As dimensões históricas da urbanidade e suas implicações na vida noturna do Recife, 1970-1990

  • Magna Barros Milfont Universidade Federal de Pernambuco.
  • Circe Maria Gama Monteiro Universidade Federal de Pernambuco
  • David Ricardo Colaço Bezerra Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Urbanidade. Lazer. História.

Resumo

A urbanidade é uma noção histórica construída ao longo do tempo e das reconfigurações das cidades, fundamentada, desde os gregos, no comportamento humano. Assim, há um processo histórico de transformação da urbanidade que se manifesta nas dimensões política, socioeconômica e territorial da sociedade ocidental, todas perpassadas pelas práticas culturais das pessoas. Essa dinâmica histórica da urbanidade pode ser observada na mudança da vida noturna do Recife, resultante do processo de urbanização acelerada no Brasil de 1970. Nesse contexto, iniciam-se os projetos turísticos de âmbito nacional por meio da implantação dos polos culturais nas cidades.  Durante as décadas de 1980 e 1990, a incidência da violência urbana culminou em novas práticas culturais relacionadas ao lazer, modificando a urbanidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magna Barros Milfont, Universidade Federal de Pernambuco.
Historiadora e Doutora em Desenvolvimento Urbano da Universidade Federal de Pernambuco, com Pós-doutorado em Urbanismo .
Circe Maria Gama Monteiro, Universidade Federal de Pernambuco
Professora Titular do de Arquitetura e Urbanismo da UFPE
David Ricardo Colaço Bezerra, Universidade Federal de Pernambuco
Professor doutor do Departamento de Economia da UFPE

Referências

BAUDELAIRE, Charles (1997). Sobre a modernidade: o pintor da vida moderna. São Paulo: Paz e Terra.

BARROS, José D´Assunção (2004). Campo da história, especialidades e abordagens. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

BORREGO, Maria Aparecida de Menezes (2004). Códigos e Práticas: o processo de constituição urbana em Vila Rica colonial (1702-1748). São Paulo: Annablume, Fapesp.

BUKER, Peter (2005). O que é história cultural. Rio de Janeiro: Zahar.

CHARTIER, Roger (1990). A história cultural, entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S. A., DIFEL.

DARNTON, Robert (1989). A boemia literária e revolução, o submundo das letras no antigo regime. São Paulo: Companhia das letras.

DILLARD, Dudley (1989). A Teoria Econômica de John Maynard Keynes. São Paulo: Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais. 6ª Edição.

ELIAS, Norbert (1990). O processo civilizador, Vol.1-2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

FERNANDES, A. T. de C. (1997). Memórias de ofícios: história dos artesãos em São Paulo. São Paulo: Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

FERREIRA, Vera Rita de Mello (2008). Psicologia econômica: como o comportamento econômico influencia nas nossas decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

FONSECA, Maria Cecília Londres (2009). O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

FORTUNA, Carlos (1997). Cidade, Cultura e Globalização: Ensaios de Sociologia. Oeiras, Portugal: Celta Editora.

JAEGER, Werner (2003). Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes.

LE GOFF, Jaques (2003). História e memória. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP.

MADUREIRA, Sevy (1996). Bairro do Recife: a revitalização e o porto seguro da boemia. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife, SEPLAN.

MANKIW, N. Gregoy (2001). Introdução à economia: princípios de micro e macroeconomia. Rio de Janeiro: Campos.

MATOS, Maria Izilda Santos de (2007). A Cidade, à noite e o cronista. São Paulo: EDUSC.

MONTE-MÓR, Roberto Luís de Melo (2006). O que é urbano no mundo contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar. 14p. (texto para discussão; 281).

MOUTINHO, M. C. M.; Mateus Diogo; Primo Judite (Org.) (2007). Desenho urbano, elementos de análise morfológica, v. 1. 128. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

NORA, P (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares, n. 10, dezembro. São Paulo: Tradução de Yara Aun Khoury. Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em história e do Departamento de História da PUC-SP (Projeto História: História e Cultura).

OLIVEIRA, Nilza Aparecida de S (2006). A educação ambiental e a percepção fenomenológica, através de mapas mentais, Volume 16, Jan. a jun. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Disponível em http://WWW.remea.furg.br/.acesso em: 06 Jun.2013.

PECHMAN, R. M (2007). Desconstruindo a cidade: cenários para a nova literatura urbana, n. 20-21, jan.-dez. Rio de Janeiro: Revista Literatura e Experiência Urbana.

PIGOU, A. C. (1944). Teoria e Realidad Economica. Mexico: Fondo de Cultura Economica.

PINHO, Carlos Eduardo Romeiro (2000). Esquina Lafayette: boemia, amores e lamentações na história recifense. Recife: Tese (Dissertação) - Departamento de História da Universidade Federal de Pernambuco.

PINTO, Susana Helena Dias (2012). Economia Noturna e as Dinâmicas Recentes no Centro Histórico da Cidade do Porto. Porto: Dissertação de Mestrado em Economia e Gestão das Cidades, Faculdade de Economia, Universidade do Porto, FEP.

SILVA, S. José da. (2009). Cinema, bares e boates: a construção do gay e de novas sociabilidades entre homens que desejam outros homens no Recife dos anos 70. Fortaleza: Artigo publicado na revista do XXV Simpósio Nacional de História da ANPUH.

SOUZA, José Moreira de (1993). Cidade, momentos e processos: Serro e Diamantina na formação do Norte mineiro no século XIX. São Paulo: ANPOCS/Marco Zero.

THOMPSON, Edward P. (1991). The making of the english working class. Toronto: Penguin Books.

Publicado
2016-12-05
Como Citar
Milfont, M. B., Monteiro, C. M. G., & Bezerra, D. R. C. (2016). As dimensões históricas da urbanidade e suas implicações na vida noturna do Recife, 1970-1990. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 8(1), 163-191. https://doi.org/10.20396/urbana.v8i1.8643118