Representações da Rua Treze de Maio em Campinas/SP

  • Melissa Ramos da Silva Oliveira Universidade Anhembi Morumbi
Palavras-chave: Rua Treze de Maio. Campinas. Representações do espaço.

Resumo

Esse artigo tem por objetivo analisar a Rua Treze de Maio em Campinas/SP a partir das representações do espaço coletadas a partir de seus usuários na vida cotidiana. Utilizou-se como metodologia a aplicação de 266 questionários à moradores e usuários do centro de Campinas, pessoas de classe social, idade, profissão, renda, procedências e raça diferentes, com o intuito de observar os usos que a população faz do centro de Campinas, como ele se apropria dele, quais são os referenciais de centro identificados e os seus principais problemas presentes no plano vivido do cotidiano. Nesse sentido, a análise e a discussão dos dados identificaram três categorias que nortearam a leitura da Rua Treze de Maio: um importante referencial da história e da memória campineira, como um centro de consumo popular e ícone da centralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Melissa Ramos da Silva Oliveira, Universidade Anhembi Morumbi

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000), especialização em Patrimônio Arquitetônico: Teoria e Projeto pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, mestrado em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas, na área de patrimônio cultural e refuncionalização urbana, doutorado em Ciências, pelo departamento de Geografia da Universidade Estadual de Campinas na área na área de patrimônio cultural e refuncionalização urbana. Atualmente é professora tempo integral (40 horas) da Universidade Anhembi Morumbi no curso de Arquitetura e Urbanismo. Nessa instituição ministra aulas no ensino superior na área de história, restauro, projeto arquitetônico e desenho, orienta Trabalhos Finais de Graduação e pesquisas de iniciação científica, coordena o TFG ? Trabalho Final de Graduação, além de compor o Núcleo Docente Estruturante. Pela Universidade Anhembi Morumbi participa do grupo de pesquisa Interfaces entre o Urbanismo e o Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental das Cidades e pela Universidade Estadual de Campinas do grupo Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural. Na pós graduação, ministrou aulas no Master em Visual Merchandising para Moda na Universidade Anhembi Morumbi e no curso de Especialização em Design Estratégico na Universidade Estácio de Sá. Organizou o livro Turismo, Patrimônio e Geografia. No Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio (CEUNSP), coordenou em 2010 os Cursos de Arquitetura e Urbanismo e Decoração e Design. Foi bolsista FAPESP e CNPq. Prestou serviços para a CSPC (Coordenadoria Setorial do Patrimônio Cultural de Campinas). 

Referências

ARANTES, Antônio Augusto (2000). Paisagens paulistanas: transformações do espaço público. Campinas: Ed. Unicamp, São Paulo: Imprensa Office. (Coleção Espaço e Poder).

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CAMPINAS – ACIC. http://www.acic.bz/.

BADARÓ, Ricardo de Souza (1996). Campinas: o despontar da modernidade. Campinas: Centro de Memória/UNICAMP. (Coleção Campiniana, n. 7).

BASTOS, Wagner (15 dez. 2008). O centro pulsa forte. Correio Popular, Campinas. Opinião.

CARLOS, Ana Fani A. O Consumo do Espaço (2002). In: CARLOS, Ana Fani A. (org), Novos Caminhos da Geografia. São Paulo: Contexto.

CARPINTEIRO, Antônio Carlos Cabral (1996). Momento de ruptura: as transformações no centro de Campinas na década de cinqüenta. Campinas: Centro de Memória/UNICAMP. (Coleção Campiniana, n. 8).

CORRÊA, Roberto Lobato (1993). O Espaço urbano. 2a ed. São Paulo: Editora Ática.

FERRARA, Lucrecia D’Alessio (2000). Os significados urbanos. São Paulo: EdUSP/FAPESP. (Acadêmica, 31).

GOMES, Paulo Cesar da Costa (2011). Espaços públicos: a cidade em cena (I). A fabricação do filme. O relato de uma aventura. Espaço Aberto, PPGG, UFRJ, v. 1, n. 2, p. 9-22.

GUGLIELMINETTI, Rose (09 set. 2007). 13 de Maio, caótica e democrática: na babel urbana que é a principal artéria do comércio de Campinas, o formigueiro humano reúne gente de todo tipo. Correio Popular, Campinas, Cidades.

HARVEY, David (1989). Condição Pós-Moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Trad. Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. 7.ed. São Paulo: Loyola.

JEUDY, Henri-Pierre (2005). Espelhos das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

KOZEL, Salete (2005). Ressignificando as representações do espaço: as linguagens do cotidiano. In: Encontro de Geógrafos da América Latina, X, 2005, São Paulo. Anais... São Paulo, p. 7283-7296. CD.

LAPA, José Roberto do Amaral (1996). A cidade: os cantos e os antros. Campinas 1850-1900. São Paulo: Edusp.

LEFEBVRE, Henri (1974). La production de l’espace. 15. ed. Paris: Anthropos.

LEFEBVRE, Henri (1976). Espacio e política: el derecho a la ciudad II. Barcelona: Península.

LEFEBVRE, Henri (1991). O direito à cidade. Trad. Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Moraes.

LEFEBVRE, Henri (2004). A revolução urbana. Trad. Sérgio Martins. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

LEITE, Rogério Proença (2004). Contra-usos da cidade: lugares e espaços público na experiência urbana contemporânea. Campinas: EdUNICAMP/ Aracaju:EdUFS.

LIPOVETSKY, Gilles (2007). A felicidade paradoxal. Ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras.

MAGNANI, José Guilherme Cantor (jun. 2002). De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 17, n. 49.

MONTANER, Josep M (2001). Depois do movimento moderno: arquitetura da segunda metade do século XX. Barcelona: Gustavo Gili.

MONTEIRO, Mônica (07 nov. 2008). Área central: reurbanização e requalificação dependerá de ações conjuntas. Prefeitura Municipal de Campinas, Campinas. Notícias.

NIEMEYER, Ana Maria de (1994). Desenhos e mapas na orientação espacial: pesquisa e ensino de antropologia. Textos Didáticos (Campinas), n.12.

NORA, Pierre (dez.1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista Projeto História, São Paulo: PUC-SP, n.10, p.07-28.

SANTOS, Antônio da Costa (2002). Campinas, das Origens ao Futuro: compra e venda de terra e água e um tombamento na primeira sesmaria da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Mato Grosso de Jundiaí (1732-1992). Campinas: UNICAMP.

SANTOS, Milton (2002). A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: EdUSP. (Coleção Milton Santos, 1).

SOLÀ-MORALES, Manuel de. Espaços públicos e espaços coletivos. In: ASSOCIAÇÃO VIVA O CENTRO (2005). Os Centros das Metrópoles: Reflexões e propostas para a cidade democrática do século XXI. São Paulo: Imprensa Oficial/Terceiro Nome/Viva o Centro.

SOUZA, Marcelo Lopes de (2003). ABC do desenvolvimento urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

SPÓSITO, Maria Encarnação Beltrão (1996). Multi(poli)centralidade. Presidente Prudente: FCT/UNESP.

TOURINHO, Andréa de Oliveira (2006). Centro e centralidade: uma questão recente. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino (Orgs.). Geografias das metrópoles. São Paulo: Contexto.

VALDERRAMA, Berna Bruit (2002). Instâncias e Tamanhos do Espaço: Estudo de projeto do centro de Campinas, proposta e crítica. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo), Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

VARGAS, Heliana Comin; CASTILHO, Ana Luisa Howard (2006). Intervenções em centros urbanos: objetivos, estratégias e resultados. Barueri: Manole.

Publicado
2016-01-15
Como Citar
Oliveira, M. R. da S. (2016). Representações da Rua Treze de Maio em Campinas/SP. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 6(2), 70-101. https://doi.org/10.20396/urbana.v6i2.8642617