Suburbanização carioca

Reflexos de uma identidade construída na configuração do Engenho Novo

  • Maria Paula Albernaz Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro - PROURB/FAU/UFRJ https://orcid.org/0000-0002-1975-8490
  • Rafael Mattoso
Palavras-chave: Suburbanização, Processo urbano, Configuração espaçial, Identidade urbana, Metrópole do Rio de Janeiro, Engenho Novo

Resumo

O artigo visa refletir sobre o papel de processos históricos na construção de identidades suburbanas na Metrópole do Rio de Janeiro. Pretende também averiguar a influência da configuração espacial na constituição desses valores identitários que permitem diferenciar os subúrbios cariocas. Visa ainda mostrar a distinção do conceito de subúrbio carioca em relação à compreensão disseminada em países centrais baseada em uma noção geográfica. Norteia-se pela ideia de que para identificar dinâmicas formalizadas no espaço é necessário interpretar processos históricos gerais e particulares a partir de visões e interações na macroescala urbana; e pelo entendimento de que a dimensão espacial influencia nas dinâmicas urbanas impedindo ou promovendo ações humanas. Para isso recupera momentos históricos da estruturação metropolitana, revisa a construção do conceito de subúrbio carioca no tempo e analisa especificidades do processo de constituição de um trecho do bairro do Engenho Novo, subúrbio pioneiro na história do Rio de Janeiro e porta de entrada da região suburbana, observando seu rebatimento na construção de sua identidade. Avalia-se que o Engenho Novo é um lugar singular inserido em uma totalidade dos subúrbios cariocas. Apresenta soluções que caracterizam uma diversidade historicamente e espacialmente determinada a qual estabelece relações socioculturais únicas, mas através de traços comuns remete a uma mesma condição identitária suburbana. Nesta dialética encontra-se uma potência que pode ser revertida em prol de uma busca por uma melhor qualidade de vida urbana. O estudo de caso insere-se em pesquisa que avança sobre outros territórios suburbanos da Metrópole do Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Mattoso

Historiador, com mestrado em História Comparada pelo PPGHC/UFRJ e doutorando (2020) na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo pelo PROURB/UFRJ.

Referências

ABREU, Maurício de A (2006 [1987]). Evolução urbana do Rio de Janeiro. 4. ed. Rio de Janeiro: IPP.

BERNARDES, Lysia; SOARES, Maria Therezinha de Segadas (1987). Rio de Janeiro: Cidade e Região. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Ed. Biblioteca Carioca.

CAVALCANTI, Nireu (2004). O Rio de Janeiro setecentista: a vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

CRULS, Gastão (1952). Aparência do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio.

FERNANDES, Nelson da Nóbrega (1996). O Rapto Ideológico da Categoria Subúrbio: O Rio de Janeiro 1858-1945. (Mestrado) Dissertação em Geografia. Rio de Janeiro: PPGG/UFRJ.

HARVEY, David (2004 [2000]). Espaços de Esperança. São Paulo: Loyola.

LEFEBVRE, Henri (2008). Espaço e política. Belo Horizonte: Editora UFMG.

MACIEL, Laura Antunes (2010). Outras memórias nos subúrbios cariocas: o direito ao passado. In: OLIVEIRA, Marcio; FERNANDES, Nelson (2010). 150 anos de subúrbio carioca. Rio de Janeiro: Lamparina, Faperj, EdUFF.

MUMFORD, Lewis (1982). A Cidade na História: Suas Origens, Transformações e Perspectivas. São Paulo: Editora Martins Fontes.

PANERAI, Philippe (2006). Análise Urbana. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

PECHMAN, Robert (1985). A Gênese do Mercado Urbano de Terras: A Produção de Moradias e a Formação dos Subúrbios no Rio de Janeiro. (Mestrado) Dissertação em Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro: UFRJ/IPPUR.

PÉRGOLIS, Juan Carlos (2005). Ciudad Fragmentada. Buenos Aires: Nobuko.

SANTOS, Francisco Agenor de Noronha (1965). As Freguesias do Rio Antigo. Rio de Janeiro: Ed. Cruzeiro.

SANTOS, Joaquim Justino Moura dos (1987). Contribuição ao Estudo da História do Subúrbio do Rio de Janeiro: a Freguesia de Inhaúma de 1743 a 1920. (Mestrado) Dissertação em História. Rio de Janeiro: IFCS/UFRJ.

SANTOS, Milton (2001 [2000]). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record.

SOARES, Maria Therezinha de Segadas (1960). Divisões principais e limites externos do Grande Rio de Janeiro. In: AGB, 1958-1959. São Paulo, p. 187-205.

SOLÀ-MORALES, Manuel de (2008). De cosas urbanas. Barcelona: Editorial Gustavo Gili.

SOUSA, Mônica Christina Pereira de (2014). Cidade e memória: a Zona Sul e subúrbios cariocas marcando papéis e posições simbólicas. Comunicação, Consumo, Memória: cenas culturais e midiáticas, do 4º Encontro de GTs - Comunicon, realizado em 08, 09 e 10 de outubro de 2014.

TSCHUMI, Bernard (1998). Architecture and Disjunction. Boston: MIT Press.

Publicado
2019-06-26
Como Citar
Albernaz, M. P., & Mattoso, R. (2019). Suburbanização carioca. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 11(1). https://doi.org/10.20396/urbana.v11i1.8653334