As vilas mineiras setecentistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v10i1.8651110

Palavras-chave:

Século XVIII. Minas Gerais. Vila rica. História urbana. Urbanização. Urbanismo.

Resumo

O artigo centra-se na história urbana das vilas estabelecidas em Minas Gerais ao longo do século XVIII. Na primeira parte, analisa brevemente os principais fatores que condicionaram o surgimento na região dos primeiros núcleos populacionais e a sua institucionalização política. A seguir, proporciona um esclarecimento conceitual acerca das noções de “cidade” e “urbano”, visando lançar luzes sobre as características peculiares da “cidade mineradora”. O trabalho destaca também a importância do papel desempenhado pelas questões fundiárias e pelos modelos e pelas práticas urbanísticas na estruturação da urbs mineira. Examina, por último, o processo de formação e de desenvolvimento urbano da antiga Vila Rica durante o século XVIII. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simona Costa, Università degli Studi della Tuscia

- Licenciatura em Ciências Históricas, do Território e pela Cooperação Internacional, Università degli Studi Roma Tre (2010) - Mestrado em História e Sociedade, Università degli Studi Roma Tre (2014) - Mestrado em História do Império Português, Universidade Nova de Lisboa (2018) - Doutoramento em Ciências Históricas e dos Bens Culturais, Università degli Studi della Tuscia (em curso)

Referências

ABREU, Maurício de Almeida. A apropriação do território no Brasil colonial. In: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (Orgs.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. 1a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 197-245.

BASTOS, Rodrigo Almeida. O urbanismo conveniente luso-brasileiro na formaçao de povoações em Minas Gerais no século XVIII. Anais do Museu Paulista – Universidade de São Paulo, Vol. 20, N. 2, 2012. Disponível em: www.scielo.br/pdf/anaismp/v20n1/v20n1a08. Acesso em: 27 nov. 2017.

BASTOS, Rodrigo Almeida. Regularidade e ordem das povoações mineiras no século XVIII. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros – Universidade de São Paulo, N. 44, 2007. Disponível em: www.revistas.usp.br/rieb/article/viewFile/34561/37299. Acesso em: 27 nov. 2017.

BICALHO, Maria Fernanda. Câmaras. In: e-Dicionário da Terra e do Território no Império Português. Disponível em: edittip.net/2015/06/02/camaras/. Acesso em: 27 nov. 2017.

BLUTEAU, Raphael. Commercio. In: Vocábulario portuguez, e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico... Coimbra: Real Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712, Vol. 2.

BUENO, Beatriz Siqueira. A última década, novos rumos. Balanço da historiografia sobre urbanização no Brasil-Colônia. A contribuição dos estudos regionais recentes. In: PESSOTTI, Luciene; RIBEIRO, Nelson Pôrto (Orgs.). A Construção da Cidade Portuguesa na América. 1a ed. Pod Editora, Rio de Janeiro: 2011.

CAMPOS, Kátia Maria Nunes. Antônio Dias de Vila Rica: apectos demográficos de uma paróquia colonial (1763-1773). XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais – Associação Brasileira de Estudos Populacionais, Caxambu, 2008. Disponível em: www.academia.edu/2299441/Antônio_Dias_de_Vila_Rica_aspectos_demográficos_de_uma_paróquia_colonial_1763-1773_. Acesso em: 27 nov. 2017.

CAMPOS, Kátia Maria Nunes. Vila Rica Formas Espontâneas e Planejadas num Traçado Urbano Setecentista”. IX Jornada Setecentista – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012. Disponível em: www.academia.edu/4081212/Vila_Rica_Formas_Espont%C3%A2neas_e_Planejadas_num_Tra%C3%A7ado_Urbano_Setecentista. Acesso em: 27 nov. 2017.

CAMPOS, Kátia Maria Nunes. Sem dados não há demografia: uma proposta para a criação de um banco de dados demográficos e sua aplicação em uma paróquia mineira (1760-1804). Tese (Doutorado em Demografia) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: População (1719-1826). São Paulo: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – Universidade de São Paulo, 1979.

CRESSWELL, Tim. Place: a short introduction. 1a ed. Bodmin: Blackwell Publishing, 2004.

CUNHA, Alexandre Mendes. Minas Gerais da Capitania à Província: elites políticas e a administração da fazenda em um espaço em transformação. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.

CUNHA, Alexandre Mendes. Vila Rica-São João del Rey: as voltas da cultura e os caminhos do urbano entre o século XVIII e o XIX. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2002.

DICIONÁRIO PRIBERAM DE LÍNGUA PORTUGUESA. Disponível em www.priberam.pt/dlpo/urbano. Acesso em: 27 nov. 2017.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Repovoamento e urbanização do Brasil no século XVIII”. In: PESSOTTI, Luciene; RIBEIRO, Nelson Pôrto (Orgs.). A Construção da Cidade Portuguesa na América. 1a ed. Rio de Janeiro: Pod Editora, 2011. p. 69-90.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d’el rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. 1a ed. Tradução TEIXEIRA, Maria Juliana Gambogi. Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: 2011.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Ouro Preto, Vila Rica. Enquadramento Histórico e Urbanismo. Heritage of Portuguese Influence Portal/Fundação Calouste Gulbenkian. Disponível em: www.hpip.org/def/pt/Conteudos/Navegacao/NavegacaoGeograficaToponimica/Localidade?a=180. Acesso em: 27 nov. 2017.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 25a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LEFEBVRE, Henri. El derecho a la ciudad. 2a ed. Tradução GONZALEZ-PUEYO, Javier. Barcelona: Península, 1973.

LEPETIT, Bernard. Pouvoir municipal et urbanisme (1650-1750): sources et problématique. In: LIVET, Georges; VOGLER, Bernard. Pouvoir, ville et société en Europe 1650-1750. Paris: CNRS Éditions, 1981.

LOUSADA, Maria Alexandre. Espacialidade em debate práticas sociais e representações em Lisboa nos finais do Antigo Regime. Ler História – Instituto Universitário de Lisboa, N. 48, 2005. Disponível em https://www.academia.edu/3684018/Espacialidade_em_debate_práticas_sociais_e_representações_em_Lisboa_nos_finais_do_Antigo_Regime. Acesso em: 27 nov. 2017.

LUNA, Francisco Vidal; COSTA, Iraci del Nero da. Minas Colonial: Economia & Sociedade. 1a ed. São Paulo: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – Editora Pioneira, 1982.

MACHADO, Rafael Palhares Os processos de (re)estruturação do tecido urbano de Vila Rica: a influência da Igreja Católica. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

MATA, Sérgio da. Chão de Deus: Catolicismo popular, espaço e proto-urbanização em Minas Gerais, Brasil. Séculos XVIII - XIX. 1a ed. Berlin: Wissenschaftliche Verlag Berlin, 2002.

MAXWELL, Kenneth. A Devassa da devassa: a Inconfidência Mineira (Brasil – Portugal, 1750-1808). 2a ed. Tradução MAIA, João. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1978.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Os Concelhos e as Comunidades. In: HESPANHA, António Manuel (Coord.). O Antigo Regime (1620-1807). In: MATTOSO, José (Dir.). História de Portugal. 1a ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1998, Vol. 4. p. 269-295.

MONTE-MÓR, Roberto Luís de Melo. Gênese e estrutura da cidade mineradora. (Texto para a discussão, N. 164) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2001. Disponível em www.cedeplar.ufmg.br/pesquisas/td/TD%20164.pdf. Acesso em: 27 nov. 2017.

PAULA, João Antonio de. A mineração de ouro em Minas Gerais do século XVIII. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). In: As Minas setecentistas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de (Org.). História de Minas Gerais. 1a ed. Belo Horizonte: Autêntica – Companhia do Tempo, 2007, Vol. 1. p. 279-301.

PAULA, João Antonio de. Raízes da modernidade em Minas Gerais. 1a ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2000.

PINTO, Virgílio Noja. O ouro brasileiro e o comércio anglo-português. Uma contribuição aos estudos da economia atlântica no século XVIII . Companhia Editora Nacional – Ministério da educação, São Paulo: 1979. Disponível em: www.brasiliana.com.br/obras/o-ouro-brasileiro-e-o-comercio-anglo-portugues-uma-contribuicao-aos-estudos-da-economia-atlantica-no-seculo-xviii/preambulo/3/texto. Acesso em: 27 nov. 2017.

RABINOVIČ, Michail. On the problem of defining the concept of “city” for the sake of ethnographic studies. Ethnologia Slavica, 16

RAMOS, Donald. A social history of Ouro Preto: stresses of dynamic urbanization in colonial Brazil. Thesis (Ph. D. in History) – Graduate Council, University of Florida, Ann Arbor, 1972.

REIS FILHO, Nestor Goulart. A urbanização e o urbanismo na região das Minas. Cadernos de pesquisa do LAP – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo: 1999.

ROMEIRO, Adriana. Paulistas e emboabas no coração das minas: idéias, práticas e imaginário político no século XVIII. 1a ed. Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.

SANTOS, Paulo Ferreira. Formação de cidades no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Editora da Unidade Federal do Rio de Janeiro, 2001.

SILVA, Fabiano Gomes da. Pedra e cal: os construtores de Vila Rica no século XVIII (1730-1800). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

SOJA, Edward William. Postmodern Geographies: The Reassertion of Space in Critical Social Teory. 1a ed. London – New York: Verso, 1989.

TEDESCHI, Denise Maria Ribeiro. Águas urbanas: as formas de apropriação das águas em Mariana/MG (1745-1798). Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

TEIXEIRA, Manuel. Os modelos urbanos brasileiros. In: PESSOTTI, Luciene; RIBEIRO, Nelson Pôrto (Orgs.). A Construção da Cidade Portuguesa na América. 1a ed. Rio de Janeiro: Pod Editora, 2011. p. 151-169.

VILLALTA, Luiz Carlos. O Cenário Urbano em Minas Gerais Setecentista: Outeiros do Sagrado e do Profano. In: Termo de Mariana: história e documentação, 1a ed. Mariana: Universidade Federal de Ouro Preto,1998. p. 65-85.

Downloads

Publicado

2018-07-14

Como Citar

COSTA, S. As vilas mineiras setecentistas. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 10, n. 1, p. 160–184, 2018. DOI: 10.20396/urbana.v10i1.8651110. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8651110. Acesso em: 9 fev. 2023.