Mulheres na rua: apontamentos sobre a dimensão política do corpo feminino no espaço público

Palavras-chave: Espaço público. Errância. Mulher.

Resumo

Nossa proposição busca desvelar a questão de ser mulher e pesquisadora no espaço público, seja ele a rua, seja ele o espaço de visibilidade acadêmica. A partir do nosso deslocamento para a cidade de Salvador, para cursarmos o doutorado na UFBA, muitos questionamentos passaram a atravessar nosso cotidiano, transformando nossa relação e posicionamento crítico diante da questão de ser mulher. Por meio do encontro com as perspectivas de enunciação pedestre e contaminação afetiva buscamos tensionar o que passamos a entender como mais um dispositivo de pacificação, o machismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milene Migliano, Universidade Federal da Bahia
Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Laboratório Urbano
Maria Isabel Costa Menezes da Rocha, Universidade Federal da Bahia

Laboratório Urbano, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Referências

AGANBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? Outra travessia n° 5. IIha de Santa Catarina, 2005.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas Vol. I – Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1996.

BRITTO, Fabiana; JACQUES, Paola Berenstein. Cenografias e corpografias urbanas: um diálogo sobre as relações entre corpo e cidade. Cadernos PPG-AU UFBA, Salvador, v. 7, número especial, 2008.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2004.

COUTRAS, Jacqueline. Territoires du quotidien et espaces sexués: du voisinage résidentiel aux espaces d’anonymat. In: Revista Strates n.14, 2008. Disponível em: http://strates.revues.org/6737 desde 05 mars 2013. Consultado em 26 de agosto de 2015.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Trad. Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel [1979]. Microfísica do Poder. [Organização e tradução de Roberto Machado]. Rio de Janeiro|São Paulo: Edição Paz & Terra, 2014.

GUATTARI, Félix [1992]. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2012.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA; 2012.

LAGRAVE, Rose Marie. Se ressaisir. Revista Genre, sexualité & société, n.4, 2010. Disponível em: http://gss.revues.org/1534 desde 5 de décembre de 2010. Consultado em 26 de agosto de 2015.

MONNET, Nadja. Flanâncias femininas e etnografia. Revista Dobra, n. 11, p. 218-234. Salvador: Edufba, 2013. Disponível em: http://www.redobra.ufba.br/?page_id=109 Consultado em 26 de agosto de 2015.

RANCIÈRE, Jacques O desentendimento: Política e Filosofia. Trad. Ângela Leite Lopes. São Paulo: Ed. 34, 1996.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Nós temos hoje uma espécie de contenção do imaginário político. Entrevista. Revista Marimbondo, v.01, 2011. Disponível em www.revistamarimbondo.com.br.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Sociabilidade, hoje: leitura da experiência urbana. CADERNO CRH, v. 18, n. 45, p. 411-422, Salvador, Set./Dez. 2005.

SANTOS, Milton [1996]. A natureza do espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

WEBER, Florence. Journal de terrain, journal de recherche et auto-analyse. Entrevista de Gérad Noirel. In : Genèses, n.2, A la découverte du fait social, p. 138-147, 1990.

WOLLF, Janet. The Invisible Flaneuse: Women and the Literature of Modernity. Revista Theory, Culture & Society, n.2, p. 37-46, 1985.

Publicado
2016-12-05
Como Citar
Migliano, M., & Rocha, M. I. C. M. da. (2016). Mulheres na rua: apontamentos sobre a dimensão política do corpo feminino no espaço público. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 8(1), 60-75. https://doi.org/10.20396/urbana.v8i1.8642598