Entre o progresso e a insalubridade: administração, melhoramentos urbanos e higiene na São Paulo do final do século XIX

Autores

  • Bianca Melzi De Domenicis Lucchesi Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v8i2.8647058

Palavras-chave:

São Paulo. Século XIX. Sanitarismo. Habitação.

Resumo

Devido a uma série de epidemias e situações urbanas que facilitavam o contágio entre a população da cidade de São Paulo, o final do século XIX e começo do XX foi um período de grande desgaste para a saúde pública paulistana. Este estudo pretende mostrar de que forma o poder público, especialistas engenheiros e a população habitante dos cortiços de São Paulo encararam o problema da insalubridade e viveram as modificações urbanas e administrativas que acompanharam este período. A expansão demográfica vivida por São Paulo no auge do café criou a necessidade de mudança não só em um ou dois aspectos da vida urbana. O novo andamento da cidade, agora muito mais populosa e com riscos endêmicos, requer um plano com infraestrutura urbana de água, esgoto, iluminação, pavimentação e outros serviços públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Melzi De Domenicis Lucchesi, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestre em História Social pela PUC-SP com financiamento CNPQ

Referências

ANDRADE, Carlos Roberto Monteiro. A peste e o plano: o urbanismo sanitarista do Engo Saturnino de Brito. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FAU USP, 1992.

ARASAWA, Claudio Hiro. Engenharia e poder: construtores da nova ordem em São Paulo (1890-1940). São Paulo: Alameda, 2008.

BRESCIANI, Maria Stella. Sanitarismo e configuração do espaço urbano. In CORDEIRO, Simone Lucena (org). Os cortiços de Santa Ifigênia: sanitarismo e urbanização (1893). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo / Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2010.

BRESCIANI, Maria Stella. História e Historiografia das cidades, um percurso. In: Historiografia brasileira em perspectiva. Org: FREITAS, Marcos Cezar. São Paulo: Contexto, 2001.

CANO, Jefferson. A cidade dos cortiços – os trabalhadores e o poder públicoem São Paulo no final do século XIX. In Trabalhadores na cidade – cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, século XIX e XX. Org. Elciene Azevedo...[et al]. Campinas: Editora Unicamp, 2009.

CERASOLI, Josianne Francia. Modernização no plural: obras públicas, tensões sociais e cidadania em São Paulo na passagem do século XIX para o XX. Campinas – SP: 2004. (Doutorado em História). p. 53 e 54.

CARPINTÉRO, Marisa Varanda. A construção de um sonho: os engenheiro- arquitetos e a formulação da política habitacional no Brasil São Paulo – 1917/1940. Campinas: Unicamp, 1997.

COSTA, Nílson do Rosário. Lutas urbanas e controle sanitário: origens das políticas de saúde no Brasil. Vozes: Rio de Janeiro, 1985.

RODRIGUES, Jaime. Da “Chaga Oculta” aos dormitórios suburbanos: notas sobre higiene e habitação operária na São Paulo de fins do século XIX. In CORDEIRO, Simone Lucena (org). Os cortiços de Santa Ifigênia: sanitarismo e urbanização (1893). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo / Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2010.

SIMÕES JÚNIOR, José Geraldo. O setor de obras públicas e as origens do urbanismo na cidade de São Paulo. In: Espaço & Debates, nº 34, 1991. p. 71 à 73.

Downloads

Publicado

2016-12-11

Como Citar

LUCCHESI, B. M. D. D. Entre o progresso e a insalubridade: administração, melhoramentos urbanos e higiene na São Paulo do final do século XIX. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 60–69, 2016. DOI: 10.20396/urbana.v8i2.8647058. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8647058. Acesso em: 10 dez. 2022.