Interdisciplinaridade – transdisciplinaridade nos estudos urbanos

  • Maria Stella Martins Bresciani Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Interdisciplinaridade. Transdisciplinaridade. Urbanização/Urbanismo. Metrópoles/megalópoles. Segregação. Periferia.

Resumo

Este artigo tem por objetivo propor um debate sobre as possíveis leituras das cidades contemporâneas, em particular, o modo como se estruturam as críticas às gigantescas metrópoles, as megalópoles. A capital paulista foi o ponto de partida que ensejou uma reflexão sobre a persistência de noções do campo conceitual do urbanismo formuladas no decorrer do século XIX e início do século XX. Nos dias atuais merecem a atenção da mídia televisiva e escrita os congestionamentos quilométricos e a violência em várias formas, projetos de revitalização de áreas frente a resistência de moradores e parte dos profissionais da área de arquitetura e urbanismo, a ocupação de áreas de risco e de proteção ambiental. Destaca-se a heterogeneidade dos bairros, a polarização que segrega a população pobre nas zonas das margens do território urbanizado, as denominadas periféricas, e nos enclaves de favelas e cortiços intraurbanos, a fragmentação estilística da arquitetura, a ausência de marcos simbólicos dotados de significado coletivo. Nossa intenção foi acompanhar os caminhos de algumas propostas e execução de intervenções em cidades europeias e nelas surpreender as noções que em sua formação receberam aportes da medicina e da engenharia, mas também dos filantropos, filósofos e até de biólogos, como Patrick Geddes, e expor a rede transdisciplinar que constituiu o campo do urbanismo. E mais, sugerir sua permanência ainda nos dias de hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Stella Martins Bresciani, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1970) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1976). Professor Titular pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Aposentada (2009) e atualmente Professor Emérito Colaborador na mesma instituição. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Política e Urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: pensamento político e urbanístico, cidade, cidadania, história urbana e historiografia.

Referências

ARENAS, Luis. Fantasmas de la vida moderna. Ampliaciones y quiebras del sujeto en ciudad contemporánea Madri: Editorial Trotta. 2011.

ARGAN, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes. 1993.

BAUMEISTER, Reinhard. L’espansione urbana nei suoi aspetti tecnici, legislative ed economici, berlim (1876). In Piccinato, Giorgio. La costruzione dell’urbanistica. Germania 1871-1914. Roma: Officina Edizioni. p. 187-256. 1974.

BEGUIN, François. As maquinarias inglesas do conforto. Espaços e Debates. São Paulo, n. 34, p. 39-54.1991.

BENTHAM, Jeremy. Panopticon; or The Inspection-House. In: Bozovic, Miran (Ed.). The Panopticon Writings. Londres/Nova York: Verso. p. 29-95. 1995 [ed. original de 1787].

BEYLER, Jean-Noël. L’Architecture au 19e siècle. Beaux Arts Magazine, Paris, Publications Nuit et jours. 1992.

BLAIS, Marie-Claude. La solidarité. Histoire d’une idée. Paris: Gallimard. 2007.

BOYER, Christine. The City of Collective Memory. Its Historical Imagery and Architectural Entertainments. Cambridge/Massachusetts/Londres: MIT Press. 1966.

BRESCIANI, Maria Stella. Cidade e território: os desafios da contemporaneidade numa perspectiva Histórica. In: Pontual, Virginia e Loretto; Piccolo, Rosane (Org.). Cidade, Território e Urbanismo. Um campo conceitual em construção. Recife: CECI. p. 119-140. 2009.

BRESCIANI, Maria Stella. Londres e Paris no século XIX: espetáculo da pobreza. São Paulo: Brasiliense. 1982.

BUSQUETS, Joan. Barcelona: la construcción de uma ciudad compacta. Barcelona: Serbal. 2004.

CALABI, Donatella. Storia dell’urbanistica europea. Questioni, strumenti, casi esemplari, Turim: Paravia Bruno Mondadori Editori. 2000.

CALABI, Donatella. Marcel Poëte et le Paris des années vingt : aux origines de l’histoire de villes, Paris-Canada : L’Harmanttan, 1997.

CARS, Jean des; Pinon, Pierre. Paris-Haussmann. Paris: Éditions Du Pavillon de l’Arsenal/Picard Éditeur. 1991.

CERDA, Ildefonso. La théorie générale de l’Urbanisation. Paris: Seuil. 1979.

CHADYCH, Danielle; Leborgne, Dominique. Atlas de Paris. Evolution d’un paysage urbain, Paris: Parigramme. 1999.

CHAMBELLAND, Colette (Org.) Le Musée social en son temps. Paris: Presses de l’École Normale Supérieure. 1998.

CHEVALIER, Jacques (Org.) La Solidarité, un sentiment républicain? Paris: PUF. 1992.

CHOAY, Françoise. O Urbanismo. Utopias e Realidade. Uma Antologia. São Paulo: Perspectiva. 1997.

CHOAY, Françoise. A regra e o modelo. Sobre a teoria da arquitetura e do urbanismo. São Paulo: Perspectiva. 1985.

COLLINS, Christiane Crasemann. Werner Hegemann and the Search for Universal Urbanism. Nova York/Londres: W. W. Norton & Company. 2005.

COLLINS, Geroge R.; Crhistiane Crasemann. Camillo Sitte: The Birth of Modern City Planning. Mineola: Dover Publications, Inc. 2006.

DAVIS, Mike. Planets of Slums. Londres/Nova York: Verso. 2006.

ESTAPÉ, Fabián. Vida y obra de Ildefonso Cerdà. Barcelon: Península. 1971.

Dossiê São Paulo, hoje. Estudos Avançados - USP, São Paulo, v. 25, n. 71. Jan.-abr. 2011.

FAIRFIELD, John D. The Mysteries of the Great City. The Politics of Urban Design. 1877-1937. Columbus: Ohio State University Press. 1993.

GRUPO 2C. La Barcelona de Cerdà, Barcelona: Flor Del Viento Ediciones. 2009.

GEDDES, Patrick. Cidades em evolução. Campinas: Papirus. 1994.

CORREIA, Telma de Barros (Org.). Philip Gunn. Debates e proposições em arquitetura, urbanismo e território na era industrial. São Paulo: Fapesp/Annablume. 2009.

HAYWARD, J. E. S. Solidarity: The Social History of An Idea in Nineteenth Century France. International Review of Social History, Cambridge University Press, v. 4, p. 261-284. 1956.

HAYWARD, J. E. S. The Official Social Philosophy of the French Third Republic: Léon Bourgeois and Solidarism. International Review of Social History, Cambridge University Press, v. 6, p. 19-48. 1961.

HIMMELFARB, Gertrude. The Idea of Poverty. England in the Early Industrial Age. New York: Vintage Books Ed. 1985.

HORNE, Janet. Le Musée social. Aux origines de l’État providence. Paris: Belin. 2004.

MAIA, Francisco Prestes. Estudo de um Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo. São Paulo: Companhia Melhoramentos de São Paulo. 1930.

MAIA, Francisco Prestes. Os melhoramentos de São Paulo. São Paulo: Prefeiura Municipal. 1945.

MAIA, Francisco Prestes. São Paulo, Metrópole do Século XX. São Paulo: Empresas de Publicações Associadas. 1942.

MAIA, Francisco Prestes. O Zoneamento Urbano. São Paulo: Sociedade Amigos da Cidade. 1936.

MELLO, Luis de Anhaia. Um Plano Regulador para o Município. Orientação Planológica e a Organização Administrativa. Revista de Engenharia, v. 39, vol. IV. nov. de 1945.

MELLO, Luis de Anhaia. A cidade cellular. Boletim do Instituto de Engenharia, São Paulo, v. XVIII, n. 91. jun. de 1933.

MELLO, Luis de Anhaia. Problemas de Urbanismo. O recreio activo e organisado das cidades modernas. São Paulo: Escolas Profissionaes Salesianas. 1929.

MELLO, Luis de Anhaia. O Governo das Cidades. In: Problemas de urbanismo. Bases para a resolução do problema technico. São Paulo: Escolas Profissionaes Salesianas. 1928.

NOVAES, Washington. A lógica da inércia e a perda do essencial. O Estado de São Paulo, São Paulo, Caderno A, p. 2. 15 jul. 2011.

OBLET, Thierry. Gouverner la ville. Paris: PUF. 2005.

OTTONI, Dacio A. B.; Ebenezer Howard. Cidades-Jardins de amanhã. São Paulo: Hicitec. 1996.

PICCINATO, Giorgio. La costruzione dell’urbanista. Germania 1871-1914. Roma: Officina Edizioni. 1974. [Antologia de escritos de Reinhard Baumeister, Joseph Stübben, Cronelius Gurlitt e Rud Eberstadt aos cuidados de Donatella Calabi].

PIZZA, Antonio; Rovira, Josep (Ed.). M.G.A.T.C.P.A.C. – Una nueva arquitectura para una nueva ciudad/A new architecture for a new city. 1918-1939. Barcelona: Collegi d’Arquitectes de Catalunya. 2006.

PUIG, Arturo Soria y. Cerda. The Five Bases of the General Theory of Urbanization. Barcelona: Electa. 1999.

REIS, Nestor Goulart. Notas sobre Urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes. 2006.

RIBEIRO, Wagner Costa. Oferta e estresse hídrico na Região Metropolitana de São Paulo. Estudos Avançados – USP, São Paulo, v. 25, n. 71, p. 119-133. jan.-abr. 2011.

ROCHARD, Jules. Encyclopédie d’Hygiène et de Médicine Publique. Paris: Lecrosnier et Babè, Libraires-Éditeurs. 1891.

ROLNIK, Raquel e Klintowitz, Danielle. (I)Mobilidade na cidade de São Paulo. Estudos Avançados – USP, v. 25, n. 71, p. 89-108. jan.-abr. 2011.

ROSSETTI, Carolina; Marsiglia, Ivan. Horizontes Urbanos. Os dilemas e os rumos da metrópole que potencializa os problemas das principais cidades brasileiras. O Estado de São Paulo, São Paulo. Caderno Aliás, p. J4-J5.19 jun. 2011.

SECCHI, Bernardo. Primeira lição de urbanismo. São Paulo: Perspeciva. 2006 [edição italiana Roma-Bari: Gius.Laterza & Figli. 2000].

SECCHI, Bernardo. La città del ventesimo secolo. Roma-Bari: Gius.Laterza & Figli. 2005, 2006.

Schorske, E. Carl. De Vienne et d’ailleurs. Figures culturelles de la modernité. Paris: Fayard. 2000.

Schorske, E. Carl. Viena fin-de siècle. Política e Cultura, São Paulo: Companhia das Letras. 1988.

SITTE, Camillo. City Planning according to artistic principles. A contribution to the solution of modern problems of Architecture and Monumental Sculpture especially with regard to the City of Vienna. Vienna: Verlag von Carl Graeser, 1889 (traduzido do alemão para o inglês por George R. Collins e Christiane Crasemann Collins, Mineola/Nova York: Dover Publications Inc. 1986).

STÜBBEN, Joseph. L’urbanistica, manual d’architettura, Darmstadt, 1890. In : Piccinato, Giorgio. La costruzione dell’urbanistica. Germania 1871-1914. Roma: Officina Edizione. p. 257-370. 1974.

TOPALOV, Christian (Org.). Laboratoires du nouveau siècle. La nébuleuse réformatrice et ses réseaux en France, 1880-1914. Paris: École des Hautes Études en Sciences Sociales. 1999.

TYRWHITT, Jaqueline. Introdução a Patrick Geddes. Cidades em Evolução. Campinas: Papirus. 1994.

VERCELLONI, Virgilio. La Cité idéale en Occident. Paris: Philippe Lebaud. 1996.

VITRUVIUS (versão em inglês Hicky Morgan). The ten books on Architecture. Nova York: Dover Publications, Inc., 1960.

WAGNER, Otto. Esquises – Projets – Constructions. Liège/Burxelas: Pierre Madraga Editeur. 1987.

WELTER, Volker M. Biopolis. Patrick Geddes and the City of Life. Cambridge-Londres: The MIT Press. 2002.

WIECZORECK, Daniel. Camillo Sitte et les débuts de l’urbanisme moderne. Burxelas-Liège: Pierre Madraga ed. 1981.

ZUCCONI, Guido (Org.) Camillo Sitte e i suoi interpreti. Milão: Franco Angeli. 1992.

Publicado
2015-12-23
Como Citar
Bresciani, M. S. M. (2015). Interdisciplinaridade – transdisciplinaridade nos estudos urbanos. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 7(1), 10-62. https://doi.org/10.20396/urbana.v7i1.8642547