Os muros falam: a presença e a ausência da cultura escrita na cidade de Lages/SC

  • Tania Cordova Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Maria Teresa Santos Cunha Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: Escritas da cidade. Identificação urbana. Cultura Escrita.

Resumo

O objetivo deste trabalho é problematizar as escritas da cidade, em especial as escritas ordinárias, que utilizam o muro como suporte. A presença (ou a ausência) das escritas representadas nos grafites e nas pichações contribui para a construção de sentidos de uma identificação urbana que recria a história a partir da perspectiva da memória e da territorialidade. A problematização das escritas (ou a ausência), respaldada pela abordagem da História Cultural, presentes nos muros que compõem o cenário urbano da cidade de Lages, localizada no interior do Estado de Santa Catarina, permitiram perceber um cotidiano permeado por interfaces de práticas discursivas materializadas pelas linguagens (como ações e representações da sociedade) que produzem, reproduzem e transformam as relações de poder e de pertencimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tania Cordova, Universidade do Estado de Santa Catarina
Doutoranda do Programa de pós graduação em Educação da UDESC. Mestre em Educação pela UFPR.
Maria Teresa Santos Cunha, Universidade do Estado de Santa Catarina
Professora no Programa de Pós Graduação em Educação e no Programa de Pós Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Referências

CAMPOS, R. Entre as luzes e as sombras da cidade: visibilidade e invisibilidade no graffiti. Etnografica, vol. 13/1, maio de 2009, 145-170. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/etn/v13n1/v13n1a09 . Acesso em: 02 mar. 2015.

CASTILLO GÓMEZ, A. Paredes sin palavras, pueblo callado. ¿Porque la Historía se representa em los muros?. Disponível em: http://dspace.uah.es/dspace/bitstream/handle/10017/6787/Paredes%20Palabras.pdf?sequence=1. Acesso em: 02 mar. 2015.

CERTEAU, M. de. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves, 9. Ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CERTEAU, M. de. A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes, 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. Ed. revista pela nova ortografia. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

DJUKICH de NERY, D.; HERRERA, G. I. El Grafitti como escritura alterna. In: CASTILLO GÓMEZ, A.; SIERRA BLAS, V. (orgs). Mis primeiros passos. Alfabetización, escuela y usos cotidianos de la escritura (siglos XIX e XX). Madrid: Trea Ediciones, 2008, p. 281-299.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Editora Vozes: Petrópolis, 2004.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguês. Tradução de Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

IAPECHINO, M. N. K. Muros da Univer(c)idade: identidade, memória e sócio-história discursiva. Disponível em: http://www.fflch.usp.br/dlcv/enil/pdf/80_Mari_Noeli_KI.pdf. Acesso em: 05 mar. 2015.

LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

PEIXER, Z. I. A cidade e seus tempos: o processo de constituição do espaço urbano em Lages. Lages: Editora da Uniplac, 2002.

Publicado
2016-10-31
Como Citar
Cordova, T., & Cunha, M. T. S. (2016). Os muros falam: a presença e a ausência da cultura escrita na cidade de Lages/SC. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 7(2), 120-131. https://doi.org/10.20396/urbana.v7i2.8646386