Controlando os (es)paços femininos: do corpo da mulher materna ao corpo da mulher trabalhadora e higiênica

  • Andrea Cristina Marques Universidade Federal de Campina Grande
Palavras-chave: Espaço feminino. Discursos. Mudanças.

Resumo

O presente artigo objetiva mostrar como o espaço feminino passou por mudanças em seus discursos, analisando de que maneira essas mudanças acontecerem e fizeram parte da vida das mulheres. Como elas foram alvo dessas construções discursivas que as reduzia ao “ser materno” e de que forma esses discursos foram sendo transpassados por outros que as colocava em novos espaços, assim como o da mulher trabalhadora e da nova mãe, a mãe higiênica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Cristina Marques, Universidade Federal de Campina Grande
Graduada em História pela Universidade Estadual da Paraíba _ UEPB e Especialista em História Cultural também pela UEPB. Mestre em História, Cultura e Sociedade pela Universidade Federal de Campina Grande- UFCG.

Referências

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FREIRE, Marta de Luna. Mulheres, mães e médicos. Discurso maternalista em revistas femininas (Rio de Janeiro e São Paulo, década de 1920). Tese de doutorado em História das ciências e da saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. 336 pgs.

FREIRE, Marta de Luna. “Ser mãe é uma ciência”: mulheres, médicos e a construção da maternidade científica na década de 1920. Revista História, ciências, saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 15, junho, 2008.

FREITAS, Patrícia de. Corpos de mulheres em (Re) vista. A representação da menopausa na Revista de Ginecologia e d’ Obstetrícia 1907-1978. Tese de Doutorado em História Cultural. UFSC, Florianópolis. 413 pgs. 2005.

FREITAS, Patrícia de. A mulher é seu útero. A criação da moderna medicina feminina no Brasil. Revista Antíteses, vol. 1, n. 1, jan.- jun. de 2008, pp. 174-187.

MELONI. Elizabeth. A medicalização do corpo feminino. Rio de janeiro: Fiocruz, 2002.

RAGO, Luzia Margareth. Do cabaré ao lar. A utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

RHODEN, Fabíola. Uma ciência da diferença. Sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

RHODEN, Fabíola. A arte de enganar a natureza. Contracepção, aborto e infanticídio no início do século XX. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.

Publicado
2016-12-05
Como Citar
Marques, A. C. (2016). Controlando os (es)paços femininos: do corpo da mulher materna ao corpo da mulher trabalhadora e higiênica. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 8(1), 76-94. https://doi.org/10.20396/urbana.v8i1.8642602