Expansão urbana, problemas habitacionais e disseminação da tuberculose em Portugal entre meados do século XIX e XX

  • Ismael Cerqueira Vieira Universidade do Porto
Palavras-chave: Políticas de habitação. Tuberculose. Sanitarismo.

Resumo

Este artigo visa discutir preliminarmente os problemas urbanos e habitacionais em Portugal, especialmente das cidades do Porto e Lisboa, decorrentes do crescimento demográfico e industrialização a partir dos finais do século XIX, de forma a perceber o seu impacto no estado sanitário da população. O objectivo do texto é cruzar informações referentes às condições de vida e políticas de habitação de modo a perceber a influência que tiveram na disseminação da tuberculose em Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ismael Cerqueira Vieira, Universidade do Porto

Licenciatura em História (2007), Doutoramento em História (2012), Investigador do CITCEM/FLUP (desde 2009).

Referências

ARAÚJO, António de (1934). Subsídios para o estudo dum plano de luta anti-tuberculosa na cidade do Porto. Boletim de Tisiologia do Sanatório-Hospital Rodrigues Semide, Vol. 1, n.o 1, pp. 37-47.

A TUBERCULOSE em Lisboa (1902). Guerra á tuberculose, Lisboa, Vol. 1, n.o 2.

AZEVEDO, António de (1927). Bairros insalubres. A Medicina Contemporânea (2.a série). Lisboa: Vol. 30, n.o 28, pp. 217-220.

BARBOSA, António Pereira (1906). Da tuberculose no Porto: breve estudo sobre a sua etiologia e prophylaxia. Porto: Typographia da Empreza “Artes & Letras”, Tese Inaugural.

BARROSA, Hernâni (1926). O problema da tuberculose no Pôrto. Portugal Médico, Vol. 10, N.o 6, p. 258-275.

BISSAYA-BARRETO, Fernando (1931). A criança e a profilaxia da tuberculose: preventório de Penacova. A Saúde. Coimbra, Vol. 1, n.o 12, p. 4.

BOMBARDA, Miguel (1903). O bairro de Alfama. A Medicina Contemporânea (2.a série). Lisboa, Vol. 6, n.o 9, pp. 69-70.

BRYDER, Linda (1988). Below the Magic Mountain: A social history of tuberculosis in twentieth-century Britain. Oxford: Clarendon Press.

CASCÃO, Rui (1993). O crescimento demográfico: ritmos e factores. In: MATTOSO, José (dir.). História de Portugal, vol. 5. Lisboa: Círculo de Leitores.

CASCÃO, Rui (2011). Modos de habitar. In: MATTOSO, José (dir.). História da Vida Privada em Portugal: A Época Contemporânea. Lisboa: Círculo de Leitores/Temas e Debates.

CORREIA, Fernando da Silva (1938). Portugal Sanitário: subsídios para o seu estudo. Lisboa: Ministério do Interior/Direcção Geral de Saúde Pública.

DECRETO do Governo n.o 53/1903 (09-03-1903) pp. 45-49. In: Colecção da legislação portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1903.

DECRETO n.o 23052/1933. D.G. 217 (23-09-1933) pp. 233-240. In: Colecção oficial de legislação portuguesa, segundo semestre. Lisboa: Imprensa Nacional, 1941.

FARIA, Raul (1936). Tuberculose, doença social. In: Conferências da Liga Portuguesa de Profilaxia Social, 3.a série. Porto: Imprensa Portuguesa.

FERREIRA, F. A. Gonçalves (1990). História da Saúde e dos serviços de saúde em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

FERREIRA, Maria Augusta de Matos (1947). As alunas da secção perante as “ilhas” do Porto. In: Conferências da Liga Portuguesa de Profilaxia Social, 6.a série. Porto: Imprensa Portuguesa.

FERREIRA, Vítor Matias (1970). Industrialização capitalista e desenvolvimento urbano. Análise Social, Lisboa, Vol. 8, n.o 30-31, pp. 527-537.

GARRETT, António de Almeida (1915). Tuberculose e habitação no Pôrto. In: Anais Scientíficos da Faculdade de Medicina do Pôrto (1913-1914). Porto, Typ. a vapor da “Enciclopédia Portuguesa”, pp. 304-307.

GUEDES, Amilcar José de Miranda (1926). O Estado português e a tuberculose. Lisboa: [s.n.], Tese de doutoramento.

GUEDES, F. Corrêa (1908). Um aspecto da questão social da etiologia da tuberculose. Lisboa: Ateliers Graphicos B. Nogueira, Sucessor, Tese Inaugural.

GUILLAUME, Pierre (1988). Histoire d’un mal, histoire globale: du mythique à l’économique. In: Jean-Pierre Bardet [et al.]. Peurs et terreurs face à la contagion: choléra, tuberculose, syphilis (XIXe – XXe

JORGE, Ricardo (1899). Demographia e Hygiene da Cidade do Porto: Clima, População, Mortalidade. Porto: Serviço Municipal de Saude e Hygiene da Camara do Porto.

LÉON, Pierre (dir.) (1982a). História económica do mundo, vol. 4, tomo I. Lisboa: Sá da Costa Editora.

LÉON, Pierre (dir.) (1982b). História económica do mundo, vol. 4, tomo II. Lisboa: Sá da Costa Editora.

MAGALHÃES, Alfredo de (1907). Tuberculose e miséria no Porto. Porto Médico. Porto, Vol. 4, n.o 1, pp. 10-17.

MARQUES, A. H. de Oliveira (1980). A 1.a República Portuguesa: alguns aspectos estruturais, 3.a ed. Lisboa: Livros Horizonte.

MARQUES, A. H. de Oliveira e RODRIGUES, Luís Nuno (1991). A sociedade e as instituições sociais. In: SERRÃO, Joel e MARQUES, A. H. de Oliveira (dir.). Nova História de Portugal, vol. 11. Lisboa: Editorial Presença.

MATOS, Fátima Loureiro de (1994). Os bairros sociais no espaço urbano do Porto: 1901-1956. Análise Social, Lisboa, Vol. 29, n.o 127, pp. 677-695.

MATTA, José Caeiro da (1909). Habitações populares. Coimbra: Imprensa da Universidade.

MATTOS, Daniel de (1902). Rasgamento de bairros accumulados. A Medicina Moderna. Porto, Vol. 3, n.o 106, pp. 352-353

MENDES, Adelino (1930a). Focos de tuberculose. O Século. Porto, Ano 50, n.o 17.470, pp. 1-2.

MENDES, Adelino (1930b). O que tem feito a Camara do Porto, no que respeita a bairros económicos. O Século, Porto, Ano 50, n.o 17.494, pp. 1-2.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo (2005). As pestes do século XX: tuberculose e Aids no Brasil, uma história comparada. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

NEVES, Cassiano (1926). Mortalidade por tuberculose. Tuberculose: Boletim da Assistência Nacional aos Tuberculosos (3.a série). Lisboa, Vol. 7, n.o 2, p. 73-79.

PEREIRA, Gaspar Martins (2010). As ilhas no percurso das famílias trabalhadoras no Porto em finais do século XIX. Comunicação apresentada no I Encontro do CITCEM: ”Família, espaço e património”, Guimarães, 2010. Disponível em: http://www.ghp.ics.uminho.pt/programa_iencontro.html.

PEREIRA, Nuno Teotónio (1994). Pátios e vilas de Lisboa, 1870-1930: a promoção privada do alojamento operário. Análise Social, Lisboa, Vol. 29, n.o 127, pp. 509-524.

PEREIRA, Raul da Silva (1983). A habitação própria – solução do problema habitacional? Análise Social, Lisboa, Vol. XIX, nos 77-78-79, pp. 737-741.

RAMOS, João (1902). Rasgamento de bairros accumulados. A Medicina Moderna. Porto, Vol. 3, n.o 106, pp. 353-354.

RODRIGUES, Teresa Ferreira (2008). O Século XIX. In: RODGRIGUES, Teresa Ferreira (coord.). História da população portuguesa: das longas permanências à conquista da modernidade. Porto: CEPESE/Edições Afrontamento.

ROSAS, Fernando [et al.] (1994). A “indústria nacional”. In: MATTOSO, José (dir.). História de Portugal, vol. 7. Lisboa, Círculo de Leitores, pp. 61-99.

SECRETARIADO da Propaganda Nacional [s.d.]. Casas económicas. Lisboa: Secretariado da Propaganda Nacional.

SHRYOCK, Richard Harrison (1977). National Tuberculosis Association (1904-1954): A Study of the Voluntary Health Movement in the United States. Nova Iorque: Arno Press.

SILVA, Carlos Nunes (1994). Mercado e políticas públicas em Portugal: a questão da habitação na primeira metade do século XX. Análise Social, Lisboa, Vol. 29, n.o 127, pp. 655-676.

SOLAR, David e VILLALBA, Javier (dir.) (2007). História da Humanidade: O mundo contemporâneo. Lisboa: Círculo de Leitores.

TEIXEIRA, Manuel C. (1992). As estratégias de habitação em Portugal. Análise Social, Lisboa, Vol. 27, n.o 115, pp. 65-89.

TEIXEIRA, Manuel C. (1994). A habitação popular no século XIX – características morfológicas, a transmissão de modelos: as ilhas do Porto e os cortiços do Rio de Janeiro. Análise Social, Lisboa, Vol. 29, n.o 127, pp. 555-579.

VEIGA, Teresa Rodrigues (2004). As realidades demográficas. In: SERRÃO, Joe e MARQUES, A. H. de Oliveira (dir.). Nova História de Portugal, vol. 5, Lisboa: Editorial Presença.

Publicado
2016-01-15
Como Citar
Vieira, I. C. (2016). Expansão urbana, problemas habitacionais e disseminação da tuberculose em Portugal entre meados do século XIX e XX. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 6(2), 102-130. https://doi.org/10.20396/urbana.v6i2.8642618