Morfologia Urbana da Vila Colonial de São Jorge dos Ilhéus

(Bahia – Brasil, Séculos XVI a XIX)

Palavras-chave: cidade colonial, urbanismo português, georreferenciamento

Resumo

Este artigo analisa a configuração urbana da vila colonial de Ilhéus entre os séculos XVI e XIX. A apreensão dos elementos mais marcantes do urbanismo de matriz portuguesa permitiu a identificação de elementos típicos daquela escola no traçado e na arquitetura da antiga urbe. A partir desse referencial teórico, objetivou-se reconstruir o seu traçado original, identificando os principais edifícios, ruas, travessas, praças e os padrões de quarteirão e de lotes. Com o recurso de ferramentas de georreferenciamento, foi possível espacializar os dados textuais e iconográficos, resultando na elaboração de mapas conjeturais que buscam reencontrar a vila colonial de Ilhéus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Henrique Dias, UESC Ilhéus-BA

Licenciado em História pela PUCCAMP, mestre em História Ibero-Americana pela Unisinos, doutor em História Social Moderna pela UFF e pós-doutor pelo ICS-ISCTE de Lisboa. Atualmente é professor Titular da Universidade Estadual de Santa Cruz- Ilhéus~BA, pesquisador do Núcleo de Pesquisas Arqueológicas da Bahia (NEPAB) e líder do Grupo de Pesquisa Economia, Sociedade e Natureza do Sul da Bahia. Trabalha com temas da história agrária e ambiental sobretudo da Bahia no período colonial e no século XIX.

Ruana Alencar Oliveira, UESC - Ilhéus
Licenciada em História; UESC (2018)
Iuri Dantas Andrade, UESC - Ilhéus
Licenciado em História (2018 01)

Referências

Livros de notas da vila de Ilhéus, 1703-1824, números 1-7, Arquivo Público do Estado da Bahia (APEB), Seção Judiciário. Acessado a partir do Banco de Dados de Escrituras do Notariado da Vila de Ilhéus (séculos XVIII e XIX). Disponível em: https://suportenepabuesc.wixsite.com/nepab; Acesso em: 16 mai. 2018

Planta da vila de Ilhéus (1852). Arquivo do Exército, Rio de Janeiro (AHEx, n. 2460).

MOUCHES, Ernest Amédée Barthéçemy (1821-1892). Plan Du Mouvillage des Ilhéos [Cartográfico]. Biblioteca Nacional Digital, Crt 525802, [S.l: s.n], 1859. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart525802/cart525802.jpg

Último acesso: 08/06/2018.

ACCIOLI, Inácio (1835). Memórias históricas e políticas da província da Bahia. Anotações de Braz do Amaral. ed. of. do Estado da Bahia, Volume II, s/d.

ALBAGLI, Guilherme (1999). Notas sobre a evolução urbana de ilhéus. Especiaria. Ilhéus, v.2, n.3/4, p.165-188.

ANCHIETA, José de (1933). Cartas: informações, fragmentos históricos e sermões do Padre José de Anchieta (1554-1594). Rio de Janeiro: Oficina Industrial Gráfica..

BARLÉU, Gaspar (1940). Historia dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil (1647). Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Ministério da Educação.

BARROS, Francisco Borges de (2004). Memória sobre o município de Ilhéus. 3.ed. Ilhéus: Editus.

BUENO, Beatriz (2012). Dossiê: Caminhos da história da urbanização no Brasil-colônia. Introdução. Anais do Museu Paulista. São Paulo. v.20, n.1, p. 11-40.

CAMPOS, João da Silva (2006). Crônica da Capitania de São Jorge dos Ilhéus. 3.ed. Ilhéus: Editus.

CARITA, Helder; CARITA, Rui (2000). Modelos institucionais e personagens. A urbanização do espaço atlântico nos séculos XV e XVI. Revista Oceanos. Lisboa: Bertrand. n. 41, p.174-190.

CARRARA, Angelo; MORALES, Walter; DIAS, Marcelo (Orgs.) (2015). Paisagens e Georreferenciamento: História Agrária e Arqueologia. São Paulo/Ilhéus: Annablume/NEPAB/UESC.

CASTRO, Epaminondas Berbert de (1981). Formação econômica e social de Ilhéus (1ª ed). Ilhéus: Prefeitura Municipal.

DIAS, Geraldo José Amadeu Coelho (2012). Quando os Monges Eram uma Civilização... Beneditinos: Espírito, Alma e Corpo. Porto: CITCEM/Edições Afrontamento.

G NDAVO, Pedro de Magalhães (2008). Tratado da Terra do Brasil (1576): história da província Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos Brasil. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial.

HERNÁNDEZ, Maria Herminia Olivera (2009). A administração dos bens temporais do Mosteiro de São Bento da Bahia. Salvador: EDUFBA.

IPHAC-BA (1988). Inventário de proteção do acervo cultural da Bahia. Monumentos e sítios do litoral sul, vol. 5. Salvador: Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo.

JABOATÃO, Frei Antônio de Santa Maria (1858). Novo orbe serafico brasilico ou chronica dos frades menores da Provincia do Brasil (1761). Rio de Janeiro.

LEITE, Serafim (1938). História da Companhia de Jesus no Brasil (Tomo 5). Lisboa: Livraria Portugália.

LOBO, Manuel da Costa; JÚNIOR, José Geraldo Simões (Orgs) (2012). Urbanismo de colina: uma tradição luso-brasileira. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mackpesquisa/IST Press.

MAGALHÃES, Pablo; BRITO, Rosara (2015). A Gema do Brasil: a Capitania de Ilhéus em um manuscrito de 1626. In: Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Salvador. v. 110, p. 49-76.

MORENO, Diogo de Campos (1955). Livro que dá razão do Estado do Brasil (1612). Recife: Arquivo Público Estadual.

MOURA, Leonardo (2009). O Outeiro da Matriz Velha de São Jorge dos Ilhéus. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História). Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz.

PESSÔA, José (2000). Em tudo semelhante, em nada parecido. Modelos e modos de urbanização na América portuguesa. Revista Oceanos. Lisboa. n. 41, p.70-81.

PORTAS, Nuno (2000). Os tempos das formas nas cidades lusas do Brasil. Revista Oceanos. Lisboa: Bertrand. n. 41, p. 162-172.

REIS FILHO, Nestor (1968). Contribuição ao estudo da evolução urbana do Brasil (1500-1720). São Paulo: Pioneira.

RIBEIRO, André Luis Rosa (2005). Memória e identidade: reformas urbanas e arquitetura cemiterial na região cacaueira (1880-1950). Ilhéus: Editus.

DIAS, Eduardo (1951). Inspeções do capitão e sargento-mor Diogo de Campos Moreno e aventuras do pau-brasil em Ilhéus, 1612 (com 4 documentos). Comunicação apresentada no IV Congresso de História Nacional. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil (RIHGB). Congresso de História Nacional. Tomo 11, p.10-24.

ROSSA, Walter (2000). No Primeiro dos elementos. Dados para uma leitura do urbanismo e da urbanística portugueses na Idade Moderna. Revista Oceanos. Lisboa: Bertrand. n. 41, p.8-21.

SALVADOR, Frei Vicente do (1889). História do Brasil (1627). Rio de Janeiro: Publicação da Biblioteca Nacional, Typ. de G. Leuzinger & Filhos.

SANTOS, Paulo Ferreira (2001). Formação de Cidades no Brasil Colonial. Rio de Janeiro, UFRJ.

SMITH, Robert (1958). Urbanismo Colonial no Brasil. Bem Estar. Urbanismo, Habitação. São Paulo. v.1, p. 14-22.

SOUSA, Gabriel Soares de (1851). Tratado descritivo do Brasil em 1587. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert.

[TEIXEIRA, Luís, séc. XVI] suposto autor (1968). Roteiro de Todos os Sinais da Costa do Brasil. Edição comemorativa do V centenário de Pedro Álvares Cabral [Reprodução fac-similar do ms. 51-IV-38 da Biblioteca da Ajuda; leitura diplomática; comentários e índice do vocabulário. Edição preparada por Max Justo Guedes] Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro.

TEIXEIRA, Manuel (2012). A forma da cidade de origem portuguesa. São Paulo, Editora Unesp.

VASCONCELOS, Simão de (1865). Chronica da Companhia de Jesus do Estado do Brasil (1663) – Volume II. A. J. Lisboa: Fernandes Lopes.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Dias, M. H., Oliveira, R. A., & Andrade, I. D. (2018). Morfologia Urbana da Vila Colonial de São Jorge dos Ilhéus . URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 11(1). https://doi.org/10.20396/urbana.v11i1.8653159