História urbana. A configuração de um campo conceitual

Amilcar Torrão Filho

Resumo


Ao definir o espaço de constituição do capitalismo e da modernidade, Fernand Braudel, em seu clássico Civilização Material, Economia e Capitalismo, não hesita em afirmar a cidade como o lócus de construção histórica desta modernidade. As cidades são, para este autor, como transformadores elétricos: elas aumentam as tensões, precipitam as trocas, removem a vida dos homens. São nascidas da mais revolucionária divisão do trabalho: campo de um lado, atividades urbanas do outro. A cidade é cesura, ruptura, destino do mundo. Ao surgir com a escritura ela abre as portas para a história; quando renasce na Europa no séc. XI a ascensão do continente começa, quando ela floresce na Itália, é o Renascimento. Tão importante quanto seu conceito de longa duração, muitas vezes referenciado entre historiadores e cientistas sociais, Braudel ao dar tamanha importância ao espaço e à cidade também pensou num conceito que desse conta da dinâmica que envolve a cidade e a história, a pouco citada longa dimensão. A vida da cidade está associada a um espaço de longa dimensão, de onde vêm seus homens, onde estão suas relações comerciais, cidades, vilas e mercados que aceitam os seus pesos e medidas ou suas moedas, ou que falam a sua língua dialetal (s.d.: 560-1). De onde ela imperiosa, imperial e imperativamente tira seu sustento, sua mão-de-obra, seu exército industrial de reserva, seu poder. “No Ocidente, capitalismo e cidades, no fundo, são a mesma coisa”, afirma o historiador francês (s.d.: 586).


Palavras-chave


Editorial - História urbana

Texto completo:

PDF

Referências


BRAUDEL, Fernand. Civilisation matérielle, économie et capitalisme. XVe-XVIIIe siècle. V. 1. Les structures du quotidien: le possible et l’impossible. Paris: Armand Colin, s.d.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. Metrópoles: as faces do monstro urbano (as cidades no século XIX). Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH. 5(8/9): 35-68, set./abr., 1984-1985.

CALDEIRA, Tereza Pires do Rio. Cidade de muros. Crime, segregação e cidadania em São Paulo. Trad. port. 2. ed. São Paulo: Edusp, 34, 2003.

CALVINO, Italo, As cidades invisíveis. Trad. port. Diogo Mainardi. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CERTEAU, Michel de. L’invention du quotidien, v. 1, Arts de Faire. Paris: Gallimard, 1990.

CHOAY, Françoise. O Reino do Urbano e a Morte da Cidade. Projeto História. Trad. port. Eveline Bouteiller Kavakama. São Paulo: Educ, 18: 67-89, maio, 1999.

LEPETIT, Bernard. Tentons l’expérience. Annales ESC. Paris, 6: 1317-1323, nov./dec., 1989.

LEPETIT, Bernard. Por uma nova história urbana. Org. Heliana Angotti Salgueiro. Trad. port. Cely Arena. São Paulo: Edusp, 2001.

ROSSI, Aldo. A Arquitetura da Cidade. Trad. port. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SENNET, Richard. Carne e Pedra. O Corpo e a Cidade na Civilização Ocidental. 4. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SOJA, Edward. Postmetropolis. Critical Studies of Cities and Regions. Oxford, UK: Blackwell, 2000, pp. 233-321.

VIRILIO, Paul. O Espaço Crítico e as Perspectivas do Tempo Real. Trad. port. São Paulo: 34, 2005.

WEBER, Melvin. La Era Postciudad. In: VV. AA. Lo Urbano en 20 Autores Contemporáneos. Barcelona: ETSAB, UPC, 2004, pp. 13-23.




DOI: https://doi.org/10.20396/urbana.v7i1.8642546

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2015 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

(c) Urbana: Rev. Eletrônica Cent. Interdiscip. Estud. Cid., Campinas (SP) - ISSN 1982-0569.