeiro: Editora FGV.

ARANTES, Erika Bastos (2005). O porto negro: cultura e trabalho no Rio de Janeiro dos primeiros anos do século XX. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BARROS, Paulo Cezar de. Do Berço Histórico à Zona Periférica do Centro: velhas formas, novos Castelos. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade do Estado Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

BERENSTEIN JACQUES, Paula (1995). As favelas do Rio, os modernistas e a influência de Blaise Cendrars. Revista Interfaces, Ano 1, n.1. Rio de Janeiro: UFRJ/CLA.

BOTELHO, Denílson (2001). Letras militantes: história, política e literatura em Lima Barreto. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BOTELHO, Denílson (2002). A pátria que quisera ter era um mito. O Rio de Janeiro e a militância literária de Lima Barreto. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração.

BRETAS Luiz (1997). A guerra nas ruas: povo e polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

CARONE, Edgard (1978). A República Velha (Instituições e classes sociais). 4ª edição. Rio de Janeiro/ São Paulo: Difel.

CARVALHO, José Murilo de (1987). Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras.

CHALHOUB, Sidney (2001). Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. 2ª edição. Campinas: Editora da Unicamp.

CHALHOUB, Sidney (1990). Visões da Liberdade. Uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras.

CHALHOUB, Sidney (1996). Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras.

COSTA, Branno Hocherman Costa; FREITAS, Francisco Josué Medeiros de (2004). Greves e polícia política nas décadas de 1920 e 1930. In: MATTOS, Marcelo Badaró (coord.). Trabalhadores em greve, polícia em guarda: greves e repressão policial na formação da classe trabalhadora carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto: Faperj.

CRUZ, Maria Cecília Velasco e (2000). Tradições negras na formação de um sindicato: Sociedade de Resistência dos Trabalhadores em Trapiche e Café, Rio de Janeiro, 1905-1930. Afro-Ásia, Salvador, n. 24.

ELIA, Francisco Carlos da Fonseca (1984). A questão habitacional no Rio de Janeiro da Primeira República: 1889-1930. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

ESTEVES, Martha (1989). Meninas perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

ESTEVES, Martha (2002). Civilização. In: VAINFAS, Ronaldo (org.). Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva.

FREITAS, Celi Silva Gomes de (2003). Entre a Vila Quilombo e a Avenida Central: a dupla exterioridade em Lima Barreto. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

GIUMBELLI, Emerson (1997). O cuidado dos mortos: uma história da condenação e legitimação do espiritismo. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (1996). Raízes do Brasil. 26ª edição. São Paulo: Companhia das Letras.

KARASCH, Mary (2000). A vida dos escravos no Rio de Janeiro: 1808 -1850. São Paulo: Companhia das Letras.

KESSEL, Carlos (2001). A vitrine e o espelho: o Rio de Janeiro de Carlos Sampaio. Rio de Janeiro: Secretaria das Culturas, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

LAGO, Luciana Corrêa do (2000). Desigualdades e segregação na metrópole: o Rio de Janeiro em tempo de crise. Rio de Janeiro: Revan: Fase.

LOBO, Eulália Maria Lahmeyer, CARVALHO, Lia Aquino, STANLEY, Myrian (1989). Questão habitacional e movimento operário. Rio de Janeiro: UFRJ.

MATTOS, Marcelo Badaró (1991). Vadios, jogadores, mendigos e bêbados no Rio de Janeiro da virada do século. Dissertação (Mestrado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

MATTOS, Marcelo Badaró (2005). Experiências comuns. Escravizados e livres na formação da classe trabalhadora carioca. Tese de Titularidade – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

MATTOS, Romulo Costa (2004). A “aldeia do mal”: o Morro da Favela e a construção social das favelas durante a Primeira República. Dissertação (Mestrado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

MICELI, Sergio (1979). Intelectuais e Classe Dirigente no Brasil (1920-1945). São Paulo: Difel.

MONTENEGRO, Benjamin (2006). Lima Barreto: escritor, negro e anarquista. In: DOMINICIS, Rafael Borges, AARÃO REIS FILHO, Daniel (org.). História do anarquismo no Brasil (Volume 1). Niterói: EDUFF; Rio de Janeiro: Mauad.

MOTTA, Marly Silva da (1992). A nação faz 100 anos. A questão nacional no centenário da independência. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas – CPDOC.

NEVES, Margarida de Souza, HEIZER, Alda (1991). 5ª edição. A ordem é o progresso: o Brasil de 1870 a 1910. São Paulo: Atual.

RIBEIRO, Gladys Sabina (2002). A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará/ FAPERJ.

RIBEIRO, Luiz Cesar de Queiroz (1997). Dos cortiços aos condomínios fechados. As formas de produção da moradia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: IPPUR, UFRJ: FASE.

ROCHA, Oswaldo Porto (1995). A era das demolições: cidade do Rio de Janeiro: 1870-1920. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração.

SCHWARCZ, Lilia Moritz (1987). Retrato em branco e negro. Jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras.

SCHWARCZ, Lilia Moritz (1993). O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

SEVCENKO, Nicolau (1999). Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 4ª edição. São Paulo: Brasiliense.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu estático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SILVA, Lucia Helena Pereira da (1995). Engenheiros, arquitetos e urbanistas: a história da elite burocrática na cidade do Rio de Janeiro, 1920-1943. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SOARES, Carlos Eugenio Líbano (2001). A capoeira escrava e outras instituições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas: Ed. da Unicamp.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano (2001b). Comércio, nação e gênero: as negras minas quitandeiras no Rio de Janeiro. 1895-1900. In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da, MATTOS, Hebe Maria, FRAGOSO, João (org.) Escritos sobre História e Educação: homenagem à Maria Yedda Leite Linhares. Rio de Janeiro: MAUAD/ FAPERJ.

SOIHET, Rachel (1989). Condição feminina e formas de violência. Mulheres pobres e ordem urbana 1890 - 1920. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

STUCKENBRUCK, Denise (1996). O Rio de Janeiro em questão: o Plano Agache e o ideário reformista dos anos 1920. Rio de Janeiro: Observatório de Políticas Urbanas: IPPUR: FASE.

VALLADARES, Licia (2000). A Gênese da Favela Carioca. A produção anterior às Ciências Sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 15, n. 44.

VAZ, Lilian Fessler (1986). Notas sobre o Cabeça de Porco. Revista do Rio de Janeiro, Niterói, vol. 1, n. 2.

VELLOSO, Monica Pimenta (1996). Modernismo no Rio de Janeiro: turunas e quixotes. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.

ZALUAR, Alba, ALVITO, Marcos (1998). Introdução. In: ZALUAR, Alba, ALVITO, Marcos (orgs). Um Século de Favela. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.

ZYLBERBERG, Sonia (1992). Morro da Providência: memórias da “favella”. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural.

Downloads

Publicado

2013-04-04

Como Citar

MATTOS, R. C. As favelas na obra de Lima Barreto. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 1–27, 2013. DOI: 10.20396/urbana.v2i1.8635236. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635236. Acesso em: 2 dez. 2021.