Os muros falam: a presença e a ausência da cultura escrita na cidade de Lages/SC

Tania Cordova, Maria Teresa Santos Cunha

Resumo


O objetivo deste trabalho é problematizar as escritas da cidade, em especial as escritas ordinárias, que utilizam o muro como suporte. A presença (ou a ausência) das escritas representadas nos grafites e nas pichações contribui para a construção de sentidos de uma identificação urbana que recria a história a partir da perspectiva da memória e da territorialidade. A problematização das escritas (ou a ausência), respaldada pela abordagem da História Cultural, presentes nos muros que compõem o cenário urbano da cidade de Lages, localizada no interior do Estado de Santa Catarina, permitiram perceber um cotidiano permeado por interfaces de práticas discursivas materializadas pelas linguagens (como ações e representações da sociedade) que produzem, reproduzem e transformam as relações de poder e de pertencimento.


Palavras-chave


Escritas da cidade. Identificação urbana. Cultura Escrita.

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPOS, R. Entre as luzes e as sombras da cidade: visibilidade e invisibilidade no graffiti. Etnografica, vol. 13/1, maio de 2009, 145-170. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/etn/v13n1/v13n1a09 . Acesso em: 02 mar. 2015.

CASTILLO GÓMEZ, A. Paredes sin palavras, pueblo callado. ¿Porque la Historía se representa em los muros?. Disponível em: http://dspace.uah.es/dspace/bitstream/handle/10017/6787/Paredes%20Palabras.pdf?sequence=1. Acesso em: 02 mar. 2015.

CERTEAU, M. de. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves, 9. Ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CERTEAU, M. de. A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes, 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. Ed. revista pela nova ortografia. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

DJUKICH de NERY, D.; HERRERA, G. I. El Grafitti como escritura alterna. In: CASTILLO GÓMEZ, A.; SIERRA BLAS, V. (orgs). Mis primeiros passos. Alfabetización, escuela y usos cotidianos de la escritura (siglos XIX e XX). Madrid: Trea Ediciones, 2008, p. 281-299.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Editora Vozes: Petrópolis, 2004.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguês. Tradução de Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

IAPECHINO, M. N. K. Muros da Univer(c)idade: identidade, memória e sócio-história discursiva. Disponível em: http://www.fflch.usp.br/dlcv/enil/pdf/80_Mari_Noeli_KI.pdf. Acesso em: 05 mar. 2015.

LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

PEIXER, Z. I. A cidade e seus tempos: o processo de constituição do espaço urbano em Lages. Lages: Editora da Uniplac, 2002.




DOI: https://doi.org/10.20396/urbana.v7i2.8646386

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2016 URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

(c) Urbana: Rev. Eletrônica Cent. Interdiscip. Estud. Cid., Campinas (SP) - ISSN 1982-0569.