Paisagens “sócio-sexuais” de Brasília

o caso da w3 norte

Palavras-chave: Brasília, Sociologia, Geografia, Arquitetura, Espaço, Sexualidade.

Resumo

A partir dos enlaces da Teoria Queer com a Sociologia e a Geografia das Sexualidades e Arquitetura, o artigo analisa o caso da avenida W3 Norte, em Brasília, como um exemplo de “paisagem sócio-sexual”, implicada na construção de subjetividades, corporalidades, sexualidades e imaginário sexual urbano. Analisa também a W3 de acordo com a “Teoria dos Mercados Sexuais”, como participante de um mercado mais amplo estruturado pelo Plano Piloto de Brasilia, com repercussões na vida sexual de individuos e grupos. Em uma cidade popularmente acusada de ser deserta à noite, a W3 Norte torna-se não só um local de vida erótica em Brasília, mas também de vida urbana e questionadora de fronteiras espaciais e identitárias, de gêneros e orientações sexuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Augusto de Almeida Teixeira, Centro Universitário do Distrito Federal

Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília. Docente em Teoria e Historia da Arquitetura e Arquitetura Brasileira no Centro Universitário do Distrito Federal.

Referências

AGREST, Diana; CONWAY, Patricia; WEISMAN, Leslie Kanes (1996). The Sex of Architecture. Nova York: Harry N. Abrams.

AHMED, Sara (2006). Queer phenomenology: orientations, objects, others. Londres: Duke University Press.

AHUALLI, Iyaromi Feitosa (2017). A avenida W3 e suas encruzas: uma etnografia acerca das diversas concepções sobre o conceito de cidadania no contexto da prostituição. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Sociais) – Universidade de Brasília, Brasília.

ALMEIDA, Kelly; BITTAR, Bernardo (2015). Mercado de prostituição de luxo em Brasília não fica restrito somente à ficção. Estado de Minas, fevereiro de 2015. Disponível em https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2015/02/02/interna_nacional,613968/mercado-de-prostituicao-de-luxo-em-brasilia-nao-fica-restrito-somente-a-ficcao.shtml. Acessado em dezembro de 2017.

BARTHES, Roland (1997). Semiology and the urban. In. LEACH, Neil. Rethinking Architecture: a reader in cultural theory. Nova York: Routledge,.

BELL, David; VALENTINE Gill (ed.) (1995). Mapping Desire: geographies of sexualities. Nova York, Routledge.

BENDELOW, Gillian A.; WILLIAMS, Simon J (1998). The lived body: Sociological themes, embodied issues. Routledge.

BETSKY, Aaron (1995). Men, Women, Architecture and the Construction of Sexuality. Nova York: Harper Perennial

BETSKY, Aaron (1997). Queer Space: Architecture and Same-Sex Desire. Nova York: Morrow.

BOLLNOW, Otto Friedrich (2008). O homem e o espaço. Ed. UFPR.

BONNEVIER, Katarina (2007). Behind straight curtains: towards a queer feminist theory of architecture. Estocolmo: Axl Books.

BOURDIEU, Pierre (1987). What makes a social class? On the theoretical and practical existence of groups. Berkeley Journal of Sociology, v. 32, p. 1-17, 1987.

BUTLER, Judith (1990). Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York: Roudledge.

______ (1993). Bodies that matter: on the discursive limits of sex. Nova York: Routledge.

BROWNE, Kath. LIM, Jason. BROWN, Gavin. (2007) Geographies of sexualities: theory, practices and politics. Ashgate: Farham.

CALIFIA, Pat (1994). Public Sex: the culture of radical sex. San Francisco, Cley Press.

CAMERON, Deborah; KULICK, Don (2003). Language and sexuality. Cambridge University Press.

CAMPBELL, Ullisses (2013). O Bloco do Eu Sozinho. Veja Brasília, novembro de 2013. Disponível em http://vejabrasilia.abril.com.br/materia/gente/o-bloco-do-eu-sozinho/. Acessado em dezembro de 2017.

CAPELA, Gustavo (2013). O Direito à Prostituição: Aspectos de Cidadania. Dissertação (Mestrado em Direito) Universidade de Brasília.

CARONE, Carlos (2015). Boate Vegas, com prostitutas de luxo, abre as portas na 403 Sul. Metrópoles, novembro de 2015. Disponível em https://www.metropoles.com/distrito-federal/boate-vegas-com-prostitutas-de-luxo-abre-as-portas-na-403-sul. Acessado em dezembro de 2017.

CARVALHO, Adalberto Grassi, SOUZA, Márcia Vasconcellos (1995). Trabalho Etnográfico: A Prostituição na entrequadra 314/315 Norte. Brasília, Universidade de Brasília.

COLOMINA, Beatriz (1992).. Sexuality and Space. Nova York: Princeton Architectural Press.

COSTA, Lucio (1962). Relatório do Plano Piloto de Brasília. In Sobre Arquitetura. Porto Alegre: Ed. FAURS.

DELANY, Samuel R (1999). Times Square Red, Times Square Blue. Nova York, New York University Press.

DOAN, Petra L. (Ed.) (2011). Queerying Plannig: challenging heteronormative assumptions and reframing planning practice. Ashgate: Farham.

DOAN, Petra L. (Ed.) (2015). Planning and LGBTQ communities: The need for inclusive queer spaces. Routledge.

ELIAS, Norbert (1994 [1939]). O Processo Civilizador: Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

EPSTEIN, Steven (1996). A queer encounter: sociology and the study of sexuality. In. SEIDMAN, Steven (Ed.). Queer Theory/Sociology. Cambridge: Blackwell,.

GAGNON, John H.; SIMON, William (2011). Sexual conduct: the social sources of human sexuality. Transaction Publishers.

GORNY, Robert Alexander; VAN DEN HEUVEL, Dirk (2017). New Figurations in Architecture Theory: From Queer Performance to Becoming Trans. FOOTPRINT, v. 11, n. 2, p. 1-10, 2017.

GREEN, Adam Isaiah (Ed.) (2013). Sexual fields: Toward a sociology of collective sexual life. University of Chicago Press.

GREGSON, Nicky; ROSE, Gillian (2000). Taking Butler elsewhere: performativities, spatialities and subjectivies. In. Environment and Planning d: Society and Space. 2000. vol. 18.

GROSZ, Elizabeth (1995). Space, time and perversion: essays on the politics of bodies. Nova York: Routledge.

GROSZ, Elizabeth (2001). Architecture from the outside: Essays on virtual and real space. Cambridge: MIT Press.

G1 DF. Moradores de Brasília usam faixas para reclamar de prostituição. G1 DF, abril de 2012. Disponível em: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2012/04/moradores-de-brasilia-usam-faixas-para-reclamar-de-prostituicao.html. Acessado em dezembro de 2017.

HEYNEN, Hilde; BAYDAR, Gulsum (eds.) (2005). Negotiating domesticity: Spatial productions of gender in modern architecture. Nova York: Routledge.

HEYNEN, Hilde; WRIGHT, Gwendolyn (2012). Introduction: shifting paradigms and concerns. In CRYSLER, C. Greig; CAIRNS, Stephen; HEYNEN, Hilde (Eds.) The SAGE handbook of architectural theory. Londres: SAGE,.

HOWSON, Alexandra (2013). The body in society: An introduction. John Wiley & Sons.

HUBBARD, Phil (2012). Cities and sexualities. Nova York: Routledge.

HUBBARD, Phil; KITCHIN, Rob (2004). Key Thinkers on Space and Place. Londres: Sage.

JACOBS, Jane (2011). Morte e vida de grandes cidades. Tradução de Maria Estela Helder Cavalheiro. São Paulo: Martins Fontes.

JOHNSTON, Lynda; LONGHURST, Robyn (2010). Space, place and sex: geographies of sexualities. Lanham: Roman & Littlefield Publishers.

KNOPP, Lawrence (1995). Sexuality and urban space. In BELL, David;VALENTINE Gill. Mapping Desire. Nova York, Routledge.

LAUMANN, Edward O. et al (2004). The sexual organization of the city. University of Chicago Press.

LEAP. William L. (Ed.) (1999). Public sex, gay space. Nova York: Columbia University Press.

LEVINE, Martin P (1979). Gay ghetto. Journal of Homosexuality, v. 4, n. 4, p. 363-377.

LISPECTOR, Clarice (2012). Nos primeiros começos de Brasília. In. XAVIER, Alberto; KATINSKY, Julio. Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac Naify.

MACDOWELL, Pedro de Lemos (2011). O espaço degenerado: ensaio sobre o lugar travesti na cidade modernista. 99 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) -Universidade de Brasília, Brasília.

MERLEAU-PONTY, Maurice (1999). Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes.

NUNES, Brasilmar Ferreira. (2009) Elementos para uma sociologia dos espaços edificados: o “Conic” no Plano Piloto de Brasília. In Cadernos Metrópole, número 21.

PILE, Steve (1996). The body and the city: psychoanalysis, space and subjectivity. Nova York: Routledge.

PINHEIRO, Mirelle (2016). “Não é novidade. É rotina” diz deputado sobre prostituição na câmara. Metrópoles. Disponível em https://www.metropoles.com/distrito-federal/nao-e-novidade-e-rotina-diz-deputado-sobre-prostituicao-na-camara. Acessado em dezembro de 2017.

PRECIADO, Beatriz (2008). Testo Yonqui. Madrid: Espasa.

PRECIADO, Beatriz (2010). Pornotopia: arquitectura y sexualidad en “Playboy” durante la guerra fria. Madrid: Anagrama.

RISÉRIO, Antonio (2012). A cidade no Brasil. Editora 34.

RODRIGUES, Marlene (2003). Polícia e prostituição feminina em Brasília–Um caso de estudo. Tese de Doutorado. Tese de Doutorado em Sociologia, UnB, Brasília.

SABSAY, Leticia (2011). Fronteras Sexuales: espacios urbanos, cuerpos e ciudadania. Buenos Aires: Paidós.

SANDERS, Joel (1996). Stud: architectures of masculinity. Nova York: Princeton Architectural Press.

SANTOS, Sérgio Luiz Souza (2004). Cama de Hotel: Prostituição e Meios de Hospedagem em Brasilia.. Monografia (Especialização em Gestão de Marketing do Turismo). Universidade de Brasília, Brasília.

SHILLING, Chris (2012). The body and social theory. Sage.

DA SILVA, Inaê Elias Magno (2008). Utopia e silêncio: vida pedestre, imagem e emoção em Brasília. Revista Cronos, v. 9, n. 1, 2008.

SILVA, Joseli Maria (org.) (2009). Geografias subversivas: discurso sobre espaço, gênero e sexualidade. Ponta Grossa: Toda palavra.

SMITH, Neil (1996). The new urban frontier: Gentrification and the revanchist city. Psychology Press.

SOJA, Edward (2000). Postmetropolis: Critical Studies of Cities and Regions. Wiley.

TEIXEIRA, Marcelo Augusto de Almeida. (2013) Presença Incômoda: corpos dissidentes na cidade modernista. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade de Brasília, Brasília.

TONKISS, Fran (2005). Space, the city and social theory: social relations and urban form. Cambridge: Polity Press.

TURKIENICZ, B.; COMAS, C. E. (2012). Brasília, história e análise. Brasília-antologia crítica, p. 384-354.

XAVIER, Alberto; KATINSKY, Julio (2012). Brasília: Antologia Crítica. São Paulo: Cosac Naify.

Publicado
2019-03-14
Como Citar
Teixeira, M. A. de A. (2019). Paisagens “sócio-sexuais” de Brasília. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 10(3), 527-545. https://doi.org/10.20396/urbana.v10i3.8651562