Uma São Paulo dos Kanz, 1860-1915

  • Lindener Pareto Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: Construtores. São Paulo. José Kanz. Não-diplomados.

Resumo

Este artigo discute a produção do espaço urbano paulistano a partir da biografia profissional de José Kanz. Descendente de alemães e trabalhador da construção civil, Kanz se constitiu num dos principais empreiteiros de obras da cidade de São Paulo na primeira década do século XX. Sua atuação profissional evidencia os conflitos entre poder público e privado, as estratégias de sobreviência de estrangeiros na cidade e um momento crucial de paulatina regulação da legislação urbana sob a Prefeitura de Antonio da Silva Prado. Kanz representa também o limiar da condição profissional daqueles construtores que ainda não precisavam de diploma para atuar projetando e construindo numa cidade que aos poucos foi conduzida à primazia dos engenheiros e arquitetos diplomados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lindener Pareto, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Professor Doutor efetivo na PUC-Campinas (Pontifícia Universidade Católica de Campinas), ministrando as disciplinas de História Contemporânea, Teoria da História, Direitos Humanos e História e Patrimônio Cultural.

Referências

AMARAL, Antônio Barreto do: Dicionário de história de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial do Governo do Estado de São Paulo, 2006.

BRITO, Mônica Silveira. A participação da iniciativa privada na produção do espaço urbano: São Paulo, 1890-1911. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana)-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2000.

BUENO. B.P.S. Escritório Técnico Ramos de Azevedo, Severo & Villares: longevidade, pluralidade e modernidade (1886-1980). Revista CPC, [S.l.], n. 19, p. 194-204, jun. 2015. ISSN 1980-4466.

BUENO. B.P.S. Aspectos do mercado imobiliário em perspectiva histórica: São Paulo (1809-1950). São Paulo: FAUUSP, 2008.

CAMPOS, Eudes. O capitão Antônio Bernardo Quartim ou o ABC da Engenharia. INFORMATIVO ARQUIVO HISTÓRICO MUNICIPAL, 5 (25-26): jul/out.2009 http://www.arquivohistorico.sp.gov.br.

BUENO. B.P.S. “Arquitetura Paulistana sob o Império - aspectos da formação da cultura burguesa em São Paulo”. Tese de doutorado em “Estruturas Ambientais Urbanas”- Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo,1997.4 v.

CARVALHO, Maria Cristina Wolff de. “A Arquitetura de Ramos de Azevedo”. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação da FAUUSP, 1996.

CERASOLI, Josianne. Modernização no Plural: obras públicas, tensões sociais e cidadania em São Paulo na passagem do século XIX para o XX. Tese de doutorado, UNICAMP. Ano de obtenção: 2004.

DEBENEDETTI, Emma & SALMONI, Anita. Arquitetura italiana em São Paulo. Ed.Perspectiva: São Paulo, 1981.

FABRIS, Annateresa. Ecletismo na arquitetura brasileira. São Paulo. Livraria Nobel, 1987.

FICHER, Sylvia. Os Arquitetos da Poli: Ensino e Profissão em São Paulo. Edusp: São Paulo, 2005.

FOUCAULT, M. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. O corpo utópico, as Heterotopias. São Paulo: n-1 Edições, 2013.

FRANCISCO, Rita de Cássia. Construtores anônimos em Campinas (1892-1933): fortuna crítica de suas obras na historiografia e nas políticas de preservação da cidade. Tese FAUUSP, 2013.

GENNARI, Luciana. As casas em série do Brás e da Mooca. Dissertação FAUUSP, 2005.

LANNA, A. L. D. (Org.). São Paulo, os estrangeiros e a construção das cidades. São Paulo: Alameda, 2011. v. 1.

LEMOS, Carlos A.C. Ramos de Azevedo e seu escritório. São Paulo: Pini, 1993.

PARETO JR, Lindener. O cotidiano em construção: os Práticos Licenciados em São Paulo, 1893-1933. Dissertação de Mestrado. FAUUSP, 2011.

PARETO JR, Lindener. O cotidiano em construção: A trajetória profissional dos Práticos Licenciados em São Paulo (1893-1933).. In: João Marcos Lopes; José Lira. (Org.). Memória, Trabalho e Arquitetura. 1ed. São Paulo: EDUSP, 2013, v. 1, p. 67-81.

PARETO JR, Lindener. Joaquim Cavalheiro: um arquiteto-construtor no Brás e na Mooca. São Paulo: Cultura Acadêmica-Unesp, 2015.

PARETO JR, Lindener. Pândegos, rábulas, gamelas: os construtores não diplomados entre a engenharia e a arquitetura (1890-1960). São Paulo, Tese de Doutorado, FAUUSP,2016.

PUPPI, Marcelo. Por uma história não moderna da arquitetura brasileira: questões de historiografia. Campinas: Pontes Editores, 1998.

QUEIROZ, Suely Robles Reis de. “Política e poder público na cidade de São Paulo: 1889-1954.” In: Porta, Paula (*) (org). História da cidade de São Paulo: a cidade na primeira metade do século XX. São Paulo: Paz e Terra, 2004, v. 3

SEVCENKO, Nicolau (org.). “Introdução. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso”. In NOVAIS, Fernando A. (coord.) História da Vida Privada no Brasil; 3. República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p.7-48.

SIRIANI, Silvia. Uma São Paulo alemã vida quotidiana dos imigrantes germânicos na região da capital (1827-1889). São Paulo: Arquivo do Estado: Imprensa Oficial do Estado, 2003.

SCHNECK, Sheila. Formação do bairro do Bexiga em São Paulo: loteadores, proprietários, construtores, tipologias edilícias e usuários. Dissertação FAUUSP, 2010.

Publicado
2018-07-14
Como Citar
Pareto, L. (2018). Uma São Paulo dos Kanz, 1860-1915. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 9(3), 610-658. https://doi.org/10.20396/urbana.v9i3.8650477