Banner Portal
Certidão de nascimento de Maceió
PDF

Palavras-chave

Maceió e Jaraguá. Cartografia histórica. Séculos XVII a XIX. Antonio Jozeph de Lemos.

Como Citar

CAMPELLO, Maria de Fátima de Mello Barreto; FORTES, Cynthia Nunes da Rocha; FERRARE, Josemary Omena Passos. Certidão de nascimento de Maceió. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 420–455, 2017. DOI: 10.20396/urbana.v9i2.8648582. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8648582. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Ao trazer para o centro do trabalho a Planta e explicação daz enciadaz de Iaragôa e Pajusara (cerca de 1757), há poucos anos descoberta, e atribuir a ela o estatuto de certidão de nascimento de Maceió, o que se propõe aqui é construir uma narrativa sobre o surgimento da cidade privilegiando os documentos iconográficos e extraindo deles reflexões sobre a cidade em si e sobre as práticas visuais dos cartógrafos que a desenham. O que se discute é a estruturação do povoado em dois núcleos, um no topo e outro na ribeira, a partir do confronto da planta-certidão de nascimento com outros documentos imagéticos dos séculos XVII, XVIII e XIX. Ao final, busca-se repensar a historiografia sobre esse momento de gênese e fundação de Maceió.

https://doi.org/10.20396/urbana.v9i2.8648582
PDF

Referências

BUENO, Beatriz Piccolotto Siqueira. Desenho e desígnio: O Brasil dos Engenheiros Militares (1500-1822). São Paulo: Edusp, 2011.

CALADO, Frei Manoel. O valeroso lucideno e triunfo da liberdade. Recife: Fundarpe, 1985.

CAMPELLO, Maria de Fátima de M. B.. A gravura “Antiga Matriz de Maceió” e a imagem da Maceió colonial. Revista do Arquivo Público de Alagoas, Maceió, n. 2, 2012.

CAMPELLO, Maria de Fátima de M. B. Sobre a biografia da Planta da Villa de Maceió e a cartografia do engenheiro inglês Carlos de Mornay em Alagoas. In: OLIVEIRA, Francisco Roque de (org.). Cartógrafos para toda a terra: produção e circulação do saber cartográfico ibero-americano: agentes e contextos. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa: Centro de Estudo de História d´Aquém e d´Além-Marda Universidade Nova de Lisboa e da Universidade dos Açores, 2015, 2v. Livro eletrônico.

COELHO, Duarte de Albuquerque. Memórias diárias da guerra do Brasil. Recife: Fundação de Cultura cidade do Recife, 1982.

COSTA, Craveiro. Maceió. Maceió: Sergasa, 1981.

ESPÍNDOLA, Thomaz do Bom-Fim. Geografia alagoana ou descrição física, política e histórica da província das Alagoas. Maceió: Edições Catavento, 2001.

FERRARE, J. O. P. A cidade Marechal Deodoro: do projeto colonizador português à imagem do “lugar colonial”. 2006. Tese(Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura, Universidade do Porto, Porto, 2006.

FERRARE, J. O. P.; FORTES, C. N. R. Entre o porto dos franceses e o porto de Jaraguá: navegar, comercializar e fortificar. In: ARQUITETURA DO MAR, DA TERRA E DO AR: Arquitetura e Urbanismo na Geografia e na Cultura,3, Lisboa. Anais... Lisboa: Academia de Escolas de Arquitetura e Urbanismo de Língua Portuguesa, 2014. p.536-547.

FORTES, Manoel Azevedo. Tratado do modo de fazer as cartas geográficas, assim da terra como do mar... Lisboa: Officina de Pascoal da Sylva, Impressor de Sua Magesrade, 1722.

HERKENHOFF, Paulo. O Brasil e os holandeses, 1630-1654. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999.

LINDOSO, Dirceu (1983). A utopia armada. Rebeliões de pobres nas matas do tombo real. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

LINS, Enio. Maceió, vista de 1757. Gazeta de Alagoas, Maceió, Caderno B, jun. de 2002, p.12.

MARX, Murilo. Cidade brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1980.

MOREIRA, José Mendonça de Mattos. As matas das Alagoas: providências acerca dela e sua descrição. In: ALMEIDA, Luiz Sávio de. (Org.). Mata e Palmares em Alagoas. Arapiraca: Edufal, 2004.

MORENO, Diogo de Campos. Livro que dá rezão ao estado do Brasil, 1616. Lisboa: Edições João Sa da Costa, 1999. Edição facsimilada do Códice da Biblioteca Pública do Porto.

PEDROSA, Maria Carnaúba. De Ouvidor-Geral a Conservador das Matas: Estratégias políticas e econômicas de José Mendonça de Matos Moreira (Comarca das Alagoas, 1779-1798). In: CAETANO, Antonio Filipe Pereira (Org.). Alagoas colonial: construindo economias, tecendo redes de poder e fundando administrações (século XVII-XVIII). Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

SOUZA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. Recife: Massangana, 2000.

URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.