Banner Portal
Distopia e reparação política na Ceilândia de Adirley Queirós
PDF

Palavras-chave

Adirley Queirós
Arquitetura
Cinema
Brasília
Ceilândia
Disputa territorial
Demofobia.

Como Citar

SETUBAL, Mariana Lucas. Distopia e reparação política na Ceilândia de Adirley Queirós. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 570–591, 2019. DOI: 10.20396/urbana.v10i3.8651524. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8651524. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre os dois longas metragens do diretor Adirley Queirós: “ A Cidade é uma só?” (2011) e “Branco sai, preto fica” (2014). A analise em questão é norteada pela da disputa territorial: das cidades satélites e do Plano Piloto, enquanto alegoria dos limites da democracia brasileira. À medida em que esta disputa faz emergir as contradições do projeto de modernização nacional. Convoco a noção de demofobia (LYNCH, 2014) com o intuito de compreender o processo de construção da democracia brasileira, onde a nova capital é erguida como farol da utopia.

https://doi.org/10.20396/urbana.v10i3.8651524
PDF

Referências

ARANTES, Otília Beatriz Fiori (2012). Brasília no projeto moderno de Mário Pedrosa. In: XAVIER, Alberto e KATINSKY, Julio (org). (2012) Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

BERMAN, Marshall (1982). Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia de Bolso.

BEÚ, Edson (2013). Os filhos dos Candangos. Brasília sob o olhar da periferia. Brasília: Editora UnB, 2013.

BRASIL, André (2013). Quando o antecampo se avizinha. Duas notas sobre o engajamento em A cidade é uma só? Brasília: Revista Negativo, vol. 01 n. 01, julho/setembro. Disponível em http://periodicos.unb.br/index.php/revnegativo/article/view/15167/10853

BRECHT, Bertolt (2003). Perguntas de um operário que lê. In: Poemas 1913-1956. São Paulo: Editora 34.

CEVASCO, Maria Elisa (2001). Para ler Raymond Williams. São Paulo: Paz e Terra.

CEBALLOS, Gomes Viviane (2014). Memórias, tramas e espaço: A história de Brasília construída pela fala dos moradores de Sobradinho-DF. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História, UNICAMP.

CHOAY, Françoise (2001). Alegoria do Patrimônio. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 2001.

__________________ (2015). O Urbanismo. São Paulo: Editora Perspectiva.

__________________ (2012). Brasília uma capital pré-fabricada. In: XAVIER, Alberto e KATINSKY, Julio (org). Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

CORREA, José; GHIROTTO, Mariana (2016). Brasil: Crise do petismo e esgotamento do distributivismo extrativista, mimeo.

COSTA, Everaldo Batista; PELUSO, Marília Luiza (2013). Territórios da Memória Candanga na construção da capital do Brasil (1956-1971). In XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana. Ciência e Ação Política:Por uma Abordagem Crítica. Rio de Janeiro, RJ: UFRJ, Vol 01, p. 1-22.

COSTA, Lucio (2012). Ingredientes da concepção urbanística de Brasília. In: XAVIER, Alberto; KATINSKY, Julio (org). Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

FELDMAN, Ilana (2012). A Disputa pela cidade, debate com Adirley Queirós. In Festival Adaptação: A literatura no cinema, 3a edição. Semana de arte moderna de 1922: 90 anos, Rio de Janeiro, RJ, 8 a 18 de novembro 2012.

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Z4TtJMso9CE&t=400s

HOLSTON, James (2010). A cidade modernista: uma crítica a Brasília e sua utopia. São Paulo: Companhia das Letras.

KUBITSCHEK, Juscelino (2012). De Pampulha a Brasília - os caminhos da providência. In: XAVIER, Alberto; KATINSKY, Julio (org). Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

LISPECTOR, Clarice (2012). Nos primeiros começos de Brasília. In: XAVIER, Alberto e KATINSKY, Julio (org). Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

LÖWY, Michael (2005). Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses ‘Sobre o conceito de história’. São Paulo: Boitempo.

LYNCH, Christian Edward Cyril (2014). Da monarquia à oligarquia. História institucional do pensamento político brasileiro (1822-1930). Rio de Janeiro: Editora Alameda.

MACIEL, Danielle; OLIVEIRA, Taiguara. Cultura, reparação e revanche em tempos de guerra: comentários sobre Branco sai, preto fica, de Adirley Queirós , no prelo.

MESQUITA, Claudia (2015). Memória contra utopia: Branco sai, preto fica (Adirley Queirós, 2014). XXVI Encontro da Compós- GT Fotografia, Cinema e Vídeo, São Paulo. Disponível em:

http://www.compos.org.br/biblioteca/compos-2015-1a0eeebb-2a95-4e2a-8c4b-c0f6999c1d34_2839.pdf

__________. Um drama documentário? – atualidade e história em A cidade é uma só? Belo Horizonte: Revista Devires, vol. 08, n.2, julho/dezembro., p.48-69,201. Disponível em: http://www.fafich.ufmg.br/devires/index.php/Devires/article/view/254

MOSER, Benjamin (2016). Autoimperialismo. Três ensaios sobre o Brasil. São Paulo: Crítica.

NIEMEYER, Oscar (2012). Minha experiência de Brasília. In: XAVIER, Alberto e KATINSKY, Julio (org) Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

PEDROSA, Mario (2012). Reflexões em torno da nova capital. In: XAVIER, Alberto; KATINSKY, Julio (org.) Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

QUEIRÓS, Adirley (2015). Entrevista Adirley Queirós diretor de ‘Branco sai, preto fica’ - entrevista a Fora de Quadro. Publicada em 19 de março de 2015. Disponível em:

https://foradequadro.com/2015/03/19/entrevista-adirley-queiros-diretor-de-branco-sai-preto-fica/

SABOIA, Luciana e SANDOVAL, Liz (2012). A cidade é uma só? Luta por reconhecimento na relação centro-periferia em Brasília. III Seminário Internacional Urbicentros, Salvador, BA, 22 a 24 de outubro de 2012. Disponível em:

http://www.ppgau.ufba.br/urbicentros/2012/ST163.pdf

SANCHEZ, Félix Ruiz (2017). A distonia da dominação: Como as elites colocaram poder político fora de compasso. In CHADAVERIAN, Pedro (org) 21a Century Brazil: Challenging economic orthodoxy under Lula years. Routledge, Londres.

SANTOS, Milton (2012). Brasília e o subdesenvolvimento brasileiro. In: XAVIER, Alberto; KATINSKY, Julio (orgs.) Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac & Naify.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloísa (2014). Brasil: Uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras.

VIRILIO, Paul (1993). O espaço crítico e as perspectivas do Tempo Real. São Paulo: Editora 34.

WILLIAMS, Raymond (2013). A Política e as Letras. São Paulo: Editora Unesp.

Filmografia trabalhada:

A cidade é uma só? Direção: Adirley Queirós. Produção: André Carvalheira por 400 filmes e Adirley Queirós por 5 norte produções. Intérpretes: Dilmar Durões; Wellington Abreu; Nancy Araújo; Marquim Tropa e outros. Roteiro: Thiago Mendonça e Adirley Queirós. Música: Marquinhos do Tropa, Diró. Brasil: Vitrine Filmes, 2011. DVD (80min), colorido.

Branco sai, preto fica. Direção: Adirley Queirós. Produção: Simone Gonçalves e Adirley Queirós. Intérpretes: Dilmar Durões; Wellington Abreu; Marquim Tropa, DJ Jamaika, Shockito e outros. Roteiro: Adirley Queirós. Música: Marquinhos do Tropa, Diró. Brasil: Vitrine Filmes, 2014. DVD (93min), colorido.

Filmografia citada:

Alphaville, a estranha aventura de Lemmy Caution. Direção: Jean-Luc Godard. Produção: André Michelin. Intérpretes: AKim Tamiroff, Anna Karina, Eddie Constantine, Howard Vernon, Lazsló Szábó e outros. Roteiro: Jean-Luc Godard e Paul Éluard. Música: Paul Misraki. França e Itália: Athos Films; Chaumiane Films e Filmstudio, c 1965 (99 min), preto e branco.

Blade Runner. Direção: Riddley Scott. Produção: Michael Deeley. Intérpretes: Harrison Ford; Rutger Hauer, Sean Young; Edward James Olmos e outros. Roteiro: Hampton Fancher e David Peoples. Música: Vangelis. Los Angeles: Warner Brothers, c 1991. 1 DVD (117min), colorido. Produzido por Warner Video Home. Baseado na novella “Do androids dream of electric sheep?” de Philip K. Dick.

Conterrâneos velhos de guerra. Direção: Vladimir Carvalho. Produção: Vladimir Carvalho. Roteiro: Vladimir Carvalho. Interpretes: Othon Bastos, Pompeu de Souza, Oscar Niemayer e outros. Música: Zé Ramalho .Brasil: Vertovisão, c 1990 (175min), colorido.

Metrópoles. Direção: Fritz Lang. Produção: Eric Pommer. Intérpretes: Brigitte Helm, Alfred Abel, Rudolf Klein-Roge, Theodor Loos, Fritz Rasp, Gustav Fröhlich e outros. Roteiro: Thea von Harbou Música: Gottfried Huooertz. Alemanha: UFA, c1927 (148min), preto e branco.

URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.