Banner Portal
Ordem e gradil: percepções sobre a flora urbana do Rio de Janeiro
PDF

Palavras-chave

Arborização. Higienização. Biopolítica. Antropologia.

Como Citar

CARVALHO, Rafaela Campos de. Ordem e gradil: percepções sobre a flora urbana do Rio de Janeiro. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 147–167, 2016. DOI: 10.20396/urbana.v8i2.8646379. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8646379. Acesso em: 16 jul. 2024.

Resumo

Nesse artigo busco compreender, através das séries documentais Jardins Públicos e Arborização disponíveis no Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro (AGCRJ), a organização instituída ao meio natural no espaço urbano, entre o final do século XIX e o início do século XX na cidade do Rio de Janeiro. As diferentes percepções sobre as árvores no período serão ponto relevante, pois tanto evidenciavam o projeto de higienização e ocupação urbana do Estado, quanto a resistência da população às restrições do espaço público, e sua defesa de outras formas de relacionar-se com o meio natural.

https://doi.org/10.20396/urbana.v8i2.8646379
PDF

Referências

ABREU, Martha. 1996. O império do divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro, 1830 – 1900. Tese (doutorado). Campinas: UNICAMP.

CHALHOUB, Sidney. 1996. A Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das letras.

CHAZKEL, Amy. 2014. Leis da sorte: O jogo do bicho e a construção da vida pública urbana. Editora Unicamp: Campinas.

CHERNOVIZ, Pedro L. N. 1890. Diccionario de medicina popular. Vol 2. Casa Impressora: Paris.

FARAGE, Nádia. 2011. De ratos e outros homens: resistência biopolítica no Brasil moderno. In: LÉPINE, C.; HOFBAUER, A.; SCHWARCZ, L. (orgs.). 2011. Manuela Carneiro da Cunha: o lugar da cultura e o papel da antropologia. Rio de Janeiro: Pensamento Brasileiro.

FARAGE, Nádia. 2013. No collar, no master: workers and animals in the modernization of Rio de Janeiro. In: Model-House Research Group. (org.). Transcultural modernisms – Publication Series of the Academy of Fine Arts Vienna. 1aed.Viena: Sternberg Press, v. 12, pp. 110-127.

FISCHER, Brodwyn. 2008. A poverty of rights: citizenship and inequality in twentieth-century Rio de Janeiro. Stanford University Press: California.

HEYNEMANN, Cláudia. 1995. Floresta da Tijuca: Natureza e civilização no Rio de Janeiro – século XIX. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1995. Volume 38. Coleção biblioteca carioca.

RODRIGUES, João Barbosa. 1904. A diminuição das aguas no Brazil. Anexo no Tomo IIIA. In: ANDRADE, Ana Maria Ribeiro. (coord.). 2002. A terceira reunião do congresso scientifico Latino-Americano: ciência e política. Brasília: CGEE; Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins.

SANTOS, Núbia M.; NONATO, José A. (orgs). 2000. Era uma vez o Morro do Castelo. Rio de Janeiro: IPHAN.

SEVCENKO, Nicolau. 1984. A revolta da vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Brasiliense.

SEVCENKO, Nicolau. 2003. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na primeira república. São Paulo: Companhia das Letras.

SOIHET, Rachel. 2002. Festa da Penha: resistência e interpenetração cultural (1890-1920). In:

CUNHA, Maria Clementina Pereira (org.). Carnavais e outras f(r)estas. Campinas: Unicamp.

URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.