Queda tendencial da taxa de uso e produção alienada do urbano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v12i0.8661346

Palavras-chave:

Obsolescência precoce, Produção alienada, Espaço urbano

Resumo

Com o propósito de contribuir para análise da tendência à queda da taxa de uso das mercadorias e do trabalho sob a produção regida pelo capital, buscamos neste trabalho articular os ciclos de construção e reconstrução das cidades e do espaço urbano a partir do mundo contemporâneo que permitem verificar a tendência econômica do capital da sobreposição, em última instância, do valor de troca ao valor de uso. Essa tendência econômica condiz com processos desiguais de desenvolvimento dos complexos da reprodução social envolvendo a historicidade, sem ser uma condição predeterminada. Procuraremos os efeitos da produção contemporânea das cidades e os seus diferentes aspectos, bem como a validade histórica da tendência a queda da taxa de uso como contradição viva que se desloca para diferentes campos da reprodução humana sendo um limite ao pleno desenvolvimento de suas capacidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Saluti Cardoso, Centro Universitário Fundação Santo André

Doutorando no curso de Pós-Graduação em Geografia Humana na Universidade de São Paulo. Professor do curso de Geografia no Centro Universitário Fundação Santo André.

Referências

BAER, Mônica & LICHTENSZTEJN, Samuel (1987). Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial: estratégias e políticas do poder financeiro. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. 239p.

BALZAC, Honoré de (2012). A comédia humana. São Paulo: Globo, Vol. I, 2012, 871p.

BALZAC, Honoré de (2014). Ilusões Perdidas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014. 698p.

BENEVOLO, Leonardo (2010). História da cidade. São Paulo: Perspectiva, 2010. 727p.

BERNARDO, João (2000). Transnacionalização do capital e fragmentação dos trabalhadores: ainda há lugar para os sindicatos? São Paulo: Boitempo Editorial, 2000. 98p.

Cardoso, Felipe Saluti Cardoso (2018). Formas alienadas da produção: destruição criativa e produção destrutiva. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 572-590. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.138601

ENGELS, Friedrich (1979). A questão da habitação. Belo Horizonte: Aldeia Global Livraria e Editora LTDA, 1979. 76p.

BALZAC, Honoré de(2008). A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2008. 383p.

GRAHAN, Stephen (2016). Cidades sitiadas: o novo urbanismo militar. São Paulo: Boitempo, 2016. 504p.

HARVEY, David (1990). Los límites del capitalismo y la teoría marxista. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 1990. 452p.

HARVEY, David (2004). O Novo Imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004. 201p.

HARVEY, David (2005a). A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005a. 252p.

HARVEY, David (2005b). Condição Pós-Moderna. São Paulo: Loyola, 2005b. 349p.

HARVEY, David (2008). Paris, capital de la modernidad. Madrid: Ediciones Akal, 2008. 458p.

HARVEY, David (2011). O Enigma do Capital. São Paulo: Boitempo, 2011. 231p.

HARVEY, David (2014). Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014. 294p.

HOBSBAWM, Eric J. (1996) A era do capital. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. 459p.

LEFEBVRE, Henri (1969). Posição contra os tecnocratas. São Paulo: Editora Documentos S.A., 1969. 203p.

LEFEBVRE, Henri (1976a). Espacio y Política: el derecho a la ciudad, II. Barcelona: Brasiliense/ Ediciones Península, 1976a. 157p.

LEFEBVRE, Henri (1976b). Survival of capitalism: reproduction of the relations of production. New York: Affiliated Publishers, 1976b. 131 p.

LEFEBVRE, Henri (2013). La producción del espacio. Madrid: Capitán Swing Libros, 2013. 451p.

LUKÁCS, György (2011). O romance histórico. São Paulo: Boitempo, 2011. 438p.

MANDEL, Ernest (1982). O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982. 417p.

MANDEL, Ernest (1990). A crise do capital: os fatos e sua interpretação marxista. São Paulo: Editora Ensaio; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1990, 329p.

MARX, Karl (1982). Para a crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1982, pp. 3-132.

MARX, Karl (1985a). O Capital. São Paulo: Nova Cultural, Vol. I ao V, 1985a.

MARX, Karl (1985b). Capítulo VI Inédito de O Capital: resultado do processo da produção imediata. São Paulo: Editora Moraes, 1985b. 169p.

MARX, Karl (2007). Elementos fundamentales para la crítica de la economía política (Grundrisse/Borrador 1857-1858). Buenos Aires/Ciudad de México/Madrid: Siglo XXI, Vol. I ao III, 2007.

MARX, Karl (2008). Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Expressão Popular, 2008. 272p.

MARX, Karl (2010). A questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010. 139p.

MÉSZÁROS, István (1989). Produção destrutiva e estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989. 135p.

MÉSZÁROS, István (2011). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011. 1102p.

MÉSZÁROS, István (2012). O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2012. 566p.

MÉSZÁROS, István (2015). A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. São Paulo: Boitempo, 2015. 191p.

ZOLA, Émile (2014). A besta humana: edição comentada e ilustrada. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. 367p.

Downloads

Publicado

2021-03-23

Como Citar

CARDOSO, F. S. Queda tendencial da taxa de uso e produção alienada do urbano. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 12, p. e020007, 2021. DOI: 10.20396/urbana.v12i0.8661346. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8661346. Acesso em: 5 dez. 2022.