Metáforas visuais da cidade

Autores

  • Zita Rosanne Possamai Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v2i1.8635242

Palavras-chave:

Cidade. Museu. Metáfora. Memória. Coleção.

Resumo

Selva, máquina, labirinto, organismo, Babilônia foram algumas metáforas utilizadas por diferentes autores para descrever as cidades. Neste texto procuro verificar a possibilidade de apreender a cidade a partir deste instrumento de visão que se constituem as metáforas. Proponho, ainda, a metáfora do museu como forma de problematizar a cidade, verificando as aproximações e os afastamentos que ambos possibilitam. Não desejo de forma alguma reduzir a complexidade do espaço urbano à experiência do museu ou vice-versa, mas sim ver em que medida a figura do museu pode possibilitar melhor ver a cidade, principalmente nos aspectos relacionados ao seu passado e a sua memória, temas que são caros ao museu

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zita Rosanne Possamai, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-doutoramento na Universidade Paris 3 Sorbonne Nouvelle (2014), com o projeto de pesquisa Museu e Fotografia: estudo sobre os museus de educação na França, séculos XIX e XX. Licenciada (1991), Bacharel (1992), Mestre (1998) e Doutora (2005) em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, exercendo suas atividades no Curso de Museologia, do qual é coordenadora, da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicaçao, e no Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação. Bolsista Produtividade do CNPq. Líder no CNPq do Grupo de Estudos em Memória, Patrimônio e Museus (GEMMUS). Tem experiência na área de História, Museologia e Educação, com ênfase em investigação histórica e gestão do patrimônio cultural urbano e museus. Autora e organizadora de artigos e livros sobre História de Porto Alegre, memória, patrimônio, museu. Sua dissertação de mestrado teve como temática o museu de cidade e sua tese de doutorado investigou as imagens fotográficas de Porto Alegre. Membro do Conselho Internacional de Museus, do qual foi secretária do comitê brasileiro, e da Associação Nacional de História, da qual foi presidente da seção RS, coordenadora dos GT Acervos e GT história, imagem e Cultura visual. É coordenadora do GT Nacional História e Patrimônio Cultural da ANPUH. Vem atuando principalmente nos seguintes temas: memória, história, cidade, patrimônio, museu, educação em museus, história da educação nos museus, história dos museus, cultura visual e fotografia .Foi servidora da Prefeitura de Porto Alegre (1987-2006), onde atuou como pesquisadora na Assessoria de Estudos e Pesquisas (1989-1993); foi membro da Comissão de Restauração do Mercado Público de Porto Alegre (1991-1993); Diretora do Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo (1993-1999); Coordenadora da Memória Cultural (1999-2001); membro do Conselho do Patrimônio Histórico-Cultural de Porto Alegre (1999-2001); membro da Unidade Executora do Projeto Monumenta (2001-2005). Foi docente em vários cursos de pós-graduação lato sensu nas áreas de Patrimônio Cultural e Museologia. Foi docente do Centro Universitário Metodista IPA (2000-2006), onde atuou como Coordenadora do Curso de História; Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Direitos Humanos e Educação; Coordenadora do Museu IPA. 

Referências

BANN, Stephen. (1994). As invenções da história: ensaios sobre a representação do passado. São Paulo: Editora UNESP.

BENJAMIN, Walter. (1989). Mode. In: Paris, capitale du XIXe siècle. Le livre des passages. Paris: CERF.

BENJAMIN, Walter. (1985). A Paris do Segundo Império em Baudelaire. In: KOTHE, Flávio (org.). Walter Benjamin. Sociologia. São Paulo: Ática.

CALVINO, Ítalo. (1984). The gods of the city. Monumentality and the city. Cambridge. The Harvard Architectural Review IV.

CERTEAU, Michel de. (1994). Andando na cidade. Revista do patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 23.

CHOAY, Françoise. (1996). L’Allégorie du patrimoine. Paris: Seuil.

ENGELS, Friedrich. (1975). A situação da classe trabalhadora em Inglaterra. Porto: Afrontamento. P. 55-111: as grandes cidades.

GOURARIER, Zeev. (1984). Le musée entre le monde des morts et celui des vivants. Ethnologie Française, t. 14, n. 1, p. 67-76, janv./mars.

HALL, Peter. (1995). Cidades do amanhã. São Paulo: Perspectiva. P. 17-53: A cidade da noite apavorante. Reações à cidade encortiçada do século XIX. Londres, Paris, Berlim, Nova York (1880-1900).

JUNOD, Philippe. (1987). Babylon-sur-Tamise: Londres vue par Gustave Doré. In: RÉDA, Jacques et alii. La ville inquiete. Paris: Gallimard.

PERROT, Michelle. (1988). Os excluídos da história: operários, mulheres, prisioneiros. Rio de Janeiro; Paz e Terra.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. (1999). O imaginário da cidade: visões literárias do urbano, Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS.

POE, Edgar Allan. 1968. Histórias Extraordinárias. São Paulo: Cultrix, 1968. 235-243: O homem da multidão.

RICOEUR, Paul. (1998). Arquiteture et narrativité. In: Urbanisme, Paris, n. 303, nov./déc.

ROUANET, Paulo S.; PEIXOTO, Nelson Brissac. (1992). É a cidade que habita os homens ou são eles que moram nela? Revista da USP/Dossiê Walter Benjamin, n. 15, set. out. nov.

SCHAER, Roland. (1993). L’invention des musées. Paris: Gallimard/Réunion des Musées Nationaux.

SCHORSKE, Carl. (1989). A cidade segundo o pensamento europeu: de Voltaire a Spengler. Espaço & Debates, ano IX, n. 27, p. 47-57.

SENNETT, Richard. (1991). La consciencia del ojo. Barcelona: Versal. P. 151-184: Exposición; 185-206: Calles repletas de vida; 207-246: Lugares repletos de tiempo.

Downloads

Publicado

2013-04-09

Como Citar

POSSAMAI, Z. R. Metáforas visuais da cidade. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 1–11, 2013. DOI: 10.20396/urbana.v2i1.8635242. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635242. Acesso em: 7 dez. 2021.