Cidade e natureza: as águas relendo uma Belém da belle époque (1870 aos anos iniciais de 1910)

Autores

  • Douglas da Cunha Dias Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v8i2.8642975

Palavras-chave:

Cidade. Natureza. Usos da água. Belém do Pará (1870-1910).

Resumo

O artigo investigou a articulação entre cidade e natureza considerando os usos d’água na cidade de Belém do Pará durante o período da belle époque. As principais fontes foram jornais da época. Concluiu-se que cidade e natureza, não mais como opostos, compuseram um ideal de vida urbana durante o período evocado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas da Cunha Dias, Universidade Federal do Pará

Professor Adjunto IV. Universidade Federal do Pará. Faculdade de Educação Física. Doutor em Educação, UNICAMP.

Referências

ALMEIDA, C. M. R. (2010). As águas e a cidade de Belém do Pará: história, natureza e cultura material no século XIX. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em História, São Paulo.

CRUZ, E. (1944). A água de Belém: Sistema de abastêcimento usado na Capital desde os tempos coloniais aos dias hodiernos. Belém, Pará: Revista da Veterinária.

DIAS, D.C. (2014). Quem te margeia conta de ti: educação do corpo na Belém do Grão-Pará (de 1855 à década de 1920). 2014. 484 f. Tese (Doutorado). Programa de pós-graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

DIAS, D. C. & SOARES, C. L. (2014). Entre velas, barcos e braçadas: Belém no espelho das águas (do final do século XIX à década de 1920). Projeto História (PUCSP), v. 49, p. 19-49.

GAGLIARDO, V. C. (2014). Uma Paris dos trópicos?: perspectivas da europeização do Rio de Janeiro oitocentista. São Paulo: Alameda.

JORGE, J. Tietê, o rio que a cidade perdeu: o Tietê em São Paulo 1890-1940. São Paulo: Alameda, 2006.

KOSSOY, B. (2002). Dicionário Histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício de fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles.

PENTEADO, A.R. (1973). O sistema portuário de Belém. Belém: Universidade Federal do Pará. Coleção Amazônica. Série José Veríssimo.

ROCHA, H. H. P. (Org.).(2003). Educação pela higiene: histórias de muitas cruzadas. 1.ed. São Paulo; Campinas: Cortez; Cedes, v. 1.

ROCHE, Daniel. (2000). História das coisas banais: nascimento do consumo nas sociedades do século XVII ao XIX. Rio de Janeiro: Rocco.

SANT’ANNA, D. B. (2007). Cidade das Águas: usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). São Paulo: Editora Senac.

SARGES, M. de N. (2010). Belém: riquezas produzindo a Belle-Époque (1870-1912), 3.a ed. Belém: Paka-Tatu.

SARGES, M. de N. (2002). Memórias do “Velho Intendente” Antonio Lemos (1869-1973). Belém: Paka-Tatu.

SCHWEICKARDT, J. C. (2011). Ciência, Nação e Região: as doenças tropicais e o saneamento no estado do Amazonas, 1890-1930. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

SEVCENKO, N. (1989). Literatura como missão: Tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense.

SILVA, I. P. (2008). Terra das águas: uma história social das águas em Belém, século XIX. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Pará, Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia. Belém.

SMITH, C. (2013). City water, city life: water and the infrastructure of ideas in urbanizzing Philadelphia, Boston and Chicago. Chicago: The University of Chicago Press.

SOARES, C.L. Educação do corpo (verbete). (2014). In GONZALES, F.J.; FENSTERSEIFER, P.E. (orgs.). Dicionário crítico de Educação Física. Ijuí: Editora Unijuí, p.p 219-225.

VIGARELLO, G. (org.). (2008). História do corpo, volume 2. Rio de Janeiro: Vozes.

VIGARELLO, G. (1996). O limpo e o sujo: a higiene do Corpo desde a Idade Média. São Paulo: Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2016-12-11

Como Citar

DIAS, D. da C. Cidade e natureza: as águas relendo uma Belém da belle époque (1870 aos anos iniciais de 1910). URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 233–253, 2016. DOI: 10.20396/urbana.v8i2.8642975. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8642975. Acesso em: 10 dez. 2022.