Notas sobre a cidade de São Paulo e a natureza de seus parques urbanos

  • André Dalben Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: São Paulo. História. Parques urbanos. Parques infantis.

Resumo

O presente artigo aborda, por meio de revisão bibliográfica, a história dos parques urbanos de São Paulo. O recorte temporário adotado pela pesquisa se circunscreve a primeira metade do século XX. O seu objetivo é analisar os diferentes processos históricos que resultaram na criação de parte dos parques urbanos de São Paulo. O artigo encontra-se dividido em três momentos. O primeiro destina-se a análise do papel da iniciativa privada e dos poderes públicos na criação dos primeiros parques paulistanos. O segundo momento se circunscreve ao estudo dos diversos projetos urbanísticos formulados para a cidade de São Paulo entre as décadas de 1920 e 1930. O terceiro momento se delimita na análise das propostas de vinculação dos parques urbanos à equipamentos públicos de recreação e educação ao ar livre.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Dalben, Universidade Estadual de Londrina
Professor Colaborador do Centro de Educação Física e Esportes da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Realizou Pós-Doutorado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, no Departamento de História (2015). É Doutor em Educação, na linha de Educação e História Cultural, pela Universidade Estadual de Campinas (2014), com estágio sanduíche realizado na Université de Montpellier III - Paul Valery (França). Possui Mestrado em Educação Física, na linha Educação Física e Sociedade, pela Universidade Estadual de Campinas (2009).

Referências

ABDANUR, E. Parques infantis de Mário de Andrade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v.36, pp.263-270, 1994.

ABREU, I. R. N. Convênio Escolar: utopia construída. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) Universidade de São Paulo, 2007.

ARASAWA, C. H. A árvore do urbanismo de Luiz de Anhaia Mello. Dissertação (Mestrado em História) Universidade de São Paulo, 1999.

BARBATO JÚNIOR, R. Missionários de uma utopia nacional-popular: os intelectuais e o Departamento de Cultura de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2004.

BARTALINI, V. Parques públicos municipais de São Paulo: a ação da municipalidade no provimento de áreas verdes de recreação. Tese (doutorado em arquitetura) Universidade de São Paulo, 1999.

BITTENCOURT, A. B. Comunhão leiga: o Rotary Club no Brasil. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, 1991.

BLOCH, M. Apologia da história: ou, o ofício de historiador. Rio de Janeiro/RJ: Jorge Zahar Editor, 2001

COSTA, A. T. Ler (n)a cidade: políticas de popularização da leitura em São Paulo (1935-1938). Dissertação (Mestrado em História) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1997.

CRANZ, G. The politics of park design. Cambridge: The Mit Press, 1982.

DALBEN, A. Mais do que energia, uma aventura do corpo: as colônias de férias escolares na América do Sul (1884-1950). Tese (Doutorado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, 2014.

DALBEN, A. Inovações pedagógicas de uma educação do corpo ao ar livre: a Escola de Aplicação ao Ar Livre do Estado de São Paulo. In: VIII Congresso Brasileiro de História da Educação, Maringá, 2015.

DANAILOF, K. Crianças na trama urbana: as práticas corporais nos Parques Infantis da São Paulo dos anos 1930. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, 2006.

DASSIN, J. Política e poesia em Mário de Andrade. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

DIAS, C.; OHTAKE, R. Jardim da luz: um museu a céu aberto. São Paulo: SESC/SENAC, 2011.

DOREA, A. G. R. Aclimação: história dos bairros de São Paulo, v.19. São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura, Departamento do Patrimônio Histórico, 1982.

EMPLASA (São Paulo). Reconstituição da memória estatística da Grande São Paulo. São Paulo: Emplasa, 1980.

ESCOLAS Sete de Setembro.: aulas ao ar livre. Correio Paulistano, 05 de março de 1921, p.4.

FARIA, A. L. G. Direito à Infância: Mário de Andrade e os parques infantis para as crianças de família operária na cidade de São Paulo (1935-1938). Tese (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo, 1994.

FICHER, S. Os arquitetos da Poli: ensino e profissão em São Paulo. São Paulo, EDUSP, 2005.

FONSECA, S. C.; FERREIRA, D. M; PRANDI, M. B. R. O Departamento de Educação Física de São Paulo e a interiorização dos parques infantis: o caso de Ribeirão Preto. História e Cultura, Franca, v.4, n.2, Set. 2015.

GOBBI, M. A. Desenhos de outrora, desenhos de agora: Mário de Andrade colecionador de desenhos e desenhista. São Paulo: Annablume, 2011.

HENRIQUE, W. O direito à natureza na cidade. Salvador: EDUFBA, 2009.

INAUGURA-SE hoje, às 10 horas, o 'playground' do parque D. Pedro II. Diário Nacional. 23 de dezembro de 1930.

JORGE, J. Tietê: o rio que a cidade perdeu, São Paulo 1890-1940. São Paulo: Alameda, 2006

KLIASS, R. G. Parques urbanos de São Paulo. São Paulo: Pini Editora, 1993.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Documentos Ltda, 1969.

MACEDO, S. S.; SAKATA, F. G. Parques urbanos no Brasil. 3.ed. São Paulo: EDUSP, 2010.

MACEDO, S., S. Quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: FAUUSP, 1999.

MAGALHÃES, C. M. O desenho da história no traço da paisagem: patrimônio paisagístico e jardins históricos no Brasil: memória, inventário e salvaguarda. Tese (Doutorado em História) Universidade Estadual de Campinas, 2015.

MAGALHÃES, F. S. Maçonaria e educação: contribuições para o ideário republicano (1889-1930). Tese (Doutorado em Educação) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2013.

MOTT, M. L.; BYINGTON, M. E. B.; ALVES, O. S. F. O gesto que salva: Pérola Byington e a Cruzada Pró-Infância. São Paulo: Grifo Projetos Históricos e Editorias, 2005

NICOLINI. H. Tietê: o rio do esporte. São Paulo: Phorte Editora, 2001.

NIEMEYER, C. A. C. Parques infantis de São Paulo: lazer como expressão de cidadania. São Paulo: Annablume, 2002.

OLIVEIRA, F. L. Modelos urbanísticos modernos e parques urbanos: as relações entre urbanismo e paisagismo em São Paulo na primeira metade do século XX. Tese (doutorado em arquitetura) Universitat Politecnica de Catalunya, 2008.

PARKER, B. Two years in Brazil. The garden cities and town planning magazine, v.9, n.8, Ago, 1919.

RAFFAINI, P. T. Esculpindo a cultura no forma Brasil: o Departamento de Cultura de São Paulo (1935-1938). São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

REIS FILHO, N. G. São Paulo e outras cidades: produção social e degradação dos espaços urbanos. São Paulo: HUCITEC, 1994.

ROCHA, H. H. P. A educação sanitária como profissão feminina. Cadernos Pagu. Campinas, n. 24, p. 69-104, jun. 2005.

SÃO PAULO, Lei n. 2553. Auctoriza a prefeitura a ceder, a titulo gratuito, o uso e goso de um terreno do patrimonio municipal, á avenida agua branca, para a installação e funccionamento do "instituto de cultura physica da infancia". 21 de outubro de 1922.

SANDRONI, C. Mário contra Macunaíma: cultura e política em Mário de Andrade. São Paulo: Vértice, 1988.

SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1996.

SEGAWA, H. Prelúdio da metrópole: arquitetura e urbanismo em São Paulo na passagem do século XIX ao XX. São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.

SEVCENKO, N. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SOARES, C. L. Uma educação pela natureza: a vida ao ar livre, o corpo e a ordem urbana. Campinas: Autores Associados, 2016, no prelo.

TIMÓTEO, J. P. A cidade de São Paulo em "escala humana": Luiz de Anhaia Mello e sua proposta de recreio ativo e organizado. Dissertação (Mestrado em História) Universidade Estadual de Campinas, 2008.

Publicado
2016-12-11
Como Citar
Dalben, A. (2016). Notas sobre a cidade de São Paulo e a natureza de seus parques urbanos. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 8(2), 3-27. https://doi.org/10.20396/urbana.v8i2.8643241