Banner Portal
Cidade e natureza: as águas relendo uma Belém da belle époque (1870 aos anos iniciais de 1910)
PDF

Palavras-chave

Cidade. Natureza. Usos da água. Belém do Pará (1870-1910).

Como Citar

DIAS, Douglas da Cunha. Cidade e natureza: as águas relendo uma Belém da belle époque (1870 aos anos iniciais de 1910). URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 233–253, 2016. DOI: 10.20396/urbana.v8i2.8642975. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8642975. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

O artigo investigou a articulação entre cidade e natureza considerando os usos d’água na cidade de Belém do Pará durante o período da belle époque. As principais fontes foram jornais da época. Concluiu-se que cidade e natureza, não mais como opostos, compuseram um ideal de vida urbana durante o período evocado.

https://doi.org/10.20396/urbana.v8i2.8642975
PDF

Referências

ALMEIDA, C. M. R. (2010). As águas e a cidade de Belém do Pará: história, natureza e cultura material no século XIX. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em História, São Paulo.

CRUZ, E. (1944). A água de Belém: Sistema de abastêcimento usado na Capital desde os tempos coloniais aos dias hodiernos. Belém, Pará: Revista da Veterinária.

DIAS, D.C. (2014). Quem te margeia conta de ti: educação do corpo na Belém do Grão-Pará (de 1855 à década de 1920). 2014. 484 f. Tese (Doutorado). Programa de pós-graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

DIAS, D. C. & SOARES, C. L. (2014). Entre velas, barcos e braçadas: Belém no espelho das águas (do final do século XIX à década de 1920). Projeto História (PUCSP), v. 49, p. 19-49.

GAGLIARDO, V. C. (2014). Uma Paris dos trópicos?: perspectivas da europeização do Rio de Janeiro oitocentista. São Paulo: Alameda.

JORGE, J. Tietê, o rio que a cidade perdeu: o Tietê em São Paulo 1890-1940. São Paulo: Alameda, 2006.

KOSSOY, B. (2002). Dicionário Histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício de fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles.

PENTEADO, A.R. (1973). O sistema portuário de Belém. Belém: Universidade Federal do Pará. Coleção Amazônica. Série José Veríssimo.

ROCHA, H. H. P. (Org.).(2003). Educação pela higiene: histórias de muitas cruzadas. 1.ed. São Paulo; Campinas: Cortez; Cedes, v. 1.

ROCHE, Daniel. (2000). História das coisas banais: nascimento do consumo nas sociedades do século XVII ao XIX. Rio de Janeiro: Rocco.

SANT’ANNA, D. B. (2007). Cidade das Águas: usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). São Paulo: Editora Senac.

SARGES, M. de N. (2010). Belém: riquezas produzindo a Belle-Époque (1870-1912), 3.a ed. Belém: Paka-Tatu.

SARGES, M. de N. (2002). Memórias do “Velho Intendente” Antonio Lemos (1869-1973). Belém: Paka-Tatu.

SCHWEICKARDT, J. C. (2011). Ciência, Nação e Região: as doenças tropicais e o saneamento no estado do Amazonas, 1890-1930. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

SEVCENKO, N. (1989). Literatura como missão: Tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense.

SILVA, I. P. (2008). Terra das águas: uma história social das águas em Belém, século XIX. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Pará, Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia. Belém.

SMITH, C. (2013). City water, city life: water and the infrastructure of ideas in urbanizzing Philadelphia, Boston and Chicago. Chicago: The University of Chicago Press.

SOARES, C.L. Educação do corpo (verbete). (2014). In GONZALES, F.J.; FENSTERSEIFER, P.E. (orgs.). Dicionário crítico de Educação Física. Ijuí: Editora Unijuí, p.p 219-225.

VIGARELLO, G. (org.). (2008). História do corpo, volume 2. Rio de Janeiro: Vozes.

VIGARELLO, G. (1996). O limpo e o sujo: a higiene do Corpo desde a Idade Média. São Paulo: Martins Fontes.

URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.