Maceió nos Jornais: transformações urbanas do riacho Maceió (1947-1949)

  • Carlina Rocha de Almeida Barros Centro Universitário CESMAC
  • Caroline Gonçalves dos Santos Centro Universitário CESMAC
  • Roberta Félix Maia Centro Universitário CESMAC
  • Sibéria Freitas de Carvalho Centro Universitário CESMA
Palavras-chave: Paisagem. Imprensa. Intervenção urbana.

Resumo

Na cidade de Maceió (AL) o riacho Maceió teve presença marcante no início da ocupação urbana, caracterizando-se como elemento de importância paisagística e referencial do lugar. Com a crescente necessidade de expansão da cidade uma drástica mudança ocorreu no final da década de 1940, quando se iniciaram as obras de retificação do riacho afetando sua simbologia e apropriação, e alterando sua relação com o meio urbano. Propõe-se uma reflexão sobre um recorte do espaço urbano de Maceió a PARTIR de transformações que alteraram significativamente o curso do riacho e que foram noticiadas pelos jornais. Para isso foram levantadas reportagens acerca do riacho de 1947 a 1949 no intuito de colaborar no entendimento da mudança simbólica desse elemento natural e de suas relações com a sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlina Rocha de Almeida Barros, Centro Universitário CESMAC
Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Alagoas (1999), Especialista (2000) e Mestre (2005) em Conservação e Restauro de Monumentos e Conjuntos Históricos pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é professora do curso de Arquitetura e Urbanismo no Centro Universitário CESMAC em Maceió, e arquiteta e urbanista efetiva da Prefeitura Municipal de Satuba. Frequentemente tem coordenado projetos de iniciação científica (PSIC/ CESMAC). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História Urbana, Conservação e Restauro, Patrimônio Cultural, Paisagem e Intervenções Arquitetônicas, Urbanas e Paisagísticas.
Caroline Gonçalves dos Santos, Centro Universitário CESMAC
Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Alagoas. Mestre em Desenvolvimento Urbano pelo PROGRAMA de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU/UFPE). Professora Titular II no Centro Universitário CESMAC no curso de Arquitetura e Urbanismo. Atua principalmente nos seguintes temas: assentamentos precários, habitação de interesse social, regularização fundiária, conflitos sociais urbanos, política HABITACIONAL.
Roberta Félix Maia, Centro Universitário CESMAC
Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas (2009). Atualmente é estudante de Arquitetura e Urbanismo no Centro Universitário Cesmac.
Sibéria Freitas de Carvalho, Centro Universitário CESMA
Estudante de Arquitetura e Urbanismo no Centro Universitário Cesmac.

Referências

ANTUNES, Lúcia M. S (org.) (2006). Rios e Paisagens Urbanas em Cidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Editora Viana & Mosley: Editora PROURB.

BRANDÃO, Octávio (2001). Canais e Lagoas. 3a ed. Maceió: EdUFAL. Vol. 1.

CAMPELLO, Maria de Fátima de Mello Barreto (2009). A construção coletiva da imagem de Maceió: cartões-postais 1903/1934. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento Urbano (Tese de doutorado).

CAVALCANTI, Veronica Robalinho (1998). La production de l’espace à Maceió (1800-1930). Tese de doutorado em Desenvolvimento econômico e social. Université de Paris I, Panthéon-Sorbonne.

CHAUÍ, Marilena (2006). Simulacro e Poder: uma análise da mídia. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

DUARTE, Abelardo (1982). As Características histórico-geográficas da cidade de Maceió. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, Maceió: Imprensa Oficial. pp. 13-30.

FERRARE, Josemary. Permanências modernistas na Praça Sinimbú – Maceió: em análise e proposta de preservação. In: Anais 2o Seminário DOCOMOMO N-NE, Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia, Salavador, 2008.

GUERRA, Antonio José Texeira (org.) (2011). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

LINDOSO, Dirceu (2005). Interpretação da Província: estudo da cultura alagoana. 2a Ed. Maceió: EdUfal.

MARROQUIM, Adalberto (1922). Terra das Alagoas. Roma: Editori Maglione & Strini. pp.81-133.

PEDROSA, José Fernando de Maya (1998). Histórias do Velho Jaraguá. Maceió: Editora Talentos.

SANTOS, José Luiz dos (2006). O que é Cultura. São Paulo: Editora Brasiliense.

SANTOS, Milton (2006). A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EdUsp.

SANTOS, Milton (2012). Metamorfoses do Espaço Habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: Edusp.

Publicado
2016-01-15
Como Citar
Barros, C. R. de A., Santos, C. G. dos, Maia, R. F., & Carvalho, S. F. de. (2016). Maceió nos Jornais: transformações urbanas do riacho Maceió (1947-1949). URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 6(2), 198-217. https://doi.org/10.20396/urbana.v6i2.8642621