Entre o sujeito e a cidade: reflexões sobre a experiência do corpo em movimento

  • Ângelica Carvalho Bandeira Universidade Federal de Goiás
  • Érika Cristine Kneib Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Corpo. Caminhar. Cidade.

Resumo

Este artigo investiga a possibilidade ou ideia do caminhar como método ou ferramenta de trabalho no campo urbanístico, uma prática cotidiana que poderia influenciar no modo de projetar em função do sujeito. Como parte de uma pesquisa abrangente em andamento, neste artigo, essa investigação busca repertório nas temáticas sobre experiência, corpo e movimento, a partir do pensamento pós-moderno na produção dos autores Tschumi, Agrest, Sennet, Careri e Jacques, que percorrem o século XX ao século XXI. A pretensão central e inicial consiste para tanto, em elaborar argumentos ou reflexões para direcionar outros modos de apreender, de fazer e de pensar a cidade contemporânea brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângelica Carvalho Bandeira, Universidade Federal de Goiás
Mestranda do Programa de Pós - graduação Projeto e Cidade, área de concentração Projeto, Teoria, História e
Crítica, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, Arquitetura e Urbanismo. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Goiás (2013).
Érika Cristine Kneib, Universidade Federal de Goiás
Arquiteta Urbanista, Mestre e Doutora em Transportes. Atua como professora adjunta na Universidade Federal de Goiás, nocurso de Arquitetura e Urbanismo e no Programa de Pós Graduação Projeto e Cidade. Desenvolveu pesquisa de pós-doutorado no tema mobilidade urbana, no Instituto Superior Técnico de Lisboa.

Referências

AGREST, Diana (1988). À margem da arquitetura: corpo, lógica e sexo.In: NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 585 -599.

BRITTO, F. D.; JACQUES, P. B. Corpo e cidade coimplicações em processo. Rev. ufmg, Belo Horizonte, v.19, n.1 e 2, jan./dez., 2012, p.142-155.

CARERI, Francesco. Walkscapes: o caminhar como prática estética. Barcelona: Gustavo Gili, 2013a.

CARERI, Francesco. Transurbância + Walkscapestenyears later.Tradução de: Federico Bonaldo. Redobra, n. 11, ano 4, 2013b, p. 235-247.

CULLEN, G. Paisagem urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GOUVÊA, Patrícia. Exercícios Lúdicos. 2005. Disponível em: http://patriciagouvea.com/Exercicios-Ludicos. Acesso em: Julho de 2015.

JACQUES, Paola Berenstein. Errâncias Urbanas: a arte de andar pela cidade. Arqtexto 7, 2005, p. 16-25.

JACQUES, Paola Berenstein. Microresistências urbanas: por um urbanismo incorporado. In: MARCOS, L. Rosa. Micro Planejamento: Práticas Urbanas Criativas.São Paulo: Editora de Cultura, 2011, p. 162-172.

LYNCH, K. A imagem da cidade. Tradução de: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

L., Luis Eduardo Bresciani; CORRADA, Manuel. Rotanda Quilín em um sábado, el médio día de um día despejado. 2000. Revista Arqediciones 52. Santiago do Chile, 2002.

SENNETT, Richard. Carne e a pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Tradução de Marcos Aarão Reis. Rio de Janeiro: Record, 1997.

TSCHUMI, Bernard (1977). O Prazer da Arquitetura. In: NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 575-584.

TSCHUMI, Bernard (1980-1a). Arquitetura e limites 2.In:NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995.São Paulo: Cosac Naify, 2008a, p. 179 – 184.

TSCHUMI, Bernard (1980-1b). Arquitetura e Limite 3. In: NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a Arquitetura: Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify, 2008b, p. 184-188.

Publicado
2016-12-05
Como Citar
Bandeira, Ângelica C., & Kneib, Érika C. (2016). Entre o sujeito e a cidade: reflexões sobre a experiência do corpo em movimento. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 8(1), 46-59. https://doi.org/10.20396/urbana.v8i1.8642599