“Colonianos”, “caravanistas”, “excursionistas” e “passeantes”

A história do Sesc-SP, norteada pelas práticas de lazer turístico oferecidas pela instituição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v12i0.8663372

Palavras-chave:

Sesc-SP, Lazer, Turismo social

Resumo

Este artigo advém de uma pesquisa de doutorado sobre a história do lazer turístico no Serviço Social do Comércio de São Paulo (Sesc-SP). A investigação contou com a análise documental, a partir de fontes arquivadas na Sede administrativa e no Sesc-Memórias, ambos do Sesc-SP. Além disso, utilizando-se do método da História Oral, foram realizadas dezenove entrevistas com profissionais de diferentes cargos, funções e posições, que trabalharam na instituição desde a década de 1970 até o início do século XXI. Também foi efetivada uma densa revisão bibliográfica a respeito da própria entidade, da conjuntura sociopolítica que engloba a sua trajetória e da institucionalização do lazer na história do Brasil. Os resultados demonstraram como foi sendo construído o ideário em torno do lazer turístico no Sesc-SP, descrevendo o percurso ideológico e organizacional por qual passara o departamento regional neste setor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernardo Cheibub, Universidade Federal Fluminense

Doutor em História, Política e Bens Culturais pelo Cpdoc/FGV, com doutorado sanduíche na Universidade de Surrey. Mestre em Estudos do Lazer pela UFMG. Professor e pesquisador da Faculdade de Turismo e Hotelaria da UFF, compondo o quadro permanente do Programa de Pós Graduação em Turismo. Coordenador do programa de extensão Turismo Social UFF. Líder do grupo de pesquisa MobLaTus - Mobilidades, Lazer e Turismo social.

Referências

ALBERTI, V. (1998). A vocação totalizante da história oral e o exemplo da formação do acervo de entrevistas do Cpdoc. In: INTERNACIONAL ORAL HISTORY CONFERENCE, 1998, R. Janeiro. Anais do... R. Janeiro. p.1-7.

ALBERTI, V. (2005). Tratamento das entrevistas de História Oral no Cpdoc. R. Janeiro: Cpdoc.

ALBERTI, V. (2010). Programa de História Oral do Cpdoc no Globo Universidade. Disponível em: http://globouniversidade.globo.com/. Acesso em: 02 out. 2010.

ALMEIDA, M. V. de. (2001). Turismo Social: por uma compreensão mais adequada deste fenômeno e sua implicação prática na realidade atual brasileira. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Artes), ECA/USP, S. Paulo.

AMADO, J; FERREIRA, M.M. Usos & abusos da história oral. R. Janeiro: FGV, 2001. ISBN: 978-8522502004

BIKEL, M. C. P. (2013). O Serviço Social do Comércio e a Produção de Conhecimentos sobre o Lazer no Brasil (Década de 1970). Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer), PPGEL/UFMG, B. Horizonte.

BRÊTAS, A. (2008). Serviço de Recreação Operária: a singularidade de uma experiência (1943-1945). In: BRÊTAS, A.; ALVES JÚNIOR, E. de D.; MELO, V. A. Lazer e cidade: reflexões sobre o Rio de Janeiro. p.43-71. R. Janeiro: Shape.

CAMARGO, L. O. de L. (2009). Perspectivas para o lazer com o impasse da luta pela redução da jornada de trabalho – o caso brasileiro. Licere, B. Horizone, v.12, (2), p.1-32. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/877/674. Acesso em: 20 Ago. 2013.

CENEVIRA, E. Projeto de intensificação da divulgação do turismo social do Sesc-Roosevelt. Arquivos do Sesc-Memórias. Mat. gráfico e textual – Sesc-Roosevelt. 1988. Cx. 28 (Fecomércio, S. Paulo). 1988.

AUTOR, 2012

AUTOR, 2014

AUTOR, 2014

AUTOR, 2015

CORRÊA, A. A. A. (2008). A construção da modernidade e o controle do não trabalho na sociedade brasileira: uma análise comparada do Serviço de Recreação Operária (SRO) e o Serviço Social do Comércio (Sesc). XIII ANPUH-RIO, 2008, R. Janeiro, Anais do..., R. Janeiro, p.1-12.

FOLHA DE SÃO PAULO (1997). Projeto “Caminho das Artes”. Arquivos do Sesc-Memórias – Mat. gráfico e textual – Sesc-Paraíso. Cx. 30. 1997.10.13. (Fecomércio, S. Paulo). 13 out. 1997.

GOMES, C. L.; MELO, V. A. de. (2003). Lazer no Brasil: Trajetória de estudos, possibilidades de pesquisa. Revista Movimento, P. Alegre, n. 19, p.23-44.

GOMES, C. M. (2008) Dumazedier e os estudos do lazer no Brasil: breve trajetória histórica. IX SEMINÁRIO O LAZER EM DEBATE, 2008, B. Horizonte. Anais do... B. Horizonte. p.1-12.

FIGUEIREDO, B. G. (1991). A criação do Sesi e Sesc: do enquadramento da preguiça à produtividade do ócio. Dissertação (Mestrado em História), IFCH, Unicamp, Campinas.

LOURENÇO, N. (1994). Atuação do regional em âmbito nacional. Arquivos do Sesc-Memórias. Mat. gráfico e textual – Sesc-Paraíso. Cx. 30. 1994.10.28 (Fecomércio, S. Paulo). 28 out. 1994.

MELO, V. A. (1998). Inezil Penna Marinho: notas biográficas. In: FERREIRA NETO, A. Pesquisa Histórica na Educação Física. Ed. FACHA, Aracruz.

MELLO, L. de F. P. (1998). Resumo cronológico da legislação vigente sobre turismo. Arquivos do Sesc-Memórias – Mat. gráfico e textual – Sesc-Paraíso. Cx. 30. 1998.09.04. (Fecomércio, S. Paulo). 04 set. 1998.

MULLER, D.; HALLAL, D. R.; RAMOS, M. DE G. G.; GARCIA, T. E. M. (2011). O despertar do turismo no Brasil: a década de 1970. In: Tourism and Managent Studies. n. especial. p.639-653.

O ESTADO DE SÃO PAULO (1997). Projeto “Caminho das Artes”. Arquivos do Sesc-Memórias – Mat. gráfico e textual – Sesc-Paraíso. Cx. 30. 1997.10.03. (Fecomércio, S. Paulo). 03 out. 1997.

O SESC EM MARCHA (1951). Publicação mensal do Sesc – Ano II - Novembro de 1951 - n. 18. Arquivos do Sesc-Memórias (Fecomércio, S. Paulo). Nov. 1951.

PROJETO INCENTIVO AO TURISMO SOCIAL (1978). Levantamento e acordo com ordens religiosas. Arquivos do Sesc-Memórias. Mat. gráfico e textual – Sesc-Roosevelt. 1992. Cx. 28 (Fecomércio, S. Paulo). 1978.

REQUIXA, R. A. Q. de S. (2001). Renato Requixa (depoimento). P. Alegre: CEME/ESEF/UFRGS.

RODRIGUES, A. A. B. (1995). Águas de São Pedro – estância paulista, uma contribuição à geografia da recreação. Tese de doutorado. DG/FFLCH, USP, S. Paulo.

ROLKOUSKI, E.; SILVA, H. da. (2009). As vozes do passado – História Oral: Paul Thompson X Philippe Joutard. Unesp: Rio Claro.

SANTOS, A. O. (2006). Por uma aliança pelo turismo. In: CARVALHO, C. L. DE; BARBOSA, L. G. M. Discussões e propostas para o turismo no Brasil. R. Janeiro: Senac. p.7-8.

SESC-PARAÍSO (1996). Encarte propagandístico “Viaje agora e pague em 5 parcelas fixas”. Arquivos do Sesc-Memórias – Mat. gráfico e textual – Sesc-Paraíso. 1997-1998. Cx. 30. (Fecomércio, S. Paulo). 1996.

SESC-ROOSEVELT (1984). Resultados orçamentários. Arquivos do Sesc-Memórias. Mat. gráfico e textual – Sesc-Roosevelt. 1985. Cx. 28. (Fecomércio, S. Paulo). 1984.

SESC-SP (2014). Unidades. Disponível em http://www.sescsp.org.br/unidades/. Acesso em: 16 jun. 2014.

Downloads

Publicado

2021-05-27

Como Citar

CHEIBUB, B. “Colonianos”, “caravanistas”, “excursionistas” e “passeantes”: A história do Sesc-SP, norteada pelas práticas de lazer turístico oferecidas pela instituição. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 12, p. e020016, 2021. DOI: 10.20396/urbana.v12i0.8663372. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8663372. Acesso em: 27 nov. 2022.