As margens espacializadas de Francis Alÿs

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v11i3.8656083

Palavras-chave:

Fronteiras urbanas, Francis Alÿs, Espaço-tempo comum

Resumo

Francis Alÿs, artista belga naturalizado mexicano, tem uma poética notoriamente urbana e intimamente ligada à sua formação como arquiteto. Seus trabalhos, contudo, não são pautados pelos princípios vitruvianos de firmitas, tampouco de utilitas, e mesmo a beleza (ou venustas) de suas ações destoa dos cânones da história da arte. A trajetória de Alÿs emerge de fábulas que dão vida a rituais de desterritorialização-reterritorialização inventados pelo artista para cada cidade por que passa. Este texto propõe um diálogo entre trabalhos onde Alÿs molda o espaço-tempo comum através da participação coletiva e aportes teóricos de Jacques Rancière, Michel de Certeau e da dupla Gilles Deleuze e Félix Guattari. Interessa aqui problematizar as contribuições estéticas – e portanto políticas – de Alÿs, particularmente em situações de fronteira, tanto físicas quanto simbólicas, da cidade contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Germana Konrath, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Arquiteta e urbanista, graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestra pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bolsista de doutorado do mesmo programa pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Paulo Edison Belo Reyes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Ciências da Comunicação pela Unisinos e pela Universidade Autonoma de Barcelona. Professor Adjunto da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Referências

ALŸS, Francis. Numa dada situação/ In a given situation. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

ALŸS, Francis; MEDINA, Cuauhtémoc. Cuando la fe mueve montañas/ When Faith Moves Mountains. Madri: Turner, 2005

BENEVOLO, Leonardo. História da Cidade. São Paulo: Perspectiva, 1983.

CANCLINI, Néstor García. A sociedade sem relato: Antropologia e Estética da Iminência. São Paulo: Edusp, 2012.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: Artes de fazer. Petrópolis: Editora Vozes, 1994.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia, v. 5. São Paulo: Editora 34, 1997. 5 v.

FERGUSON, Russell; FISHER, Jean. MEDINA, Cuauhtémoc. Francis Alÿs. Londres: Phaidon, 2007.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2012.

KONRATH, Germana. Às vezes fazer algo poético pode se tornar político e às vezes fazer algo político pode se tornar poético: a ocupação do tempo e do espaço na poética urbana de Francis Alÿs. 2017. 247 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, UFRGS, Porto Alegre, 2017.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. 5. ed. São Paulo: Centauro, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. Política da arte. In.: São Paulo S.A. – práticas estéticas, sociais e políticas em debate. São Paulo: Sesc, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

<http://www.francisalys.com/>. Acesso em: 24 jul. 2019.

Downloads

Publicado

2020-05-06

Como Citar

KONRATH, G.; REYES, P. E. B. As margens espacializadas de Francis Alÿs. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 30–57, 2020. DOI: 10.20396/urbana.v11i3.8656083. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8656083. Acesso em: 5 dez. 2022.